A imersão oculta em plataformas online: uma experiência antropológica a partir dos estudos de recepção

Autores

  • Luiz Augusto Mugnai Vieira Junior Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175275

Palavras-chave:

imersão oculta, plataformas online, mídias digitais, recepção

Resumo

A partir da experiência de um estudo antropológico que consistiu na confecção de uma pesquisa de doutorado sobre a recepção da transexualidade nas mídias digitais, o presente artigo tem como objetivo descrever sobre os procedimentos de imersão em plataformas on-line, do mesmo modo, refletir a prática e o comportamento on-line do/a antropólogo/a de ser um/a observador/a oculto/a digital. Para tal, descrevo de forma mais detalhada sobre como foi proceder durante quatro anos em campo on-line fornecendo reflexões sobre a observação antropológica no campo digital e seus artefatos de pesquisa para a sua realização. A sociedade e a cultura têm sido marcadas e intensificadas pelas mídias digitais; é o anúncio do digital constituindo a vida cotidiana. Frente a esse cenário, descrever o campo on-line, observar o digital e refletir sobre as relações sociais intermediadas por uma tela de computador ou de celular têm sido, cada vez mais, um exercício recorrente e desafiante para os estudos sócio- antropológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Augusto Mugnai Vieira Junior, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Professor da Universidade Paranaense e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista. Possui graduação em Ciências Sociais (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade Estadual de Londrina (2004), graduação em Marketing e Propaganda pela Universidade Norte do Paraná (2003) e mestrado em História, Poder e Práticas Sociais pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2011). 

Referências

ALEXA. Ranking dos sites mais acessados no Brasil. Disponível em:< https://www.alexa.com/topsites/countries/BR>. Acesso em: 15 abr.2018.

GLOBO. In: G1 (2008). O que é: Portal. Disponível em:< http://g1.globo.com/Noticias/0,,MUL414442-15524,00-O+QUE+E+PORTAL.html >. Acesso em: 20 abr.2018.

GLOBO. In: In: G1 (2008 b). Globo.com estreia portal para iPhone e outros smartphones. Disponível em:< http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL774442-6174,00-GLOBOCOM+ESTREIA+PORTAL+PARA+IPHONE+E+OUTROS+SMARTPHONES.html>. Acesso em: 20 abr.2018.

GLOBO. In: G1 (2015). “'Representei a dor que sentimos', diz transexual 'crucificada' na Parada Gay” (GLOBO, 2015, s.p). Disponível em < http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/06/representei-dor-que-sentimos-diz-transexual-crucificada-na-parada-gay.html>. Acesso em: 08 jun. 2015.

GLOBO. In: G1. (2012). Facebook passa Orkut e vira maior rede social do Brasil, diz pesquisa. Disponível em: < http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2012/01/facebook-passa-orkut-e-vira-maior-rede-social-do-brasil-diz-pesquisa.html >. Acesso em: 17 jun. 2017.

GLOBO. In: G1. (2016). Facebook libera cinco novos botões alternativos ao 'curtir’. Disponível em: < http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2016/02/facebook-libera-cinco-novos-botoes-alternativos-ao-curtir.html >. Acesso em: 03 jun. 2016.

GRUPO GLOBO. História do Grupo Globo. Disponivel em:< https://robertomarinho.globo.com/hgg/>. Acesso em: 10 set. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal: 2014. Coordenação de Trabalho e Rendimento – Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: <http://goo.gl/q1PhEG>. Acesso em: 05 dez. 2016.

Referências

AMARAL, Adriana da Rosa. Etnografia na pesquisa em cibercultura. Limites e insuficiências metodológicas. Revista USP, v. 1, p. 122-135, 2010.

BAYM, Nancy K. Personal Connections in the Digital Age. Cambridge: Polity Press, 2010.

BRAGA, Adriana Andrade; GASTALDO, Édilson. O Legado de Chicago e os Estudos de Recepção, Usos e Consumos Midiáticos. Revista FAMECOS, v. 39, p. 78-84, 2009.

BRAGA, Adriana Andrade. Técnica etnográfica aplicada à comunicação online: uma discussão metodológica. UNIrevista (UNISINOS. Online), v. 1, p. 1-11, 2006.

JUNGBLU, Airton Luiz. A heterogenia do mundo on-line : algumas reflexões sobre virtualização, comunicação mediada por computador e ciberespaço. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 10, n. 21, p. 97-121, jan./jun. 2004.

KOZINETS, Robert V. Click to connect: netnography and tribal advertising. Journal of Advertising Research. p. 279-288, sep. 2006.

KOZINETS, Robert V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre : Penso, 2014.

LEMOS, André. Cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2002.

MAGNANI, José Guilherme C. (2002), “De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana”, Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17 (49), 2002.

MALINOSWKI, Bronislaw. Os Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural,1976.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. De los medios a las mediaciones. Barcelona: Gustavo Gili, 1987.

MILLER, Daniel; HEATHER, A. Horst. O Digital e o Humano: prospecto para uma Antropologia Digital. Parágrafo, v. 2, n. 3 jul./dez.2015, pp.91-111.

MILLER, Daniel; HEATHER, A. Horst. Digital anthopology. London, UK/New York, USA: Berg, 2012.

MISKOLCI, Richard. Novas conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais. Cronos: R. Pós-Grad. Ci. Soc. UFRN, Natal, v. 12, n.2, p. 09-22, jul./dez. 2011.

MISKOLCI, Richard. Sociologia Digital: notas sobre pesquisa na era da conectividade. Contemporânea. v. 6, n. 2 p. 275-297. Jul.–Dez. 2016.

MISKOLCI, Richard. San Francisco e a nova economia do desejo. Lua Nova, São Paulo, 91: 269-295, 2014.

PELÚCIO, Larissa; PAIT, Heloísa; SABATINE, Thiago. No emaranhado da rede: gênero, sexualidade e mídia, desafios teóricos e metodológicos do presente. São Paulo: Annablume Queer, 2015.

PELÚCIO, Larissa. Narrativas infiéis: notas metodológicas e afetivas sobre experiências das masculinidades em um site de encontros para pessoas casadas. Cadernos Pagu, v. 01, p. 31-60, 2015.

PORTUGAL, Sílvia. (2007). Contributos para uma discussão do conceito de rede na teoria sociológica. Oficina do CES n.º 271. Março de 2007. Disponível em:< file:///C:/Users/Usuario/Downloads/271.pdf>. Acesso em 10 jun 2017.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SORIANO, Jaume. Las nuevas reglas de la etnografia de la comunicación. 2007. Disponível em: <http://www.portalcomunicacion.com/esp/n_aab_lec_1.asp?id_llico=30>. Acesso em: 10 ago. 2018.

STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

VARIS, Piia. Digital ethnography. Tilburg Papers in Culture Studies, Paper 104. Tilburg University. Understanding Society, 2014.

WINKIN, Yves. Descer ao campo. In: SAMAIN, Etienne (org.). A nova comunicação: da teoria ao trabalho de campo. São Paulo: Papirus, 1998.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Vieira Junior, L. A. M. (2020). A imersão oculta em plataformas online: uma experiência antropológica a partir dos estudos de recepção. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(2), e175275. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175275

Edição

Seção

Especial