Percepções de professores em formação inicial na modalidade a distância sobre alguns materiais didáticos do curso de Letras: leitura no papel e leitura na tela

Autores

  • Daniela Sayuri Kawamoto Kanashiro Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Patrícia Graciela da Rocha Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i13p136-161

Palavras-chave:

Formação de professores, educação a distância, leitura, material didático.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo relatar e discutir como os alunos do curso de Letras Português e Espanhol, na modalidade a distância, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), acessam os conteúdos de Língua Espanhola explicitados em alguns materiais didáticos disponibilizados.  Eles leem na tela ou leem no papel? Que suporte utilizam com mais frequência para abrirem determinados arquivos? Como avaliam a disponibilização dos materiais? De modo geral, verificamos que a maioria dos graduandos prefere ainda a leitura no papel. Para acessar os arquivos digitais, utilizam com mais frequência o notebook e o computador de mesa. A maioria deles avalia positivamente a oportunidade de receber material impresso, como o livro do aluno, por exemplo. Os dados coletados apontam para a necessidade de outras pesquisas, uma vez que, devido aos cortes orçamentários, os materiais impressos não serão mais reproduzidos pela instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Sayuri Kawamoto Kanashiro, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora (2012) e mestre (2008) em Educação pela Universidade de São Paulo. Atua como docente no curso de Licenciatura em Letras da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, ministrando aulas nas disciplinas de Língua Espanhola, Prática de Ensino e Estágios Obrigatórios. Participa de grupos de pesquisa da USP, UFS e UFMS relacionados ao ensino e aprendizagem de Espanhol e formação de professores. Foi leitora crítica das Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio – Conhecimentos de Espanhol (BRASIL, 2006).

Patrícia Graciela da Rocha, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora (2012) e Mestre (2008) em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atua como docente no curso de Licenciatura em Letras da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul desde 2009, ministrando aulas nas disciplinas de Língua Portuguesa, Prática de Ensino e Estágio Obrigatório e coordena o Grupo de Estudos em Formação de Professores na Educação a Distância (GEForPED).

Referências

Almeida, Maria de Fatima Xavier da Anunciacao; Burigato, Sonia Maria Monteiro da Silva; Kanashiro, Daniela Sayuri Kawamoto; Noal, Miran Lange; Rocha, Patrícia Graciela da; Tartarotti, Ester (2014). ‘Você está me ouvindo?’ As condições de trabalho docente na EAD. In: Simpósio Internacional de Educação a Distância e Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância, 2014, São Carlos. Anais do SIED: EnPED, 2014, 1-12. Disponível em: http://www.sied-enped2016.ead.ufscar.br/ojs/index.php/2014/article/view/566/341.

Baptista, Livia Marcia Tiba Radis Baptista. “O ensino da escrita em ambiente virtual de aprendizagem (AVA)”. In: Araújo, Júlio; Araújo, Nukácia (Orgs.). EaD em tela: docência, ensino e ferramentas digitais. Campinas/SP: Pontes Editores, 2013, 139-158.

Brasil. SEED/MEC. Referenciais de Qualidade para Educação Superior à Distância. Brasília: Ministério da Educação, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf.

Bruyne, Paul de; Herman, Jacques e Schoutheete, Marc de. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

Cabral, Ana Lucia Tinoco. “Produção de material para cursos a distância: coesão e coerência”. In: Marquesi, Sueli Cristina, Elias, Vanda Maria da Silva; Cabral, Ana Lucia Tinoco (Orgs.). Interações virtuais: perspectivas para o ensino de Língua Portuguesa a distância. São Carlos: Claraluz, 2008,157-170.

Chartier, Roger. Aventura do livro ao navegador. São Paulo: UNESP, 1998.

Eres Fernandez, I. Gretel M. Relatório final de pesquisa não financiada. Pró-reitoria de Pós-graduação da USP. São Paulo, 2012. Disponível em: http://www4.fe.usp.br/wpcontent/uploads/cepel/materiales-didacticos-de-espanol-informe.pdf.

Gatti, Bernardete. ”Critérios de qualidade”. In: Almeida, Maria Elizabeth Bianconcini e Moran, Jose Manuel. Integração das Tecnologias na Educação. Brasília: Ministério da Educação, Seed, 2005. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/4sf.pdf.

Jabr, Ferris. Por que o cérebro prefere o papel? Scientific American Brasil. Dezembro,2013, 40-45.

Kanashiro, Daniela Sayuri Kawamoto; Rocha, Patrícia Graciela da. A percepção do egresso do curso de Letras Português e Espanhol da UFMS, na modalidade a distância. Revista Renote Novas Tecnologias na Educação. V. 12, nº 2, dezembro, 2014. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/53564/33062.

Kanashiro, Daniela Sayuri Kawamoto. Considerações acerca dos materiais didáticos disponibilizados num curso de formação de professores na modalidade a distância. No prelo.

Moore, Michael G. e Kearsley, Greg. Educação a distância: uma visão integrada. Trad. Roberto Galman. Sao Paulo: Thomson Learning, 2007.

Vergnano Junger, Cristina de Souza. Leitura na tela: reconstruindo uma prática amiga. In: Soto, Ucy; Gregolin, Isadora; Mayrink, Monica Ferreira; Vergnano Junger, Cristina; Rangel, Marcelo; Perez, Roberto. Novas tecnologias em sala de aula. São Carlos: Claraluz, 2009, 25-33.

Downloads

Publicado

2017-03-31

Como Citar

Kanashiro, D. S. K., & Rocha, P. G. da. (2017). Percepções de professores em formação inicial na modalidade a distância sobre alguns materiais didáticos do curso de Letras: leitura no papel e leitura na tela. Caracol, (13), 136-161. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i13p136-161