"E foi então que eu me entendi mulher"

O olhar negro-feminino sobre a opressão interseccional de gênero, raça e sexualidade

  • Oluwa Seyi Salles Bento Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Conceição Evaristo, Interseccionalidade, Literatura Afro-brasileira, Autoria feminina

Resumo

O presente ensaio pretende analisar o conto “Isaltina Campo Belo”, de autoria da escritora mineira Conceição Evaristo e discutir como é tratada a questão da interseccionalidade de gênero, sexualidade e raça na Literatura afro-brasileira de autoria feminina. Sem perder de vista o referencial teórico pertinente ao tema, intentamos compreender de quais mecanismos de construção de narrativa a autora lança mão a fim de apresentar uma protagonista complexa e não apenas uma vítima de suas experiências de vida

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Oluwa Seyi Salles Bento, Universidade de São Paulo

Mestranda do programa de pós-graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua portuguesa do departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Universidade de São Paulo. Bolsista CAPES

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CALASANS, L. S. S. A Representação LGBT em “Isaltina Campo Belo” e “Beijo Na Face”de Conceição Evaristo. In: Colóquio Mulheres em Letras, 9, 2017, Belo Horizonte. Anais do IX Colóquio Mulheres em Letras. Belo Horizonte: UFMG, 2017. Disponível em: <https://docs.wixstatic.com/ugd/030d3a_90f411e0606d4afb85c7f4254aa47661.pdf>

CORDEIRO, H. A escrita negra feminina e lesboafetividade no conto Isaltina Campo Belo de Conceição Evaristo. In: Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades, 4, 2015. Anais do IV Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades, Salvador: UNEB, 2015. Disponível em:

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, v.10, n.1, 2002, p.171-188.

DAVIS, A. Mulheres, Raça e Classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DUARTE, E. de A. Por um conceito de literatura afro-brasileira. In:_.;FONSECA, M. N. S. Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. v. 4. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/arquivos/artigos/teoricos-conceituais/Artigoeduardo2conceitodeliteratura.pdf

EVARISTO, Conceição. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face. In: MOREIRA, N. M. de B.; SCHNEIDER, L.(Org.). Mulheres no mundo: etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Ideia; Editora Universitária UFPB, 2005. Disponível em: <http://nossaescrevivencia.blogspot.com/2012/08/genero-e-etnia-uma-escrevivencia-de.html>

EVARISTO, Conceição. Isaltina Campo Belo. In: Insubmissas lágrimas de de mulheres. Rio de Janeiro: Editora Malê, 2016.

LAMANES, E. Entre elas: relações afetivo-sexuais entre mulheres negras em “Beijo na face” e “Insubmissas lágrimas de mulheres”, de Conceição Evaristo. In: Seminário Internacional Enlaçando Sexualdades, 5, 2017, Salvador. Anais do V Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades. Salvador: UNEB, 2017. Disponível em: <http://www.editorarealize.com.br/revistas/enlacando/trabalhos/TRABALHO_EV072_MD1_SA30_ID850_18062017222028.pdf>

SILVA. A. R. S. da. A Literatura de escritoras negras: uma voz (des)silenciadora e emancipatória. Interdisciplinar, v. 10, ano 5, jan-jun de 2010. p. 175-188.

TAYLOR, C. A Política do reconhecimento. In: Argumentos Filosóficos. São Paulo: Edições Loyola, 2000, p. 241-274. PDF

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Bento, O. S. (2019). "E foi então que eu me entendi mulher&quot;. Revista Crioula, (24), 156-166. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2019.162574
Seção
Dossiê 24: Dissidências de gênero e sexualidade nas literaturas de LP