A temporalidade do desespero em Les Contemplations de Victor Hugo

Autores

  • Amir Biglari Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; Departamento de Linguística

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2014.83509

Palavras-chave:

aspectualidade, desespero, paixão, tempo, Victor Hugo

Resumo

O discurso eminentemente temporal do livro de poemas As Contemplações, de Victor Hugo (1856), fornece a matéria de nossos comentários, centrados na representação aí exposta da paixão do desespero. Pelo critério do tempo, observaremos a primazia de diversos valores do passado, a contrastar com o presente e o futuro que se projeta; com efeito, a memória dos momentos passados, sejam estes felizes ou tristes, assalta o sujeito desesperado, fazendo-o avaliar a miséria do presente. Falaremos também dos regimes temporais da existência e da experiência, perante as instâncias da enunciação e, por conseguinte, a maior ou menor força dos acontecimentos vivenciados. Em seguida, a aspectualidade constituirá um critério descritivo para os julgamentos de excesso ou de insuficiência emitidos pelo locutor a respeito das durações eufóricas ou disfóricas, uma vez que a sensação de "justa medida"escapa a seu universo afetivo. Por fim, pensaremos no andamento dos conteúdos reportados e nas covariações das oscilações de velocidade com a embreagem e a debreagem dos actantes do enunciado. Propomos, com base em tais parâmetros, e sobre o pano de fundo global da teoria semiótica da temporalidade, a caracterização dessa forma particular de desespero que o poeta francês retrata em seu conhecido livro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2014-08-08

Como Citar

Biglari, A. (2014). A temporalidade do desespero em Les Contemplations de Victor Hugo. Estudos Semióticos, 10(1), 27-46. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2014.83509

Edição

Seção

Artigos