A arte diante do mal radical

Autores

  • Thierry De Duve Universidade de Lille 3
  • Juliana Moreira Universidade de Lille 3

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-53202009000100005

Palavras-chave:

arte contemporânea, fotografia, instituições de arte, Nhem Ein, julgamento estético

Resumo

O objeto principal de discussão deste ensaio é a aquisição, para o acervo do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, de um conjunto de fotos de identidade de civis mantidos em campos de extermínio pelo regime de Pol Pot (líder do Khmer Vermelho cambojano entre 1975 e 1979 e responsável pelo massacre sistemático de milhares de civis durante esse período), feitas por um jovem a serviço do governo, especialmente treinado na prática fotográfica para tal fim. Tratava-se, conforme relato do jovem, de um ritual burocrático que antecedia a execução sumária dos prisioneiros. O autor argumenta que a exibição pública das fotos em evento cultural e logo sua incorporação ao acervo de um grande museu de arte, em 1997, implicaram a institucionalização e a naturalização dessas imagens como objetos de arte, e denuncia o fracasso, à luz desses dois episódios, dos princípios que serviram tradicionalmente à legitimação humanista da arte e das instituições de arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-06-01

Como Citar

De Duve, T., & Moreira, J. (2009). A arte diante do mal radical . ARS (São Paulo), 7(13), 64-87. https://doi.org/10.1590/S1678-53202009000100005

Edição

Seção

Arte, tecnologia e novas mídias