Entre o grafismo e a sintaxe: considerações sobre as operações semióticas da escrita na poesia concreta brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.172393

Palavras-chave:

Escrita, Poesia concreta, Semiótica do discurso

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo a descrição do modo de agenciamento discursivo inscrito em um poema concreto a partir da hipótese de que ele manifesta o que podemos chamar de uma poética da escrita. Assim, tecemos algumas considerações sobre o estatuto semiótico da escrita a fim de compreender como suas formas plásticas podem ser mobilizadas para constituição de sentido em um poema. Em seguida, procuramos identificar a especificidade da escrita concreta a partir da comparação do poema “pluvial/fluvial”, de Augusto de Campos, com um caligrama de Apollinaire, de modo a descrever as diferentes estratégias discursivas empregadas por cada enunciador para colocar em relação a expressão plástica da escrita e os conteúdos dos poemas. A partir da análise podemos afirmar que o poema concreto desloca a ênfase fonológica do sistema alfabético ocidental para uma dimensão gramatológica (Klock-Fontanille, 2016). Essa prática se diferencia de outras experimentações poéticas com a escrita por dar ênfase ao caráter sintático das formas plásticas em relação ao discurso verbal, bem como por atribuir objetivação à linguagem poética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Djavam Damasceno da Frota, Universidade Federal do Ceará

Doutorando  do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, CE, Brasil.

Referências

APOLLINAIRE, Guillaume. Caligramas. Trad. Alberto Faleiros. São Paulo: Ateliê Editorial, 2008.

BERTRAND, Denis. Caminhos da Semiótica Literária. Trad. Grupo CASA. Bauru: EDUSC, 2003.

CAMPOS, Augusto de. Viva Vaia (poesia 1949-1978). São Paulo: Ateliê, 2000.

CAMPOS, Augusto de; CAMPOS, Haroldo de; PIGNATARI, Décio. Teoria da poesia concreta. São Paulo: Ateliê Editorial, 2006.

CORREA, Thiago Moreira. A metalinguagem na poesia de Augusto de Campos. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, SP, 2012.

GREIMAS, Algirdas Julien. Semântica estrutural. Trad. Haquira Osakape e Izidoro Blikstein. São Paulo: Edusp/ Cultrix, 1966.

GREIMAS, Algirdas Julien. Semiótica figurativa e semiótica plástica. In: OLIVEIRA, Ana Claudia de. Semiótica Plástica. São Paulo: Hacker Editores, 2004.

GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. Trad. Alceu Dias Lima et alli. São Paulo: Contexto, 2011.

HJELMSLEV, Louis. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. Trad. J. Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 1975.

HJELMSLEV, Louis. Ensaios Linguísticos. Trad. Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Perspectiva, 1991.

KLOCK-FONTANILLE, Isabelle. Repenser l’écriture. Pour une grammatologie intégrationnelle. Actes Sémiotiques, n. 119 [en ligne]. 2016. Disponível em: <https://www.unilim.fr/actes-semiotiques/5623>. Acesso em: 02 mai. 2020.

PIETROFORTE, Antonio Vicente. O discurso da poesia concreta: uma abordagem semiótica. São Paulo: Annablume/ Fapesp, 2011.

PONDIAN, Juliana Di Fiori. Gramática da poesia escrita: figuras retóricas. Tese de Doutorado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, SP, 2016.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de linguística geral. Trad. Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2006

ZILBERBERG, Claude. Razão e poética do sentido. Trad. Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Edusp, 2006.

Downloads

Publicado

2020-09-30

Como Citar

Frota, D. D. da. (2020). Entre o grafismo e a sintaxe: considerações sobre as operações semióticas da escrita na poesia concreta brasileira. Estudos Semióticos, 16(2), 81-97. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.172393

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento