A Arte é divina demais para ser normal

drags queers e políticas de subjetivação na cena transformista

Palavras-chave: Drag queer, Políticas de Subjetivação, Arte

Resumo

Os autores discutem, dentro da cena transformista, o que seriam as Drag Queers, aquelas que buscariam performar a drag além da caricatura do feminino, trazendo em suas performances críticas sobre a norma, a normalidade e a normalização da própria cena, enquanto estética colonial, mas, também, marcas sociais da abjeção, da marginalidade e da invisibilidade. A drag queer, se utiliza do feio, do anormal e do monstruoso como positivação de subjetividades marginalizadas de quem são, quase sempre, representantes e desfruta da política queer enquanto modo de autoafirmação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Djalma Thürler, Universidade Federal da Bahia
Pós-Doutor em Literatura e Críyica Literária, Professor Adjunto da UFBA e Coordenasdor do Grupo de Pesquisa em Cultura e Sexualidade (CuS)

Referências

AMANAJÁS, Igor. Drag queen: um percurso histórico pela arte dos atores transformistas. Revista Belas Artes, São Paulo, n. 16, set-dez/2014.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão de identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CHAMUSCA, Tess; JUNIOR, Edinaldo Mota. Por que precisamos problematizar o efeito Vittar? Centro de Pesquisa em estudos culturais e transformações na comunicação. Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2018.

GADELHA, José Juliano. Masculinos em mutação: a performance drag queen em Fortaleza. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, 2009.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho - ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 2. ed. 3 reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

NAGIME, Mateus. New queer cinema: cinema, sexualidade e política. São Paulo: Caixa Cultural, 2015.OLIVEIRA, João Manuel de. Performatividade Pajubá. Rev. Estud. Fem. vol.27 Nº.2 Florianópolis, 2019.

NORONHA, Marcio Pizarro. Imagens do corpo e embodiment das imagens. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 8, n. 2, p. 131-141, jul./dez. 2005.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. São Paulo: Perspectiva, 2005.

PEREIRA, Lais Fontenelle. Montação: Uma forma de expressão, In: Moda cluber e raver : uma tendência na cena contemporânea. Rio de Janeiro : PUC-Rio, Departamento de Psicologia, 2003.

PIFANO, Camila. Drag Queer: o corpo como arte e ferramenta de autoconhecimento. Diário de Pernambuco, 2017.

SALES, Nicolas Silva de; MELLO, Jamer Guterres. Subjetividade e singularização: notas sobre possíveis: abordagens ao documentário Paris is burning. Rio Grande do Sul: VII Encontro de Pesquisa em Comunicação – ENPECOM, 2015.

SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Queer/ Tradução e notas: Guacira Lopes Louro- 1, Ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2015.

SANTOS, Joseylson Fagner dos. Cara, Coroa e Rainha: Gênero no espelho das drag queens. Fazendo Gênero 10 - Desafios atuais dos feminismos. Florianópolis, SC, 2013.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. Tradução: Plínio Dentzien; Revisão: Richard Miskolci e Júlio Assis Simões. Cadernos Pagu (28), janeiro-junho de 2007.

SIERRA, Jamil Cabral; NOGUEIRA, Juslaine Abreu; MIKOS, Camila Macedo Ferreira. Paris still burning? – sobre o que a noção de performatividade de gênero ainda pode dizer a um cinema queer. Textura, v. 18 n.38, set./dez.2016.

SILVA, Heitor. Cultura Drag Queen: O que leva uma pessoa a se montar. Universidade Federal de Pernambuco, 2017.

SILVA, Luiz Henrique; SANTOS, Aldo Luiz. Ascensão da cultura drag: Um fenômeno pós RuPaul’s Drag Race. In: Conferência Internacional de Estudos Queer. Universidade Federal de Sergipe, Aracajú, SE, 2018.

SOUZA, Lúcio. BALLROOM – Glamour, orgulho e resistência. 2017. (Disponível em https://medium.com/@luciosouza/ballroom-glamour-orgulho-e-resistência-f8d393e095cb. Último acesso: 15 de julho de 2019).

THÜRLER, Djalma. “Dzi Croquettes: A instabilidade como imperativo, o hibridismo como riqueza”. Contemporâneos: Revista de Artes e Humanidades (Online), v. 40, p. 01-01, 2011a. (Disponível em: http://www.cime2011.org/home/panel6/cime2011_P6_DjalmaThurller.pdf último acesso 12/12/2016).

THÜRLER, Djalma. Dzi Croquettes: Uma política queer de atravessamentos entre o real e o teatral. In: Congreso Iberoamericano de Masculinidades y Equidad: Investigación y Activismo, Barcelona. (trans)formando la masculinidad: de la teoría a la acción, 2011b.

VENEZIANO, Neyde. O teatro de revista no Brasil: dramaturgia e convenções. Campinas: Pontes; Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1991.

YOUNG, Fernanda. Coluna Opinião. Bando de cafonas. O Globo. Rio de Janeiro, 2019

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Thürler, D. (2019). A Arte é divina demais para ser normal. Revista Crioula, (24), 222-238. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2019.162603
Seção
Dossiê 24: Dissidências de gênero e sexualidade nas literaturas de LP