Por uma semiótica dirigida pela metodologia

Palavras-chave: Interdisciplinaridade, Estruturação da forma, Variações substanciais, Singularidade, Regimes metodológicos

Resumo

Uma das dificuldades constantes da semiótica é a distância que se instalou entre as especulações teóricas e as reflexões epistemológicas, de um lado, e os métodos e resultados da descrição e da interpretação dos dados, de outro. Neste trabalho, tentando solucionar o problema, propomos inverter a ordem habitual das prioridades e considerar que a semiótica deve ser conduzida pela metodologia e não diretamente pela epistemologia. Acrescentamos dois critérios a esse pressuposto de base: (i) a capacidade que tem o método para dar conta da singularidade dos objetos analisados e (ii) a articulação desse método com o das disciplinas vizinhas que se ocupam dos mesmos objetos. Nossa proposta será articulada em duas etapas, portanto: (1) um exame detalhado, no âmbito da teoria da linguagem, das condições sob as quais é possível, ao mesmo tempo que a estruturação da forma, levar em consideração as variações substanciais e (2) uma reflexão, fundada nos resultados do primeiro ponto, a respeito do tratamento das singularidades práticas na interface entre a semiótica e a etno-antropologia. O conjunto desta proposta é uma contribuição em favor da diversificação controlada dos regimes metodológicos da semiótica.

Biografia do Autor

Jacques Fontanille, Universidade de Limoges (França)

Professor emérito da Universidade de Limoges, França.

Didier Tsala-Effa, Universidade de Limoges (França)

Docente da Universidade de Limoges, França.

Publicado
2019-08-19
Como Citar
Fontanille, J., & Tsala-Effa, D. (2019). Por uma semiótica dirigida pela metodologia. Estudos Semióticos, 15(1), 162-180. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.160198