Rebobinando a fita: arqueologia do videotape nas aldeias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2022.181961

Palavras-chave:

Filmes indígenas, Vídeo nas Aldeias, Andrea Tonacci, Documentário, Mídia Indígena

Resumo

O artigo retoma algumas das experiências, movimentos e processos de aprendizagem e produção com o videotape junto a comunidades indígenas no Brasil, quando o equipamento de gravação em fita magnética começava a se popularizar com os formatos portáteis. O cineasta Andrea Tonacci se inquieta com as possibilidades do registro e reprodução simultâneas do videotape como parte da figuração da comunidade, como olhar processual, reflexivo. As camcorders dos Kayapó registraram discursos, viagens, eventos e rituais comunitários, antes mesmo das primeiras experiências do Vídeo nas Aldeias (VNA). O filme A festa da moça (1987), de Vincent Carelli, opera uma alteração naquilo que era imaginado como “olhar do outro” por Tonacci – e por muitas das produções do Vídeo Popular –, pois nos devolve um olhar deslocado, que presencia a retomada dos corpos dos jovens em comunidade, enfeitados e marcados como os antepassados, ao mesmo tempo que nos posiciona como espectadores não indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bernard Belisário, Universidade Federal do Sul da Bahia

BERNARD BELISÁRIO é Doutor e Mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Cursou graduação em Rádio/TV e em Jornalismo, também na UFMG. É Professor do Magistério Superior na Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), onde (vice) lidera o grupo de pesquisa Poéticas Ameríndias (CFAC/IHAC-SC). Integra o Conselho Gestor da Agência de Iniciativas Cidadãs (AIC/MG) e o corpo de pesquisadores da Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual (Socine/SP). Coopera com os Laboratórios de História Indígena da Universidad Nacional Autónoma de México (Unam). E-mail: bernard@ufsb.edu.br

Referências

Alvarenga, Clarisse. 2020. Cinema e arquivo na América Indígena: Andrea Tonacci, encontros e reencontros. Revista C-Legenda, 1 (38-39): 15-27.

Alvarenga, Clarisse. 2017. Da cena do contato ao inacabamento da história: Os últimos isolados (1967-1999), Corumbiara (1986-2009) e Os Arara (1980-). Salvador: Edufba.

Alvarenga, Clarisse. 2010. Refazendo os caminhos do audiovisual comunitário contemporâneo. In Audiovisual comunitário e educação: histórias, processos e produtos, org. Juliana Leonel e Ricardo Fabrino. Belo Horizonte: Autêntica: 87-105.

Bermúdez Rothe, Beatriz (org.). 1995. Pueblos Indígenas de América Latina y el Caribe: catálogo de cine y video. Caracas: Biblioteca Nacional.

Brasil, André. 2016. Ver por meio do invisível: o cinema como tradução xamânica. Novos Estudos – Cebrap, 35 (3): 125-146. https://doi.org/10.25091/S0101-3300201600030007

Brasil, André. 2013a. Formas do antecampo: performatividade no documentário brasileiro contemporâneo. Famecos – mídia, cultura e tecnologia, 20 (3): 578-602. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2013.3.14512

Brasil, André. 2013b. Mise-en-abyme da cultura: a exposição do “antecampo” em Pi’õnhitsi e Mokoi Tekoá Petei Jeguatá. Significação, 40 (40): 245-267. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2013.71683

Brazil, Daniel. 1992. Vídeo: uso e função. In Vídeo Popular (ABVP): 6-7.

Caixeta de Queiroz, Ruben. 2009. Entrevista com Vincent Carelli. In Forumdoc.bh.2009: catálogo: 149-160.

Carelli, Vincent. 2004. Moi, un Indien. In Um olhar indígena: catálogo da mostra Vídeo nas Aldeias: 21-32.

Carelli, Vincent. 1987. Vídeo e reafirmação étnica. Caderno de Textos – Antropologia Visual: 42-45.

Carvalho, Ana. 2010. Por um cinema compartilhado: entrevista com Vincent Carelli. In Audiovisual comunitário e educação: histórias, processos e produtos, orgs. Juliana Leonel e Ricardo Fabrino. Belo Horizonte: Autêntica: 361-378.

Coffaci de Lima, Edilene; Maria Inês Smiljanic; Ricardo Cid Fernandes. 2008. Uma antropologia engajada: entrevista com Terence Turner. Revista Campos, 9 (2): 139-157. http://dx.doi.org/10.5380/cam.v9i2.15868

Córdova, Amalia. 2015 [2011]. Estéticas enraizadas: aproximações ao vídeo indígena na América Latina. In Olhar – um ato de resistência: catálogo da mostra: 147-178.

Córdova, Amalia e Gabriela Zamorano. 2004. Mapeando Medios en México: Video Indígena y Comunitario en México. In Native Networks/Redes Indígenas, Smithsonian National Museum of the American Indian.

Feitosa [Frota], Mônica. The Other’s Visions: From the Ivory Tower to the Barricade. Visual Anthropology Review, 7 (2): 48-49, 1991.

Flaherty, Robert. 2011 [1922]. Como filmei Nanook do Norte. In Forumdoc.bh.2011: catálogo: 329-339.

França, Luciana. 2003. Conversas em torno de Conversas no Maranhão: etnografia de um filme documentário. Monografia de graduação em Ciências Sociais. Belo Horizonte: Fafich/UFMG.

Frota, Mônica. 2000. Taking Aim e a Aldeia Global: a apropriação cultural e política da tecnologia de vídeo pelos índios Kayapós. Revista Sinopse, 5: 91-92.

Ginsburg, Faye. 2016. Indigenous media from U-Matic to Youtube: media sovereignty in the digital age. Sociologia & Antropologia, 6 (3): 581-599. https://doi.org/10.1590/2238-38752016V632

Ginsburg, Faye. 1994. Embedded aesthetics: creating a discursive space for indigenous media. Cultural Anthropology, 9 (3): 365-382.

Ginsburg, Faye. 1991. Indigenous Media: Faustian Contract or Global Village? Cultural Anthropology, 6 (1): 92-1121.

Gonçalves, Cláudia Pereira. 2012. Divino Tserewahú, Vídeo nas Aldeias et alii: uma etnografia de encontros intersocietários. Tese de doutorado em Antropologia Social. Florianópolis: PPGAS/UFSC, 2012.

Guimarães, César. 2012. Atração e espera: notas sobre os fragmentos não montados de Os Arara. Devires – Cinema e Humanidades, 9 (2): p. 50-69.

Kandt, Oliver Martínez. 2019. Una mirada a los archivos de video comunitario en Oaxaca. In Desistfil. https://desistfilm.com/una-mirada-a-los-archivos-de-video-comunitario-en-oaxaca/

Leandro, Anita; Amaranta Cesar; André Brasil; Cláudia Mesquita. 2017. Nomear o genocídio: uma conversa sobre Martírio, com Vincent Carelli. Revista Eco Pós, 20 (2): 232-257. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v20i2.12504

Magallanes-Blanco, Claudia. 2008. The Use of Video for Political Consciousness-Raising in Mexico: An Analysis of Independent Videos About the Zapatistas. Lewiston, Queenston, Lampeter: Edwin Mellen Press.

Marin, Nadja e Paula Morgado. 2016. Filmes indígenas no Brasil: trajetória, narrativas e vicissitudes. In A experiência da imagem na etnografia, org. Andréa Barbosa et al. São Paulo: Terceiro Nome.

Minter, Sarah. 2008. A vuelo de pájaro, el video en México: sus inicios y su contexto. In Video en Latinoamérica: una historia crítica, org. Laura Baigorri. Madrid: Brumaria: 159-168.

Rios, Luiz Henrique; Pereira, Renato Rodrigues; Frota, Mônica. 1987. Mekáron Opoijoie. Caderno de Textos – Antropologia Visual: 81-82.

Rouch, Jean. 1979. La Caméra et les hommes. In Pour une Anthropologie visuelle, org. Claudine de France. Paris: EHESS: 53-71.

Santoro, Luiz Fernando. 1989. A imagem nas mãos: o vídeo popular no Brasil. São Paulo: Sumus.

Tacca, Fernando de. 2002. Rituaes e festas Bororo: a construção da imagem do índio como ‘selvagem’ na Comissão Rondon. Revista de Antropologia, 45 (1): 187-219. https://doi.org/10.1590/S0034-77012002000100006

Tonacci, Andrea et al. 1980. Pra começo de conversa. Filme Cultura, 34: 4-11.

Trevisan, João Silvério. 1983. Andrea Tonacci. Filme Cultura, 41/42: 6-10.

Turner, Terence. 1993. Imagens desafiantes: a apropriação Kaiapó do vídeo. Revista de Antropologia (USP), 36: 81-121. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.1993.111390

Turner, Terence. 1991. Representing, rethinking, resisting: historical transformations of Kayapo culture and anthropological consciousness. In Colonial Situations: essays on the contextualization of ethnographic knowledge, org. George Stocking. Madison: University of Wisconsin Press: 285-313.

Turner, Terence. 1990. The Kayapo Video Project: A Progress Report. Commission on Visual Anthropology Review (Fall): 7-10.

Worth, Sol e John Adair. 1997 [1972]. Through Navajo eyes: an exploration in film communication and anthropology. Albuquerque: University of New Mexico Press.

Wortham, Erica Cusi. 2004. Between the State and Indigenous Autonomy: Unpacking Video Indígena in Mexico. American Anthropologist, 106 (2): 363-368.

Xavier, Ismail. 2008. As artimanhas do fogo, para além do encanto e do mistério. In Serras da Desordem, org. Daniel Caetano. Rio de Janeiro: Azougue: 11-24.

Xavier, Ismail. 1993. Alegorias do subdesenvolvimento. São Paulo: Brasiliense.

Zea, Evelyn Schuler; Renato Sztutman; Rose Satiko G. Hikiji. 2007. Conversas na desordem: Entrevista com Andrea Tonacci. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, 45, 239-260. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i45p239-260

Nanook: o esquimó [Nanook of the North]. 1922. Robert Flaherty. Documentário 35mm. 79 min.

Eu, um negro [Moi un noir]. 1958. Jean Rouch. Documentário 16mm. 70 min.

A caça ao leão com arco [La chasse au lion à l’arc]. 1965. Jean Rouch. Documentário 16mm. 77 min.

Jaguar. 1967. Jean Rouch. Documentário 35mm. 88 min.

Bang Bang. 1970. Andrea Tonacci. Ficção 35mm. 84 min. São Paulo: Cinemateca Nacional / SPCine Play. https://www.looke.com.br/filmes/bang-bang

Jouez Encore, Payez Encore [Interprete mais, pague mais]. 1975. Andrea Tonacci. Documentário 16mm. 120 min. São Paulo: Interpovos.

Os arara/1. 1980. Andrea Tonacci. Documentário HSVT. 60 min. São Paulo: Interpovos / TV Bandeirantes.

Os arara/2. 1981. Andrea Tonacci. Documentário U-Matic. 60 min. São Paulo: Interpovos / TV Bandeirantes.

Os arara/3. 1981-. Andrea Tonacci. Filmagem em vídeo não editada. 238 min. Acervo de Cristina Amaral. São Paulo: Interpovos.

Conversas no Maranhão. 1983. Andrea Tonacci. Documentário 16mm. 116 min. São Paulo: SPCine Play. https://www.looke.com.br/filmes/conversas-no-maranhao

Danza Azteca. 1987. Martha Colmenares e Álvaro Vázquez. Assembleia de Autoridades Zapotecas e Chinotecas da Serra. Documentário Betamax. 90 min. Oaxaca: K-Xhon Video Cine.

A festa da moça. 1987. Vincent Carelli. Documentário VHS. 18 min. Vídeo nas Aldeias. https://vimeo.com/ondemand/afestadamoca

The Kayapo. 1987. Michael Beckham. Documentário 16mm. 52 min. Londres: Royal Anthropological Institute. https://raifilm.org.uk/films/the-kayapo/

The Kayapo: out of the forest. 1989. Documentário 16mm. 52 min. Michael Beckham. Londres: Royal Anthropological Institute. https://raifilm.org.uk/films/the-kayapo-out-of-the-forest/

Serras da desordem. 2005. Andrea Tonacci. Documentário 16mm. 136 min. São Paulo: Extremart / SPCine Play. https://www.looke.com.br/filmes/serras-da-desordem

Publicado

2022-03-25

Como Citar

Belisário, Bernard. 2022. “Rebobinando a Fita: Arqueologia Do Videotape Nas Aldeias”. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia 7 (1). São Paulo, Brasil:e181961. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2022.181961.

Edição

Seção

Artigos