De Paraisópolis para o mundo: o vestido da miss universo e a potência da comunidade evidenciando o vestuário como manifestação sociocultural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-5057.v15i1e213076

Palavras-chave:

Moda, Miss Universo, Costurando Sonhos, Paraisópolis

Resumo

Este artigo aborda o vestuário da brasileira Julia Gama, vice-campeã da 69ª edição do concurso Miss Universo, que trajou uma criação da estilista Michelly X, mulher transgênero. O vestido foi produzido pela iniciativa Costurando Sonhos, que capacita mulheres vítimas de agressão doméstica, em Paraisópolis, São Paulo. O caráter efêmero da moda culmina em um sistema de significados passageiros, em que o indivíduo se comunica com a sociedade e expressa sua identidade por meio de roupas e produtos. É possível aplicar o entendimento do trickle-up, apontado por McCracken, como imperativo para o conhecimento do contexto cultural-social em que os fenômenos de imitação e diferenciação ocorrem, uma vez que o vestuário tem uma forte função comunicacional, baseada na cultura na qual se estabelece.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR, Vagner de; BELAZI, Bruna. Cidade do Paraíso: há vida na maior favela de São Paulo. São Paulo: Primavera, 2013.

CHESTHER, Rick. A favela venceu: de um povo heroico o brado retumbante. São Paulo: Buzz, 2020.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução de Vera da Costa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2019.

CRANE, Diana. A moda e seu papel social: classe, gênero e identidade das roupas. Tradução de Cristina Coimbra. São Paulo: Editora Senac, 2006.

FOGG, Marnie. Tudo sobre moda. Tradução de Débora Chaves, Fernanda Abreu, Ivo Korytowski. Rio de Janeiro: Sextante, 2013.

GODART, Frédéric. Sociologia da moda. Tradução de Lea P. Zyllberlicht. São Paulo: Editora Senac, 2010.

HAN, Byung-Chul. A salvação do belo. Tradução de Gabriel Salvi Philipson. Petrópolis: Vozes, 2019.

HAZZY, Evandro. Universo miss: história, técnica & beleza. Porto Alegre: Rígel, 2014.

MCCANN, Hannah. O livro do feminismo. Tradução de Ana Rodrigues. 1. ed. Rio de Janeiro: Globo Livros, 2019.

MCCRACKEN, Grant. Cultura e consumo: novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atividades de consumo. Tradução de Fernanda Eugenio. Rio de Janeiro: MAUAD, 2003.

MEDIEN, Hiller. São Paulo – Paraisópolis. Ordem e Progresso? Urban Re-act Lab, 2010.

MIRANDA, Ana Paula de. Consumo de moda: a relação pessoa-objeto. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2014.

O’CONNELL, Mark; AIREY, Raje. Almanaque ilustrado dos símbolos. Tradução de Débora Ginza. São Paulo: Escala, 2011.

PEREZ, Clotilde. Signos da marca: expressividade e sensorialidade. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2016.

PEREZ, Clotilde. Há limites para o consumo? São Paulo: Estações das Letras, 2020.

RIELLO, Giorgio. História da moda. Da Idade Média aos nossos dias. Tradução de Carlos Aboim de Brito. Lisboa: Texto & Grafia, 2012.

SANTAELLA, Lucia. A moda é sintoma da cultura? São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2023.

SARMENTO, José Marques. Paraisópolis: caminhos de vida e morte. São Paulo: Zouk, 2003.

SIMMEL, Georg. Filosofia da moda e outros escritos. Lisboa: Texto & Grafia, 2008.

SVENDSEN, Lars. Moda: uma filosofia. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

WOLF, Naomi. O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Tradução de Waldéa Barcellos. 16. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2021.

Downloads

Publicado

2023-07-26

Como Citar

CARACIOLA, C. B. De Paraisópolis para o mundo: o vestido da miss universo e a potência da comunidade evidenciando o vestuário como manifestação sociocultural. Signos do Consumo, [S. l.], v. 15, n. 1, p. e213076, 2023. DOI: 10.11606/issn.1984-5057.v15i1e213076. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/signosdoconsumo/article/view/213076. Acesso em: 27 fev. 2024.