A produção da cidade olímpica e os sinais da crise de um modelo globalitário

Autores

  • Gilmar Mascarenhas Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2016.107148

Palavras-chave:

cidade olímpica – legado – globaritarismo – Rio de Janeiro – transição global

Resumo

Nas últimas três ou quatro décadas, o urbanismo olímpico se converteu em caros projetos de grande vulto, com impactos de alta visibilidade sobre questões sociais e ambientais em cada cidade-sede. No entanto, nos últimos cinco anos mostram uma crescente consciência global contra o alto investimento público nesses eventos, a violência dos despejos em massa de pobres sob interesses de gentrificação e a produção dos chamados “elefantes brancos”. O sistema olímpico tem percebido a crise e decidiu alterar suas regras "globalitárias", através da Agenda 2020. O nosso objetivo é examinar este novo cenário de transição global e verificar como Rio de Janeiro 2016 pode ser a última edição deste urbanismo olímpico contestado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, Sílvia. O “Modelo Barcelona”, os Jogos Olímpicos-1992 e os legados para o esporte e o lazer – para pensar os Jogos Olímpicos no Brasil. Campinas: Unicamp (relatório parcial de estágio pós-doutoral FAPESP), 2015.

BARRETT, C.; DYCKHOFF, T. Architecture of London 2012 : Vision Design Legacy: An Official London 2012 Games Publication, London, Dyckhoff Publisher, 2012.

BIENENSTEIN, G., SANCHEZ, F., MASCARENHAS, G. The 2016 Olympiad in Rio de Janeiro: Who Can/Could/Will Beat Whom?Espaço e Sociedade (on line) ano 7, 2012,n. 19. Available: http://www.uff.br/esportesociedade/index.html.

BOYKOFF, Jules. Celebration capitalism and the Olympic Games. New York: Routledge, 2014.

BRAATHEN, E.; SORBOE, C. M.; MASCARENHAS, G. . BRICS, mega-sport events and Rio de Janeiro as a city of exception. Tensões Mundiais / World Tensions, v. 10, p. 348-362, 2014.

BROUDEHOUX, Anne-Marie. Spectacular Beijing: the Conspicuous Construction of an Olympic Metropolis. Journal of Urban Affairs, 29 (4), 2007, pp. 383-399.

COMPANS, Rose. Empreendedorismo urbano: entre o discurso e a prática. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

FAULHABER, L. AZEVEDO, N. SMH 2016 : remoções no RJ Olímpico. Rio de Janeiro : Mórula Editorial, 2015.

FREEMAN, J. Neoliberal accumulation strategies and the visible hand of police pacification in Rio de Janeiro. REU, Sorocaba, SP, 2012, v. 38, n. 1, p. 95-126.

HARVEY, D. Do gerenciamento ao “empresariamento”: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço & Debate. São Paulo: Núcleo de Estudos Regionais e Urbanos, 1996, nº 36, pp. 48-64.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HARVEY, D. Le capitalisme contre Le droit à la ville: néoliberalisme, urbanisation, résistances. Paris: editions Amsterdan, 2011.

HAYNES, Jill. Impacto Socioeconômico de los Juegos Olímpicos de Sydney 2000. Centre d’Estudis Olímpcs i de l’Esport. http://olympicstudies.uab.es (acesso em 17 de maio de 2005).

HOLZ, J-M. (org.) Les Jeux olympiques et leurs territories. Perpignan: Press Universitaires de Perpignan, 2011.

LENSKYJ, H.. Olympic industry resistance: challenging Olympic power and propagand, New York: State University of N. York Press, 2008.

LOGAN, John; MOLOTCH, Harvey. Urban Fortunes: The political Economy of Place. Berkeley: University of California Press, 1990.

MASCARENHAS, G. A cidade e os grandes eventos olímpicos: uma geografia para quem? LECTURAS: Educación Física y Deporte (on line). Año 8 - N° 78, 2004. Available: http://www.ub.edu/geocrit/nova.htm.

MASCARENHAS, G. Mega-eventos esportivos, desenvolvimento urbano e cidadania: uma análise da gestão da cidade do Rio de Janeiro por ocasião dos Jogos Pan-Americanos-2007. Scripta Nova: revista electrónica de geografía y ciências sociales. Universidad de Barcelona. Vol. XI, núm. 245 (13) 2007. Available: http://www.efdeportes.com

MASCARENHAS, G. Barcelona y Río de Janeiro: diálogo entre modelos y realidades del llamado Urbanismo Olímpico. Biblio 3w (Barcelona), v. XV, p. 1-6, 2010.

MASCARENHAS, G. Os jogos pan-americanos de 1963. In: MASCARENHAS, G.; BIENENSTEIN, G.; SÁNCHEZ,F.. (Org.). O jogo continua: megaeventos esportivos e cidades. Rio de Janeiro: Eduerj - Faperj, 2011, v. 1, p. 83-97.

MASCARENHAS, G., BIENENSTEIN, G., SÁNCHEZ, F.. O jogo continua: megaeventos esportivos e cidades. Rio de Janeiro: FAPERJ e EdUerj, 2011.

MASSEY, D. World City. London: Potety Press, 2007.

MUÑOZ, F. Historic evolution and urban planning typology of Olympic Villages, Centre d’Estudis Olímpcs i de l’Esport. Barcelona, 1996.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. São Paulo: Record, 2000.

SANTOS, Milton. Milton Santos – Encontros. Organização Maria Angela Leite. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2007.

SANTOS JUNIOR, O.; GAFFNEY, C.; RIBEIRO, L.C. (orgs.) Brasil: impactos da copa do mundo 2014 e das Olimpíadas 2016. Rio de janeiro: E-papers e Observatorio das Metropoles, 2015.

TRUÑÓ, Enric. Barcelona, ciudad del deporte. In: MORAGAS, M. e BOTELLA, M. (orgs.) Las claves del êxito: impactos sociales, deportivos, económicos y comunicativos de Barcelona ’92. Barcelona: Centro de Estudios Olímpicos y del Deporte, pp. 52-67, 1996.

VAINER, C.B. Pátria, empresa e mercadoria. Notas sobre a estratégia discursiva do planejamento estratégico urbano. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único. Desmanchando consensos. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

VAINER, C.B. Cidade de Exceção: reflexões a partir do Rio de Janeiro. Anais do XIV Encontro da Associação Brasileira de Planejamento Urbano e Regional (ANPUR), Rio de Janeiro, 2011.

Downloads

Publicado

2016-05-10

Como Citar

MASCARENHAS, G. A produção da cidade olímpica e os sinais da crise de um modelo globalitário. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 20, n. 1, p. 52-68, 2016. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2016.107148. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/107148. Acesso em: 26 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos