Novos discursos de resistência na literatura angolana contemporânea

Autores

  • Alex Santana França Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2015.85187

Palavras-chave:

Literatura angolana. Estudos Culturais. Etnicidade.

Resumo

Este trabalho pretende refletir sobre o lugar do afrodescendente e do imigrante angolano dentro da sociedade brasileira e os discursos de reivindicação produzidos por eles, a partir do romance O ano em que Zumbi tomou o Rio, do escritor angolano José Eduardo Agualusa,  diante da própria experiência em seu país, Angola, o que, consequentemente, pode contribuir de maneira positiva na discussão e reconfiguração dessas relações no próprio Brasil. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Santana França, Universidade Federal da Bahia

Professor, escritor e pesquisador, graduado em Letras pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Especialista em Metodologia do Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Indígena pela Faculdade de Ciências Educacionais, Mestre e Doutorando em Literatura e Cultura (UFBA) e graduando em Jornalismo pela Faculdade de Comunicação da UFBA.

Referências

AGUALUSA, José Eduardo. O ano em que Zumbi tomou o Rio. Rio de Janeiro: Gryphus, 2008.

ALMEIDA, Miguel Vale de. O Atlântico Pardo: antropologia, pós colonialismo e o caso lusófono. In: BASTOS, Cristiana; ALMEIDA, Miguel Vale de; FELDMAN-BIANDO, Bela (orgs.). Trânsitos coloniais: diálogos críticos luso-brasileiros. Campinas: EDUNICAMP, 2007. p. 27-43.

BLACKBURN, Robin. A construção do escravismo no Novo Mundo: 1492-1800. Trad. Maria Beatriz de Medina. Rio de Janeiro: Record, 2003.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

GILROY, Paul. Identidade, pertencimento, e a crítica da similitude pura. In:______. Entre campos: nações, culturas e o fascínio da raça. Tradução Celia Maria Marinho de Azevedo et. al. São Paulo: Annablume, 2007. p. 123-162.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva. 4 ed. Rio de Janeiro: DP & A, 2006.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução Adelaine La Guardia Resende. Belo Horizonte: EDUFMG, 2008.

MELO, Francisco José Sampaio. Personagens diasporizadas de José Eduardo Agualusa em O ano em que Zumbi tomou o Rio. Disponível em:http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/viewFile/625/456

Acesso 30/10/2010.

MOURA, Clovis. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Ática, 1988.

OLIVEIRA, Jurema. O espaço do oprimido nas literaturas de língua portuguesa do século XX: Graciliano Ramos, Alves Redol e Castro Soromenho. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 2008.

POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP, 1998.

REIS, Carlos. Trajetos e sentidos da ficção portuguesa contemporânea. In: Camões: Revista de Letras e Culturas Lusófonas, nº 1, Abril/Junho de 1998.

SODRÉ, Muniz. A identidade como valor. In:______. Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1999.

Downloads

Publicado

2015-04-25

Como Citar

França, A. S. (2015). Novos discursos de resistência na literatura angolana contemporânea. Revista Crioula, (15). https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2015.85187

Edição

Seção

Dossiê: Literatura e Resistência