Do ensino remoto emergencial ao ensino híbrido no curso de Ciências Biológicas: a nossa visão a partir do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2021.185554

Palavras-chave:

Educação à distância, Educação remota, Ensino online, Ensino híbrido, Tecnologia educacional, COVID-19

Resumo

A formação de biólogos baseia-se fortemente em um currículo presencial, incluindo inúmeras atividades práticas de laboratório e campo. Essa estrutura foi abruptamente abalada pela pandemia em 2020, forçando-nos a uma mudança para o ensino remoto emergencial (ERE). Sobrevivemos e nos adaptamos. Agora é hora de refletirmos com calma sobre a nossa prática docente. Que tal aproveitar o que aprendemos no calor da batalha e pensar em uma futura evolução do ERE para o ensino híbrido no curso de Ciências Biológicas do IB-USP? Assim como ocorre evolução biológica e cultural, é natural que a nossa prática docente e o processo de ensino-aprendizagem também evoluam. Cometemos erros e acertos, e as nossas experiências oferecem uma oportunidade de abraçar o processo de adaptação e evoluir. É importante ressaltar que o hibridismo em um curso de Ciências Biológicas, por definição, não envolve abolir experiências práticas presenciais que fomentem habilidades e competências fundamentais para a atuação profissional de biólogos. Não defendemos aqui uma migração integral para a educação a distância (EAD) ou os cursos abertos online em massa (MOOC), mas a incorporação de aprendizados e ferramentas obtidos durante o ERE. O ensino híbrido, além de valorizar significado e contexto, pode facilitar que cada aluno estabeleça o seu próprio ritmo de estudo. Ele permite ao estudante um papel ativo na aprendizagem autônoma e na exploração de novos conteúdos, dentro de limites de organização e prazos de aprendizado. Isso pode ainda aumentar o aproveitamento das atividades práticas de laboratório e campo, e de outras que são mais produtivas em modo presencial. O ensino híbrido, com boa parte do conteúdo passada de forma remota, torna a experiência de aprendizagem mais agradável e possibilita a construção do conhecimento de forma mais colaborativa, ativa e integrativa. É notório que estamos enfrentando um dos maiores desafios da nossa era. Felizmente, temos a oportunidade de unir as nossas experiências e aumentar a eficiência do processo ensino- aprendizagem, assim como promover uma maior inclusão e acolhimento nas nossas turmas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Hodges, C.; Moore, S.; Lockee, B.; trust, T.; Bond, A. 2020. The difference between emergency remote teaching and online learning. Educause Review, 27/03/2020. Disponível em: https://er.educause.edu/articles/2020/3/the-difference-between-emergency-remote-teaching-and-online-learning

Heard, S. 2021. What if the way Covid-19 forces us to teach is actually better? Scientist Sees Squirrel, 18/01/2021. Disponível em: https://scientistseessquirrel.wordpress.com/2021/01/19/what-if-the-way-covid-19-forces-us-to-teach-is-actually-better/

Valente, J.A. 2014. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista (número especial 4): 79-97. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.38645

Ursi, S.; Mello, M.A.R., Muylaert, R.L.; Palaoro, A.V. 2020. Sobrevivendo na Ciência e no ensino remoto. Live do blog Sobrevivendo na Ciência, 21/07/2020. Disponível em: https://youtu.be/nRrRu0og8PA

Twenge, J. 2018. iGen: why today's super-connected kids are growing up less rebellious, more tolerant, less happy - and completely unprepared for adulthood. Atria Books, New York. ISBN: 978-1501152016.

Downloads

Publicado

2021-08-20 — Atualizado em 2021-08-24

Como Citar

1.
Chow F, Calixto CPG, Mello MAR. Do ensino remoto emergencial ao ensino híbrido no curso de Ciências Biológicas: a nossa visão a partir do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP). Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 24 de agosto de 2021 [citado 21 de outubro de 2021];54(Supl 1):e-185554. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/185554
Bookmark and Share

Dados de financiamento