O alegre canto da perdiz, de Paulina Chiziane, e o reconhecimento de alguns aspectos histórico-culturais moçambicanos

  • Mariany Teresinha Ricardo Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Palavras-chave: O alegre canto da perdiz, Paulina Chiziane, Raça, Diferenciação, Identidade

Resumo

Este artigo se dedica à abordagem que o romance O alegre canto da perdiz, escrito por Paulina Chiziane, confere à temática racial em Moçambique. Para tanto, a escrita do romance será situada dentro do contexto moçambicano, para, então, observamos os impactos que o contato racial tem na formação identitária dos personagens. Esses impactos, por sua vez, estão relacionados aos processos de racialização e de diferenciação negativa que marcam, até hoje, o mundo em que vivemos.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CABAÇO, José L. de O. Moçambique: identidades, colonialismo, libertação. 2007. 474 f. Tese (Doutorado) - Curso de Antropologia Social, Departamento de Antropologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CHIZIANE, Paulina. Guerras, mulheres e memórias: entrevista com a escritora Paulina Chiziane. [Entrevista concedi¬da a] Tiago Ribeiro dos Santos. Revistas Estudos Feministas, Florianópolis, v. 26, n. 2, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/45904/37107. Acesso em: 15 nov. 2018.

CHIZIANE, Paulina. Não volto a escrever. Basta. [Entrevista concedida a] José Maria Remédios. In: PORTAL Ge¬ledés, 11 de julho de 2016. Disponível em: https://www.geledes.org.br/paulina-chiziane-nao-volto-escrever-basta/. Acesso em: 07 mar. 2019.

CHIZIANE, Paulina; MARTINS, Mariana. Ngoma Yethu: o curandeiro e o Novo Testamento. Belo Horizonte: Nan¬dyala, 2018.

CHIZIANE, Paulina. O alegre canto da perdiz. Lisboa: Caminho, 2008.

CHIZIANE, Paulina. Os anjos de Deus são brancos até hoje. [Entrevista concedida a] Doris Wieser. Revista Buala (on-line), 26 de novembro de 2014. Disponível em: http://www.buala.org/pt/cara-a-cara/os-anjos-de-deus-sao-bran¬cos-ate-hoje-entrevista-a-paulina-chiziane. Acesso em: 07 mar. 2019.

COUTO, Mia. Mia Couto: narrar o lado menos bonito e que também não é falado também é parte do ofício do escri¬tor. [Entrevista cedida a] Rosália Estelita Gregório Diogo. Scripta, Belo Horizonte, v. 14, n. 27, p. 195-205, 2º sem. 2010. Disponível em: http://ibict.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4341/4488. Acesso em: 07 mar. 2019.

FANON, Frantz. A experiência vivida do negro. In: ______. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato de Silveira. EDUFBA: Salvador, 2008, p. 103-126.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. 11. ed. Rio de Janeiro, DP&A, 2011.

HUYSSEN, Andreas. Mapeando o pós-moderno (1984). Trad. Carlos A. de C. Moreno. In: HOLANDA, Heloísa Buarque de. Pós-modernismo e política. 3. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1992, p. 15-80.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Trad. Juliano Watson e Tatiana Nascimento. Estudos Femi¬nistas, Florianópolis, n. 22, p. 935-952, set.-dez. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755. Acesso em: 07 mar. 2019.

MARCELINO, Jaqueline L. L. Mulheres negras: tradições orais, artes, ofícios e identidades. 2016. 230 f. Tese (Dou¬torado) – Programa de Pós-graduação em Letras, Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9174. Acesso em: 03 ago. 2019.

MATTOS, Regiane A. de. A dinâmica das relações no Norte de Moçambique no final do século XIX e início do século XX. Revista de História, São Paulo, n. 171, p. 383-419, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?s¬cript=sci_arttext&pid=S0034-83092014000200383. Acesso em: 19 ago. 2019.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido de retrato do colonizador. Trad. Marcelo Jacques de Moraes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

MIGNOLO, Walter D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Trad. Ângela Lopes Norte. Cadernos de Letras da UFF, dossiê Literatura, língua e identidade, Niterói, n. 34, p. 287-234, 2008. Disponível em: http://www.cadernosdeletras.uff.br/joomla/images/stories/edicoes/34/traducao.pdf. Acesso em: 07 mar. 2019.

MUDIMBE, V. Y. A invenção da África. Gnose, Filosofia e a Ordem do Conhecimento. Odivelas: Pedago; Luanda: Mulemba, 2013.

PINTO, Maria J. P. R. B. Estado, poderes linhageiros, poderes religiosos muçulmanos nos macuas de Nacala: opo¬sições, ambiguidades e convergências. 2015. 321 f. Tese (Doutorado) – Escola de Sociologia e Políticas Públicas, Departamento de Ciência Política e Políticas Públicas, Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, 2015. Disponível em: https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/11391. Acesso em: 03 ago. 2019.

SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Tradução Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

SANTOS, Boaventura de S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estudos, CEBRAP, São Paulo, nº 79, p. 71-94, nov. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=s¬ci_arttext&pid=S0101-33002007000300004. Acesso em: 07 mar. 2019.

WALSH, Catherine. Interculturalidad e (de)colonialidad: perspectivas críticas e políticas. Visão Global, Joaçaba, vol. 15, n. 1-2, p. 61-74, jan.-dez. 2012. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/visaoglobal/article/view/3412. Acesso em: 29 mar. 2019.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Ricardo, M. (2019). O alegre canto da perdiz, de Paulina Chiziane, e o reconhecimento de alguns aspectos histórico-culturais moçambicanos. Revista Crioula, (24), 282-291. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2019.156292