Confundindo para esclarecer

Alguns procedimentos brechtianos em Tom Zé

Autores

  • Leilor Miranda Soares Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Tom Zé, MPB, Bertolt Brecht, Indústria fonográfica

Resumo

Este artigo observa a presença de um efeito de distanciamento no disco Estudando o samba (1976), de Tom Zé, pela análise de das canções “Tô” e “Ui (você inventa)”. Esse efeito, que identificaremos através de paralelos com a obra de Bertolt Brecht, colabora para a construção de um ponto de vista de outsider, o qual formaliza a posição marginal ocupada por Tom Zé no mercado fonográfico à época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOMFIM, Leonardo Corrêa. Os tons de Zé: transformações paradigmáticas na obra de Tom Zé (1967-1976). Dissertação de Mestrado em Música. São Paulo: Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2014.

BRECHT, Bertolt. Teatro completo v. 4. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

DIAS, Marcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura 2ª ed. São Paulo: FAPESP/Boitempo Editorial, 2008.

DIAS, Marcia Tosta. “Quando o todo era mais do que a soma das partes: álbuns, singles e os rumos da música gravada”. Revista Observatório Itaú Cultural. nº 13 (set. 2012). São Paulo: Itaú Cultural, 2012, p. 63-74.

DOURADO, Henrique Autran. Dicionário de termos e expressões da música. São Paulo: Editora 34, 2004.

DUNN, Christopher. “Fazendo cócegas nas tradições: o samba disjuntivo de Tom Zé”. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 70, p. 149-165, ago. 2018.

FREIRE, Guilherme Araújo. Vanguarda, experimentalismo e mercado na trajetória artística de Tom Zé. Dissertação de Mestrado em Música. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2015.

GONÇALVES, Patrícia Anette Schroeder. Três ensaios sobre a Tropicália de Tom Zé: da ‘Era dos Festivais’ à ‘Era dos Editais’. Dissertação de Mestrado em Estudos Brasileiros. São Paulo: IEB-USP, 2018.

KEHL, Maria Rita. Bovarismo brasileiro. São Paulo: Boitempo, 2018.

MACHADO, Regina. Da intenção ao gesto interpretativo: análise semiótica do canto popular brasileiro. Tese de doutorado em linguística. São Paulo: FFLCH-USP, 2012.

MAMMÌ, Lorenzo. “João Gilberto e o projeto utópico da bossa nova”. Novos Estudos, nº 34. São Paulo, Cebrap, nov. 1992. pp. 63-70.

MAMMÌ, Lorenzo. “A era do disco”. Revista Piauí, nº 89. Rio de Janeiro: Editora Alvarenga, 2014. pp. 36-41.

NAPOLITANO, Marcos. “A música popular brasileira (MPB) dos anos 70: resistência política e consumo cultural”. Actas del V Congresso Latinoamericano IASPM, 2002.

NAPOLITANO, Marcos. “MPB: a trilha sonora da abertura política (1975/1982)”. Estudos avançados, nº 69, vol. 24. São Paulo, USP/ IEA, 2010. pp. 389-402.

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. 6ª edição. São Paulo: Perspectiva, 2008.

SCHWARZ, Roberto. Que horas são? São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SCHWARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. 5ª edição. São Paulo: Editora 34, 2000.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo. 4ª edição, 2ª reimpressão. São Paulo: Editora 34, 2006.

SOARES, Leilor Miranda. “Batiza esse neném”: mercado, MPB, samba e processo social em Estudando o samba, de Tom Zé. Dissertação de Mestrado em Estudos Brasileiros. São Paulo: IEB-USP, 2019.

TATIT, Luiz. A canção: eficácia e encanto. São Paulo: Atual, 1986.

TATIT, Luiz. O cancionista: composição de canções no Brasil. São Paulo: Edusp, 1996.

TATIT, Luiz. O século da canção. São Paulo: Ateliê Editorial, 2004.

Downloads

Publicado

2021-03-24

Como Citar

Miranda Soares, L. (2021). Confundindo para esclarecer: Alguns procedimentos brechtianos em Tom Zé. Revista Crioula, 26(1). Recuperado de https://www.revistas.usp.br/crioula/article/view/177220

Edição

Seção

Dossiê 26: Relações entre literatura e música na produção de língua portuguesa