Gênero, ciência e etnografia digital: Aproximações e potencialidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175199

Palavras-chave:

Gênero, Sexualidade, Etnografia digital, Etnografia, Antropologia da Ciência e tecnologia

Resumo

Considerando que a dicotomia online/offline não é capaz de contemplar as articulações e experiências de gênero e sexualidade em rede, uma vez que as fronteiras entre material/virtual podem se mesclar e repercutir entre si, este artigo discute o fazer etnográfico a partir da revisão de pesquisas de gênero e sexualidade em diálogo com a Antropologia da Ciência e da Tecnologia. O objetivo central deste artigo é refletir sobre as possibilidades etnográficas que vem sendo empregadas a partir do debate das redes de produção de ciências, tecnologias e saberes que propiciam a produção de gêneros e sexualidades e, portanto, de novos corpos e sujeitos. No intuito de mapear o que vem sendo discutido mais recentemente no cenário nacional, essa pesquisa teve foco nos anais de dois grandes eventos brasileiros (ReACT e RBA). Mais de 50 trabalhos foram identificados e analisados. Temas como hormonização e transsexualidade, experiências de maternidade, ciberfeminismos e ativismo nas redes, experiências relacionadas ao HIV, entre outros, foram bastante frequentes, e algumas abordagens etnográficas também foram identificadas. Assim, buscamos refletir sobre os desafios e caminhos possíveis para o fazer etnográfico cada vez mais tecnologicamente situado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia Vargas Batista, Universidade Federal de Minas Gerais

Júlia Vargas é graduanda em Antropologia com habilitação em Antropologia Social pela Universidade Federal de Minas Gerais. Membro do Grupo de Estudos em Gênero e Sexualidade (GESEX), vinculado ao Departamento de Antropologia e Arqueologia (DAA) da UFMG. Atualmente é bolsista de Iniciação Científica do Instituto René Rachou - Fiocruz Minas Gerais. 

Érica Renata de Souza, Universidade Federal de Minas Gerais

Érica Renata de Souza é Professora Associada do Departamento de Antropologia e Arqueologia (DAA) e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, ambos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, 2005), com doutorado-sanduíche na York University, Toronto, Canadá (2002). Desde 2010 é coordenadora do Grupo de Pesquisa Gênero e Sexualidade (GESEX) e pesquisadora do Laboratório de Antropologia das Controvérsias Sociotécnicas (LACS), ambos pertencentes ao DAA. Finalizou recentemente seu estágio de pós-doutorado junto ao Departamento de Política Científica e Tecnológica (DPCT) do Instituto de Geociências da UNICAMP, instituição na qual também é pesquisadora do Grupo de Estudos Interdisciplinares em Ciência e Tecnologia desde 2010.

Referências

ª REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA. (2016). Grupo de Trabalho. Disponível em: <http://evento.abant.org.br/rba/30rba/?CONTEUDO=8>. Acesso em jul. 2019.

ª REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA. (2018). Grupos de Trabalho. Disponível em: <http://www.evento.abant.org.br/rba/31RBA/GT>. Acesso em jul. 2019.

ALZUGUIR, Fernanda de Carvalho Vecchi; ROHDEN, Fabiola. (2018). Aprimoramento bioquímico e reatualizações de gênero. A promoção das descobertas científicas em torno da ocitocina em veículos de comunicação no Brasil. Anais da 31ª Reunião de Antropologia Brasileira. Brasília.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA. (2019). Histórico. Disponível em: <http://www.portal.abant.org.br/historico/>. Acesso em jul. 2019.

BARROS, Zelinda dos Santos. (2016). Interseção de gênero e raça num território privativo do ciberespaço. Anais da 30ª Reunião Brasileira de Antropologia. João Pessoa-PB.

BESEN, Lucas Biboli; MORETO, Gláucia Cristina Maricato. (2015). Lei João W. Nery e Identidade de gênero: as Materialidades do Estado e seus contornos na (Inter)relação entre sexo-gênero-sexualidade. Anais da V Reunião de Antropologia Brasileira. Porto Alegre-RS.

CAVALCANTI, Natália Conceição Silva Barros. (2016). Grupo Papo de Mãe: uma experiência de rede de apoio à maternagem em Belém do Pará. Anais da 30ª Reunião de Antropologia Brasileira. João Pessoa-PB.

CLIFFORD, James. (2002). “Sobre a autoridade etnográfica”. In: CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: Antropologia e literatura no século XX. (Tradução de Patrícia Farias). Rio de Janeiro: Editora UFRJ, p. 17-62.

FILHO, Ricardo Andrade Coitinho. (2017). O parentesco conformado na experiência soropositiva: Uma abordagem antropológica sobre a transmissão vertical para o HIV na perspectiva crítica dos estudos de gênero. Anais da VI Reunião de Antropologia da Ciência e Tecnologia. São Paulo-SP.

GONÇALVES, Ítalo Vinícius. (2018). O/A antropólogo/a no campo e na rede: o fazer etnográfico em pesquisas de gênero e sexualidade. Relatório Final de Iniciação Científica. Belo Horizonte: UFMG.

GRILLO, Oscar. (2019). Itinerarios de la antropología y su mirada sobre el mundo digital. In: RIVOIR, Ana L.; MORALES, María J. (coord.). Tecnologías digitales Miradas críticas de la apropiación en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, p. 21-34.

HARAWAY, Donna. (1995). Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, n.5, p. 7-41.

HINE, Christine. (2004). Introducción. In: HINE, Christine. Etnografía Virtual. Barcelona: Editorial UOC, p. 9-24.

LEITÃO, Debora K., GOMES, Laura G. (2017). Etnografia em ambientes digitais: perambulações, acompanhamentos e imersões. Revista Antropolítica, n.42, p. 41-61. DOI https://doi.org/10.22409/antropolitica2017.1i42.a546

LEVAI, Giulia Bauab. (2018). “Ortopedias” para as “sexualidades desviantes”: teorias e experimentos de terapias de “reversão sexual” na endocrinologia do início do século XX. Anais 31ª Reunião de Antropologia Brasileira. Brasília.

LINS, Beatriz Accioly. (2016). Vazou na internet: gênero, violência e internet nos debates sobre ‘pornografia de vingança’. Anais da 30ª Reunião Brasileira de Antropologia. João Pessoa-PB.

LIMA, Elizabeth Christina de Andrade. (2016). A Construção da Imagem Pública de Dilma Rousseff no Ciberespaço: Misoginia, estereótipos e relações de gênero. Anais da 30ª Reunião Brasileira de Antropologia. João Pessoa-PB.

LOPES, Maria M.; SOMBRIO, Mariana M. (2017). Apresentação. Cadernos Pagu, n. 49, p. 1-17. DOI http://dx.doi.org/10.1590/18094449201700490005.

MILLER, Daniel; SLATER, Don. (2004). Etnografia on e off-line: cibercafés em Trinidad. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre-RS, v. 10, n. 21, p. 41-65. DOI https://doi.org/10.1590/S0104-71832004000100003

MONTEIRO, Marko S. Alves. (2012). Reconsiderando a Etnografia da Ciência e da Tecnologia: Tecnociência na prática. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 27, n.79, p. 139-151. DOI https://doi.org/10.1590/S0102-69092012000200009

NUCCI, Marina Fisher. (2015a). ‘Não chore, pesquise!’ – Reflexões sobre sexo, gênero e ciência a partir do neurofeminismo. Tese de Doutorado. Programa de Pòs-Graduação em Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2015a.

NUCCI, Marina Fisher. (2015b). ‘Não chore, pesquise!’ – Reflexões sobre sexo, gênero e ciência a partir do neurofeminismo. Anais da V Reunião de Antropologia da Ciência e Tecnologia. Porto Alegre-RS.

PEIRANO, Mariza. (2014). Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, ano 20, n. 42. Porto Alegre, p. 377-391. DOI http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832014000200015

PINHEIRO, Diego Alano de Jesus. (2016). “Crianças especiais para famílias especiais”: Os sentidos de maternidade para mães de bebês com microcefalia em Pernambuco. Anais da 30ª Reunião de Antropologia Brasileira. João Pessoa-PB.

PIMENTEL, Camila. (2018). Compreensões e papéis da tecnologia no ideário do parto humanizado. 31ª Reunião de Antropologia Brasileira. Brasília.

REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA. (2019). Anais da ReACT - Reunião de Antropologia da Ciência e Tecnologia 2014-2019. Disponível em: <https://ocs.ige.unicamp.br/ojs/react/issue/archive>. Acesso em jul. 2019.

ROHDEN, Fabíola; MONTEIRO, Marko. (2019). Para além da ciência e do anthropos: deslocamentos da antropologia da ciência e da tecnologia no Brasil. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais – BIB, n. 89, p. 1-33. DOI 10.17666/bib8907/2019

SEGATA, Jean; RIFIOTIS, Theophilos. (2016). Antropologia e Cibercultura. In: SEGATA, Jean; RIFIOTIS, Teophilos. (org.). Políticas Etnográficas no Campo da Cibercultura. Brasília: ABA Publicações, p. 9-20.

TRAMONTANO, Lucas. (2017). ‘Corpo de monstro, mente de cientista’: contradições nos discursos médicos e leigos acerca do uso da testosterona como anabolizante muscular. Anais da VI Reunião de Antropologia da Ciência e Tecnologia. São Paulo-SP.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Batista, J. V., & Souza, Érica R. de. (2020). Gênero, ciência e etnografia digital: Aproximações e potencialidades. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(2), e175199. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175199

Edição

Seção

Especial