Literatura e música:

Marabá (1849), de Gonçalves Dias, e seu reflexo no poema sinfônico homônimo (1898), de Escragnole Dória e Francisco Braga

Autores

  • Denise Rocha Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2020.177131

Palavras-chave:

Poesia romântica; Gonçalves Dias; indígena; poesia sinfônica; intermedialidade.

Resumo

O objetivo principal do estudo é analisar o processo de transposição midiática da representação do lamento da índia mestiça, protagonista do poema literário Marabá (1849), de Gonçalves Dias (1823-1864), no poema sinfônico homônimo (1898), com libreto de Escragnole Dória e música de Francisco Braga. E, o secundário, é apresentar a relação da literatura com a música, que se consolidou na época do Romantismo europeu, no século XIX, com o surgimento desse tipo de poema: um gênero musical, que contempla um programa (matriz poética), e evoca, imita ou sugere elementos sonoros da natureza biológica, estabelecendo um diálogo entre as artes. A presente pesquisa, que destaca as imagens da indígena menosprezada em sua tribo, imersa em socializações subalternizadas durante a colonização portuguesa, será analisada sob a perspectiva da intermedialidade e da intertextualidade, de Rajewsky, e das intersecções entre a literatura e a música (Scher).

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Rocha, Universidade Federal do Ceará

Letras- UNESP Assis

História- Ruprecht-Karls Universität Heidelberg, Alemanha

Pós-Doutoranda na UFC, Fortaleza

 

Referências

AZEVEDO, Luis Heitor C. 150 anos de música no Brasil (1800-1950). Prefácio de Ricardo Tacuchian. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2016.

BANDEIRA, Manuel. A vida e a Obra do Poeta. A Poética de Gonçalves Dias. In: GONÇALVES DIAS. Poesia completa e prosa escolhida. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1959.

CAZNOK, Yara B. Música: entre o audível e o visível. 2. ed. São Paulo: Editora UNESP; Rio de Janeiro: Funarte, 2008.

CUNHA, Newton. Poema sinfônico. In: ______. Dicionário Sesc: a linguagem da cultura. São Paulo: perspectiva: Sesc, 2003. p. 506.

COPLAND, Aaron. Como ouvir e entender música. Trad. de Luiz Paulo Horta. São Paulo: Realizações, 2013.

ESCRAGNOLLE DÓRIA. Francisco Braga. Revista da Semana, ano 38, nº 23, p. 18, 16 mai. 1937.

GONÇALVES DIAS. Marabá. In:_____. Poesia completa e prosa escolhida. A vida e a Obra do Poeta. A Poética de Gonçalves Dias, de Manuel Bandeira. O texto dos Poemas, de Antônio Houaiss. Futuro Literário de Portugal e do Brasil (Prólogo dos Cantos), de Alexandre Herculano. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1959. p. 371 e 372.

GONTIJO, Marisa H. S. Francisco Braga: uma análise poética e musical de sua canção “Virgens Mortas”, sobre o soneto homônimo de Olavo Bilac. 2006. Dissertação (Mestrado em Música). Escola de Música, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

LARSEN, Juliane Cristina. Republicana, moderna e cosmopolita: a música de concerto no Rio de Janeiro entre 1889 e 1914. 2018. Dissertação (Mestrado em Artes). Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MELLO, Guilherme Theodoro P. de. A música no Brasil desde os tempos coloniais até o primeiro decênio da República. Bahia: Typographia d S. Joaquim, 1908. Disponível em: < https://archive.org/details/amusicanobrasil00mellgoog/page/n10>. Acesso em: 13 mai. 2020.

MENDL, R. W. S. The Art of the Symphonic Poem. The Musical Quartely, v. 18, ed., p. 443-462, 3, jul. 1932. Disponível em: < https://doi.org/10.1093/mq/XVIII.3.443> Acesso em: 13 mai. 2020.

OBRAS DE FRANZ LISZT. https://pt.wikipedia.org/wiki/Obras_de_Franz_Liszt_(S.1-S.350)>. 13 mai. 2020.

OLIVEIRA, Andrey Pereira de. A corrupção do universo indígena nas “Poesias Americanas”, de Gonçalves Dias. Revista Trama, v. 1, nº 2, p. 39-57, 2. semestre 2005. Disponível em: . 13 mai. 2020.

POEMAS SINFÔNICOS (LISZT). Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Poemas_sinf%C3%B3nicos_(Liszt)>. Acesso em: 13 mai. 2020.

RAJEWSKY, Irina O. Intermedialidade, intertextualidade e “remediação”: uma perspectiva literária sobre a intermedialidade. Trad. de Thaís F. Nogueira Diniz e Eliana L. de L. Reis. In: DINIZ, Thaís F. Nogueira (Org.). Intermedialidade e Estudos Interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: UFMG, 2012. p. 15-45.

RICHARD STRAUSS. Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Richard_Strauss>. Acesso em: 13 mai. 2020.

SANTOS, Frederico Silva. O poema sinfônico como um diálogo interartístico: Marabá. XIV Congresso Internacional: Fluxos e correntes: trânsitos e traduções literárias (ABRALIC), 29 jun- 03 jul. 2015, UFPA, Belém. Disponível em: < https://abralic.org.br/anais/arquivos/2015_1455989055.pdf>. Acesso em: 13 mai. 2020.

SCHER, Steven P. World and music studies: essays on literature and music (1967-2004). New York: RODOPI, 2004.

SOARES, Márcia Aparecida. As canções de Francisco Braga: análise estilística e interpretação. 2015. Dissertação (Mestrado em Artes). Instituto de Artes, Universidade Federal de Uberlândia. Disponível em< https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/12362/1/CancoesFranciscoBraga.pdf>. Acesso em: 13 mai. 2020.

Downloads

Publicado

2021-03-24

Como Citar

Rocha, D. (2021). Literatura e música:: Marabá (1849), de Gonçalves Dias, e seu reflexo no poema sinfônico homônimo (1898), de Escragnole Dória e Francisco Braga. Revista Crioula, 26(1), 37-53. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2020.177131

Edição

Seção

Dossiê 26: Relações entre literatura e música na produção de língua portuguesa