Níveis hierárquicos da linguagem: a semiótica como pesquisa de método

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.167676

Palavras-chave:

Semiótica, Transposição, Hierarquia, Metodologia, Epistemologia

Resumo

Este artigo visa esclarecer como indução e dedução, operações cognitivas constituintes de abordagens científicas diversas, se fazem complementares na elaboração dos níveis hierárquicos da linguagem que fundamentam o fazer parafrásico da semiótica discursiva. Inicialmente, promove-se, por meio das propostas de Karl Popper, uma recensão filosófica que situa a tensão histórica entre os métodos indutivo e dedutivo no campo da pesquisa científica. Em seguida, mostra-se, mediante uma leitura pormenorizada de Semântica estrutural, como o nível metodológico da linguagem, para o qual está vocacionado o pensamento semiolinguístico, é, de fato e de direito, o principal lugar de negociação entre a adequação indutiva ao objeto e a coerência dedutiva da teoria. Por fim, avaliam-se sumariamente, a partir das lições deixadas por A. J. Greimas em sua obra inaugural, três tendências atuais no âmbito dos estudos semióticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zeno Queiroz, Universidade de São Paulo

Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Semiótica e Linguística Geral da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Referências

BADIR, Sémir. Hjelmslev. Paris: Les Belles Lettres, 2004.

BEIVIDAS, Waldir. Semiótica imanente e percepção humana. Posicionamentos liminares para uma epistemologia discursiva. In: BARROS, Diana Luz Pessoa de; HILGERT, José Gaston; NEVES, Maria Helena de Moura; BATISTA, Ronaldo de Oliveira (org.). Linguagens e saberes: estudos linguísticos. São Paulo: Annablume, 2015.

BOURDIEU, Pierre; CHARTIER, Roger. O sociólogo e o historiador. Trad. João de Freitas Teixeira e Jaime A. Clasen. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

FONTANILLE, Jacques; TSALA-EFFA, Didier. Por uma semiótica dirigida pela metodologia. Estudos Semióticos. v. 15, n. 1, p. 162-180, 19 ago. 2019.

GREIMAS, Algirdas Julien. Du sens. Essais sémiotiques. Paris: Éditions du Seuil, 1970.

GREIMAS, Algirdas Julien. L’énonciation (une posture épistémologique). Significação. Revista Brasileira de Semiótica. Ribeirão Preto, n. 1, p. 9-25, 1974.

GREIMAS, Algirdas Julien. Semântica estrutural: pesquisa de método. Trad. Haquira Osakabe e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1973.

GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de semiótica. 2. ed. Trad. Alceu Dias Lima et al. São Paulo: Contexto, 2016.

GREIMAS, Algirdas Julien; FONTANILLE, Jacques. Semiótica das paixões: dos estados de coisas aos estados de alma. Trad. Maria José Rodrigues Coracini. São Paulo: Ática, 1993.

HJELMSLEV, Louis. Ensaios lingüísticos. Trad. Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Perspectiva, 1991.

HJELMSLEV, Louis. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. 2. ed. Trad. J. Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 2013.

PARRET, Herman. Construir uma epistemologia para a semiótica em 1966. Estudos Semióticos, v. 13, n. 2, p. 19-27, 20 dez. 2017.

POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. Trad. Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. São Paulo: Cultrix, 2002.

SARAIVA, José Américo Bezerra; LEITE, Ricardo Lopes. Exercícios de semiótica discursiva. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2017.

ZILBERBERG, Claude. Acordes y desacordes en Los conquistadores de Heredia. Tópicos del Seminario, v. 30, p. 119-136, 2013.

ZILBERBERG, Claude. Elementos de semiótica tensiva. Trad. Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

ZILBERBERG, Claude. La structure tensive. Liège: Presses Universitaires de Liège, 2012.

Downloads

Publicado

2020-12-17

Como Citar

Queiroz, Z. (2020). Níveis hierárquicos da linguagem: a semiótica como pesquisa de método. Estudos Semióticos, 16(3), 148-165. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.167676

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)