Resistência feminista em Mercado de Escravas, de Leila Míccolis e Glória Perez

Autores

  • Evelyn Santos Almeida Universidade Federal do Espírito Santo
  • Cristiano Augusto da Silva Universidade Estadual de Santa Cruz

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i39.181161

Palavras-chave:

Leila Míccolis, Poesia brasileira, Feminismo, Relações abusivas

Resumo

Nesse artigo, analisamos poemas da obra Mercado de escravas (1984), de Leila Míccolis e Glória Perez, que problematizam o papel da mulher na sociedade moderna patriarcal, sob a perspectiva da crítica às relações afetivas, relações vendidas como afetivas pela cultura, mas que na verdade se configuram como abusivas (sejam elas familiares ou amorosas). As autoras denunciam, com firmeza e humor, por meio de versos ácidos e debochados, o ambiente machista e tirânico no núcleo familiar e na relação conjugal, a partir de uma voz lírica nitidamente feminista e de uma sólida vontade de resistência ao logofalocentrismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evelyn Santos Almeida, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Letras  (PPGL) - Universidade Federal do Espírito Santo. Licenciada em Letras, com habilitação em Língua Portuguesa, Língua Inglesa e suas Respectivas Literaturas, pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2018). Integra o grupo de pesquisa: Literatura brasileira e contextos autoritários.

Cristiano Augusto da Silva, Universidade Estadual de Santa Cruz

Professor Titular de Literatura Brasileira e Teoria da Literatura na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Graduação, mestrado e Doutorado pela Universidade de São Paulo - USP na área de Literatura. Pós-doutorado na Universidade de Santa Maria. Desenvolve pesquisas na área de literatura brasileira contemporânea (poesia, prosa e literatura de testemunho) e suas relações com o autoritarismo, violência e configurações da resistência.

Referências

ABREU, Luciana de Oliveira. O bom filho à casa torra, isto é: ironia, humor e poesia na obra de Leila Míccolis. 25f. 2008. Monografia (Especialização em Estudos Literários). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. Tradução de Christina Baum.

ADORNO, Theodor W. Palestra sobre lírica e sociedade. In. ADORNO, Theodor W. Notas de literatura I. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2003. Tradução de Jorge de Almeida.

BAIRROS, Luíza. Nossos femininos revisitados. Revista Estudos Feministas, Dossiê Mulheres Negras, Florianópolis, v. 3, n. 3, 1995.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. Tradução de Sérgio Milliet.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm>. Acesso em: 04 de jan. 2021.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/Lei/L13104.htm>. Acesso em: 04 de jan. 2021.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 16. ed. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2018. Tradução de Renato Aguiar.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque.

GARCIA, Carla Cristina. Breve história do feminismo. São Paulo: Claridade, 2011.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde 1960/70. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018. Kindle Version. Paginação irregular. E-book.

LEVY, Lidia; GOMES, Isabel Cristina. Relações amorosas: rupturas e elaborações. Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, v. 43.1, p. 45-57, 2011.

MÍCCOLIS, Leila. Desfamiliares: poesia completa de Leila Míccolis (1965-2012). São Paulo: Annablume, 2013.

MÍCCOLIS, Leila. Entrevista com Leila Míccolis. 2017. Disponível em: https://marciasl2001.blogspot.com/2007/06/entrevista-com-leila-mccolis-por-mrcia.html. Acesso em: 04 nov. 2020.

NOGUEIRA, Conceição. Feminismo e discurso do gênero na psicologia social. Psicologia & Sociedade, 13, 1, 107-128.

OLIVEIRA, A. Feminismo. In: Enciclopédia Luso-Brasileira. Lisboa: Verbo, 1996.

PRADO, Débora. Conquista: com sanção presidencial, feminicídio é tipificado no Código Penal brasileiro. Disponível em http://www.compromissoeatitude.org.br/conquista-com-sancao-presidencial-feminicidio-e-tipificado-no-codigo-penal-brasileiro/. Acesso em: 10 jan. 2021.

RIBEIRO Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SALGUEIRO, Wilberth. Poesia brasileira: violência e testemunho, humor e resistência. Vitória: Edufes, 2017.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. Tradução de Sandra R. Goulart Almeida; Marcos Feitosa; André Feitosa.

Downloads

Publicado

2021-09-20

Como Citar

Almeida, E. S. ., & Silva, C. A. da . (2021). Resistência feminista em Mercado de Escravas, de Leila Míccolis e Glória Perez. Via Atlântica, (39), 71-99. https://doi.org/10.11606/va.i39.181161

Edição

Seção

Dossiê 39: Literatura, feminismos e história: imbricações possíveis