A doméstica como síntese do racismo brasileiro: discurso, formas de vida e cultura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2021.181055

Palavras-chave:

Racismo, Formas de vida, Cultura, Discurso, Doméstica

Resumo

Este trabalho se divide em duas partes. Uma primeira discussão, de base teórica, cujo objetivo é apresentar os contornos e desafios de uma semiótica contemporânea, que se debruça sobre as novas demandas da sociedade, descrevendo como se constrói o sentido das práticas e das formas de vida. Nesse caso, queremos demonstrar que a semiótica discursiva não recusa a história, não recusa a dimensão social e cultural do discurso, porque toma o sentido como seu objeto, na tensão entre o social e o individual, na temporalidade do mundo e do próprio discurso. Uma segunda parte que apresenta uma reflexão sobre o estatuto semiótico do lexema “doméstica”, buscando dar conta das espessas e resistentes camadas de sentido que sustentam os seus usos na sociedade brasileira, ligados a universos de valores, práticas sociais e formas de vida profundamente marcados pelo racismo e pelo preconceito de classe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Nogueira Schwartzmann, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Docente da Faculdade de Ciências e Letras (FCL-Assis) e do Programa de Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa (FCLAr), da Universidade Estadual Paulista (UNESP), São Paulo, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Editora Jandaíra, 2020.

ALMEIDA, Kátia Lorena Novai. Da prática costumeira à alforria legal. Politeia: Hist. e Soc. Vitória da conquista, v. 7, n. 1, 2007. p. 163-186.

BARROS, Diana Luz Pessoa de. A semiótica no Brasil e na América do Sul: rumos, papéis e desvios. Revista de Estudos da Linguagem, v. 20, n. 1. Belo Horizonte, 2012. p. 149-186. Disponível em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/2577> Acesso em: 15 nov. 2020.

BASSOLS, Miquel. Famulus. Trad. de Lenita Bentes. Lacan XXI. Revista eletrônica da FAPOL – Federação Americana de Psicanálise da Orientação Lacaniana, v. 2, out. 2016. p. 8-11. Disponível em: <http://www.lacan21.com/sitio/2016/10/25/famulus/?lang=pt-br> Acesso em: 15 nov. 2020.

BOTELHO, Jaqueline. A atualidade voraz do racismo no Brasil. Site Institucional do PCB – Partido Comunista Brasileiro, 27 de dezembro de 2020. Disponível em: <https://pcb.org.br/portal2/26631/a-atualidade-voraz-do-racismo-no-brasil> Acesso em: 27 dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 5.859, de 11 de dezembro de 1972 - Dispõe sobre a profissão de empregado doméstico e dá outras providências. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 dez. 1972. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5859-11-dezembro-1972-358025-publicacaooriginal-1-pl.html> Acesso em: 15 nov. 2020.

COLAS-BLAISE, Marion. Forme de vie et formes de vie: vers une sémiotique des cultures. Actes Sémiotiques, 115, 2012. Disponível em: <https://www.unilim.fr/actes-semiotiques/2631> Acesso em: 15 nov. 2021.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FIORIN, José Luiz. A construção da identidade nacional brasileira. Bakhtiniana,v. 1, n. 1. São Paulo, 2009. p. 115-126. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/in dex.php/bakhtiniana/article/view/3002/1933> Acesso em: 15 nov. 2020.

FIORIN, José Luiz. Linguagem e Ideologia. São Paulo: Ática, 1988.

FONTANILLE, Jacques. A semiótica hoje: avanços e perspectivas. Trad. Matheus Nogueira Schwartzmann. Estudos Semióticos, vol. 12, n. 2, 2016, p. 1-9. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/esse/article/view/127608/124672> Acesso em 02 abr. 2020.

FONTANILLE, Jacques. Quando a vida ganha forma. Trad. Jean Cristtus Portela. In: NASCIMENTO, Edna Maria Fernandes dos Santos; ABRIATA, Vera Lucia Rodella (org.). Formas de vida: rotina e acontecimento. 1 ed. Ribeirão Preto: Editora Coruja, 2014. p. 55-86.

FONTANILLE, Jacques. Práticas semióticas: imanência e pertinência, eficiência e otimização. Trad. Maria Lúcia Vissotto Paiva Diniz et al. In: DINIZ, Maria Lúcia Vissotto Paiva; PORTELA, Jean Cristtus (orgs.). Semiótica e mídia: textos, práticas, estratégias. Bauru: Unesp/Faac, 2008a, p. 15-74.

FONTANILLE, Jacques. Pratiques sémiotiques. Paris: PUF, 2008b.

FONTANILLE, Jacques. Textes, objets, situations et formes de vie. In: ALONSO, Juan et al. (dir.). La transversalité du sens. Parcours sémiotiques. Saint Denis: PUV, 2006. p. 213- 240.

FONTANILLE, Jacques. Les formes de vie. Présentation. Recherches Sémiotiques, Semiotic Inquiry - RSSI, vol. 13, n. 1. Toronto: Association Canadienne de Sémiotique, 1993. p. 5-12.

GREIMAS, Algirdas Julien; FONTANILLE, Jacques. O belo gesto. Trad. Edna Nascimento In: NASCIMENTO, Edna Maria F. dos Santos; ABRIATA, Vera Lucia Rodella (Org.). Formas de vida: rotina e acontecimento. 1ª ed. Ribeirão Preto: Editora Coruja, 2014. p. 13-34.

GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de semiótica. São Paulo: Contexto, 2008.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HORTA, Nina. Empregadas, mais um capítulo. Folha de S. Paulo, 21 jul. 2011.

JIMENEZ-JIMENEZ, Maria Luisa. Domésticas: cotidianos na comensalidade. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

LEMOS, Carolina Lindenberg; PORTELA, Jean Cristtus; BARROS, Mariana Luz Pessoa de. Le soin de la formation: L’institutionnalisation de la sémiotique au Brésil. Signata [En ligne], 3, 2012. Disponível em: <http://journals.openedition.org/signata/806> Acesso em: 15 nov. 2020.

LUFT, Lya. Degraus da Ilusão. Veja, 5 de junho, 2012.

MEDEIROS, Maria Alice. Elogio da dominação: relendo Casa grande & senzala. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

MELO, Alfredo César. Saudosismo e crítica social em Casa grande & senzala: a articulação de uma política da memória e de uma utopia. Estudos Avançados. vol. 23, n. 67, São Paulo, 2009. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142009000300031#tx01> Acesso em: 15 nov. 2020.

MOREIRA, Patricia Veronica. A emergência do sensível na semiótica discursiva: uma abordagem historiográfica. 2019. 225 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, 2019.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no séc. XX. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1990, p. 26.

MOURA, Clovis. Rebeliões da senzala. 4. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

PEREIRA, Maysa Mathias Alves; ROSENO, Andreia. Reflexões sobre as relações étnico/raciais e diversidade sexual e de gênero. In: NOGUEIRA, Leonardo et al. (orgs). Hasteemos a bandeira colorida: diversidade sexual e de gênero no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2018. p. 85-110.

PORTELA, Jean Cristtus. História das ideias semióticas: entre cronistas e inovadores. Estudos Semióticos, v. 14, n. 1 (edição especial), 2018, p. 138-143. Disponível em:

<http://www.revistas.usp.br/esse/article/view/144317/138716> Acesso em 02 abr. 2018.

PRADO, Maria Goreti Silva. A enunciação na semiótica discursiva: um estudo historiográfico. 2018. 159 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, 2018.

PRUDENTE, Eunice Aparecida de Jesus. O negro na ordem jurídica brasileira. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, 83, 1988, p. 135-149.

RIBEIRO, Darcy. O Povo Brasileiro: A formação e o sentido do Brasil. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. A prisão dos ébrios, capoeiras e vagabundos no início da Era Republicana Santos. TOPOI, v. 5, n. 8, jan.- jun. 2004, p. 138-169. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script= sci_arttext & pid=S2237-101X2004000100138> Acesso em 15 nov. 2020.

SANTOS, Flavia Karla Ribeiro. O conceito de figuratividade e as práticas de institucionalização da semiótica no Brasil e na França. 2020. 335 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, 2020.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. 1. ed. São Paulo: Veneta, 2020.

SCHWARCZ, Lilia M; STARLING, Heloisa M. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SCHWARTZMANN, Matheus Nogueira. O retrato da chacina: estratégias de humanização no Caderno Cotidiano. In: ABRIATA, Vera Lucia Rodella (Orgs). Vozes do social: a enunciação visual e sincrética na diversidade das mídias. Franca/SP: Editora Unifran, 2020. p. 83-103.

SCHWARTZMANN, Matheus Nogueira. A noção de texto e os níveis de pertinência da análise semiótica. Estudos Semióticos, vol. 14, n. 1, 2018, p. 1-6. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/esse/article/view/144288/138692> Acesso em: 18 jul. 2020.

SCHWARTZMANN, Matheus Nogueira; PORTELA, Jean Cristtus. Reflexões para uma semiótica das culturas: o caso da identidade trans. In: BUENO, Alexandre Marcelo; MANZANO, Luciana Carmona; ABRIATA, Vera Lucia Rodella (orgs). As crises na/da contemporaneidade. Franca/SP: Editora Unifran, 2017.

SCHWARTZMANN, Matheus Nogueira; PORTELA, Jean Cristtus. Das ferramentas de busca ao texto: a construção da identidade LGBT em revistas digitais. CASA (Araraquara), v. 14. p. 1-15, 2015. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/casa/article/view/8584/5762> Acesso em: 15 nov. 2020.

SCHWARTZMANN, Matheus Nogueira. Escrita epistolar: da cena prática à forma de vida. Estudos Linguísticos, São Paulo, 42 (3): p. 1450-1464, set-dez 2013. Disponível em: <https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/945/531> Acesso em: 18 jul. 2020.

SCHWARTZMANN, Matheus Nogueira; PORTELA, Jean Cristtus. Rê Bordosa: forma de vida e moralização. In: ABRIATA, Vera Lucia Rodella; NASCIMENTO, Edna Maria Fernandes dos Santos (Org.). Formas de vida da mulher brasileira. Ribeirão Preto: Coruja, 2012, p. 35-63.

TRIBOLI, Pierre. Câmara aprova PEC das Domésticas em primeiro turno. Agência Câmara de Notícias, 21, nov. 2012. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/noticias/389886-camara-aprova-pec-das-domesticas-em-primeiro-turno/> Acesso em: 15 nov. 2020.

Downloads

Publicado

2021-08-13

Como Citar

Schwartzmann, M. N. (2021). A doméstica como síntese do racismo brasileiro: discurso, formas de vida e cultura. Estudos Semióticos, 17(2), 219-241. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2021.181055

Edição

Seção

Cultura, engajamento e política