Afinidades eletivas. Haroldo de Campos traduz os hispanoamericanos

Autores

  • Gênese Andrade Universidade Estadual Paulista. Instituto de Estudos da Linguagem

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i1p36-63

Palavras-chave:

Tradução literária, Haroldo de Campos, Julio Cortázar , Lezama Lima , Octavio Paz , Severo Sarduy

Resumo

Neste ensaio, apresentamos algumas traduções de autores hispano-americanos realizadas por Haroldo de Campos e mostramos como elas dialogam com sua obra crítica e criativa. Abordamos também o papel que essas traduções ocupam na recepção no Brasil da obra dos escritores focalizados: Lezama Lima, Severo Sarduy, Julio Cortázar e Octavio Paz.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gênese Andrade, Universidade Estadual Paulista. Instituto de Estudos da Linguagem

Professora colaboradora do Departamento de TeoriaLiterária do iel-Unicamp,pesquisadora e tradutora. Com Mestrado e Doutorado em Literatura Hispano-Americana na fflch-usp, atualmente realiza o Pós-Doutorado em Literatura Comparada no iel-Unicamp. Autora de ensaios incluídos em livros e revistas especializadas, publicados no Brasil e no exterior. Organizadora de Oswald de Andrade, Feira das Sextas (Globo, 2004); co-organizadorade Un diálogo americano: modernismo brasileño yvanguardia uruguaya (1924-1932) (Universidad de Alicante, 2006).

Referências

Andrade, Gênese, “Libertad bajo palabra, un libro-palimpsesto”. Fundación. Anuario de la Fundación Octavio Paz. 2 (2000): 59-87.

_____, “Epílogo. Encontros e desencontros de letras”. Un diálogo americano: modernismo brasileño y vanguardia uruguaya (1924-1932). Org. Pablo Rocca e Gênese Andrade, Alicante: Universidad de Alicante, 2006. 283-312.

Antelo, Raúl, Na ilha de Marapatá. Mário de Andrade lê os hispano-americanos. São Paulo: Hucitec, 1986.

Artundo, Patricia, Mário de Andrade e a Argentina: Um país e sua produção cultu-ral como espaço de reflexão. Trad. Gênese Andrade. São Paulo: Edusp; Fapesp, 2004.

Bandeira, Manuel, Itinerário de Pasárgada. Poesia completa e prosa. Rio de Janei-ro: Nova Aguilar, 1990. 33-102.Campos, Haroldo de, “Da tradução como criação e como crítica” (1962). Meta-linguagem e outras metas. São Paulo: Perspectiva, 2004. 31-48.

_____, “O jogo da amarelinha”. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 30 jul. 1967.

_____, “Barroco em trânsito”. Suplemento Literário, O Estado de S. Paulo, 28 mar. 1971. Republicado com o título “Uma arquitextura do Barroco”. A ope-ração do texto. São Paulo: Perspectiva, 1976. 139-150.

_____, “Preliminares a uma tradução do Coup de Dés de Stéphane Mallarmé”. Haroldo de Campos, Augusto de Campos e Décio Pignatari. Mallarmé. 1972. São Paulo: Perspectiva, 1991.

_____, “Quase-colofón”. Julio Cortázar, Valise de cronópio. Org. Haroldo de Cam-pos e Davi Arrigucci Jr. Trad. Davi Arrigucci Jr. e João Alexandre Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 1974. 253-254.

_____, “Post Scriptum. Transluciferação mefistofáustica”. Deus e o Diabo no Fausto de Goethe. São Paulo: Perspectiva, 1977a. 179-209.

_____, Ruptura dos gêneros na literatura latino-americana. São Paulo: Perspectiva, 1977b.

_____, “Ruptura dos gêneros na literatura latino-americana”. América Latina em sua literatura. Org. César Fernández Moreno, São Paulo: Perspectiva, 1977c. 281-305.

_____, “Sanscreed latinized: the Wake in Brazil and Hispanic America”, Tri Quarterly. 38 (1977d): 54-62.

_____, “Álibi para uma contraversão”. Através. 2 (1978): 104-105.

_____, “No limiar do Opus Sarduy”. Severo Sarduy, Escrito sobre um corpo. Org. Haroldo de Campos. Trad. Lígia Chiappini Moraes Leite e Lúcia Teixeira Wisnik. São Paulo: Perspectiva, 1979. 7-9.

_____, “Da razão antropofágica: diálogo e diferença na cultura brasileira” (1980). Metalinguagem e outras metas. São Paulo: Perspectiva, 2004. 231-255.

_____, Galáxias. São Paulo: Ex Libris, 1984.

_____, A educação dos cinco sentidos. São Paulo: Brasiliense, 1985.

_____, “Da tradução à transficcionalidade”. 34 Letras. 3 (1989a): 82-101.

_____, O sequestro do Barroco na formação da literatura brasileira: o caso Gregório de Mattos. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado, 1989b.

_____, “Apresentação”. José Lezama Lima, Fugados. Trad. e posf. Josely Vianna Baptista. São Paulo: Iluminuras, 1993. 9-13.

_____, Três (re)inscrições para Severo Sarduy. 1995. 2a ed. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 1999.

_____, “Portugués y español: dialogismo necesario”. Trad. Juan Malpartida. Cuadernos Hispanoamericanos. 570 (1997): 7-14.

_____, Crisantempo: no espaço curvo nasce um. São Paulo: Perspectiva, 1998.

_____, Entremilênios. São Paulo: Perspectiva, 2009.

Caribe transplatino. Poesia neobarroca cubana e rioplatense. Org. Néstor Perlong-her. Trad. Josely Vianna Baptista. São Paulo: Iluminuras, 1991. Ed. bilíngue.

Correspondência Mário de Andrade & Manuel Bandeira. Org. Marcos Antonio de Moraes. São Paulo: ieb; Edusp, 2000.

Cortázar, Julio, Los premios. Buenos Aires: Sudamericana, 1965.

_____, Rayuela. 4a ed. Buenos Aires: Sudamericana, 1966.

_____, La vuelta al día en ochenta mundos. México: Siglo xxi, 1967.

_____, Prosa do observatório. Fotos. Julio Cortázar. Trad. Davi Arrigucci Jr. São Paulo: Perspectiva, 1972.

_____, Valise de cronópio. Org. Haroldo de Campos e Davi Arrigucci Jr. Trad. Davi Arrigucci Jr. e João Alexandre Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 1974.

_____, Un tal Lucas. Madri: Alfaguara, 1979.

_____, Cartas 1964-1968. 3 volumes. Ed. Aurora Bernárdez. Buenos Aires: Al-faguara, 2000.

Lezama Lima, José. Órbita de Lezama Lima. Intr., sel. e notas. Armando Álvarez Bravo. La Habana: Col. Órbita, 1966.

_____, Paradiso. México: Era, 1968.

_____, Fugados. Apres. Haroldo de Campos. Trad. e posf. Josely Vianna Baptista. São Paulo: Iluminuras, 1993.

Nóbrega, Thelma Médici e Giani, Giana M.G., “Haroldo de Campos, José Paulo Paes e Paulo Vizioli falam sobre tradução”. Trabalhos em Linguística Aplicada. 11 (1988): 53-65.

Paz, Octavio. Traducción: literatura y literalidad. Barcelona: Tusquets, 1971.

_____, Constelação. Pequena antologia. Intr. e trad. Haroldo de Campos. Xilogra-vuras João Pinheiro. Rio de Janeiro: s.e., 1972a. Ed. bilíngue.

_____, Os signos em rotação. Org. e rev. Celso Lafer e Haroldo de Campos. Trad. Sebastião Uchoa Leite. São Paulo: Perspectiva, 1972b.

_____, Org. e Trad. Versiones y diversiones. México: Joaquín Mortiz, 1974.Paz, Octavio e Campos, Haroldo de, Transblanco. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986. 2a ed. São Paulo: Siciliano, 1994.

Sarduy, Severo, De donde son los cantantes. México: Joaquín Mortiz, 1967.

_____, Escrito sobre um corpo. Org. Haroldo de Campos. Trad. Lígia Chiappini Moraes Leite e Lúcia Teixeira Wisnik. São Paulo: Perspectiva, 1979.

_____, Un testigo fugaz y disfrazado. Sonetos/ Décimas. Barcelona: Edicions del Mall, 1985.

_____, Poesía bajo programa. Santa Cruz de Tenerife: Universidad Internacional Menéndez Pelayo, 1991.

Downloads

Publicado

2010-12-07

Como Citar

ANDRADE, G. Afinidades eletivas. Haroldo de Campos traduz os hispanoamericanos. Caracol, [S. l.], n. 1, p. 36-63, 2010. DOI: 10.11606/issn.2317-9651.v0i1p36-63. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/caracol/article/view/57637. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Dossiê