Corpo, lacuna, traço

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2020.172250

Resumo

O corpo é o que desaparece; a lacuna, o próprio desaparecimento; o traço, aquilo que resta, a marca no espaço, rastro, vestígio, cicatriz. Durante sete anos, caminhei por diversas paisagens e narrativas em busca dos mortos, fotografando o que encontrava: pedras, ossos, cinzas, florestas, ruínas, casas, trilhos de trem. As imagens agora compõem um arquivo, uma espécie de atlas warburguiano em que elas podem se encontrar, se confrontar, se inventar. O website Corpo, lacuna, traço é um dos resultados da minha pesquisa pós-doutoral, que teve como eixo um estudo sobre monumentos e memoriais aos mortos. Através de reflexões sobre a imagem, o corpo, a memória e a morte, compreendo o memorial como o novo corpo do morto, a partir de um possível efeito de presença, já que ele localiza o desaparecido no espaço físico e material de uma comunidade. Diante de um vasto arquivo de viagens e memórias, tento dar uma ordem ao que resta – as imagens. Algumas evidenciam o resto, o rastro, o traço. Outras evidenciam o apagamento dos mortos. Como ver o que a paisagem mostra?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Junqueira dos Santos, Universidade de São Paulo

Doutora em Artes pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG [2015/FAPEMIG], com estágio sanduíche na Faculté des Sciences Sociales da Université de Strasbourg [2014/CAPES]. Pós-doutora em Antropologia pela Universidade de São Paulo/USP e pela École des Hautes Études en Sciences Sociales/EHESS, em Paris, com pesquisa sobre monumentos e memoriais aos mortos [2016-2020/FAPESP]. Bacharel em Artes [UFMG, 2003/CNPq] e mestre em Artes Visuais [UFMG, 2006/CAPES]. Tem experiência na área de Arte e Fotografia, com ênfase em teoria e crítica da imagem, especialmente em seu sentido antropológico. Desenvolveu uma vasta pesquisa sobre o universo das fotografias familiares memoriais e post-mortem, imagens imersas no contexto do luto e da perda, junto a diversos estudos sobre a morte e a representação do corpo desaparecido. Tem pesquisado, há anos, a presença e o impacto dos elementos memoriais na cultura, como museus, cemitérios, monumentos, altares efêmeros, lugares de consciência e memória, fotografia. Ganhou, em 2016, o Prêmio CAPES de Tese na área de Artes/Música com a pesquisa "O corpo, a morte, a imagem: a invenção de uma presença em fotografias memoriais e post-mortem", defendida em 2015. É pesquisadora do GRAVI, Grupo de Antropologia Visual da Universidade de São Paulo/USP.

Publicado

2020-08-24

Como Citar

Santos, Carolina Junqueira dos. 2020. “Corpo, Lacuna, traço”. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia 5 (1). São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2020.172250.

Edição

Seção

Achados na Rede

Dados de financiamento