"Esta cosita que hablamos nosotros" ou as razões por que um poeta traduz

Autores

  • Daniel Samoilovich

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v1i5p18-33

Resumo

Traduzir é, entre outras coisas, um ato político. Quando, em 1850, Sarmiento quer explicar em um salão de Madri que não acredita que a cultura dos novos países da América seja dependente da Espanha, o primeiro que diz é: “Traducimos nosotros mismos. No los necesitamos a ustedes para traducir”. Com isso está mostrando que traduzir é um ponto forte na construção da independência. Isso não implica que seja necessário traduzir hiperlocalmente. Mas traduzir na América, e defender nossas traduções, pensando cuidadosamente no universo léxico e nas formas verbais, tem a ver com defender um certo nível de autonomia e de cor de nossa língua no concerto espanhol. Ademais deste aspecto político, traduzir poesia é para o poeta um âmbito de aprendizagem técnica e um espaço para definição de sua própria poética. Estes aspectos são aqueles que serão desenvolvidos nesta fala, apoiando-se na experiência do apresentador como tradutor do inglês Shakespeare, Enrique IV, partes I e II), latim (Horacio, Odas, Libro III) e italiano (Carlo Emilio Gadda, Il libro primo delle favole).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2013-06-20

Como Citar

SAMOILOVICH, D. "Esta cosita que hablamos nosotros" ou as razões por que um poeta traduz. Caracol, [S. l.], v. 1, n. 5, p. 18-33, 2013. DOI: 10.11606/issn.2317-9651.v1i5p18-33. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/caracol/article/view/69239. Acesso em: 23 out. 2021.