O altar como performance na religiosidade popular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2022.185817

Palavras-chave:

Altares, Performances, Folia de Reis, Religiosidade Popular, Materialidade

Resumo

Este artigo apresenta o altar como um lugar do qual emanam performances visualizadas em símbolos, ações, gestos, cantos advindos da prática religiosa. Com o olhar voltado à religiosidade popular, destaca-se as vivências das Folias de Reis a fim de propiciar a reflexão acerca das performances do altar. À luz dos estudos em Performances Culturais, o destaque dado aos gestos, sons, imagens e toadas possibilitam reflexões acerca da performatividade revelada na materialidade dinâmica do altar, que se mantém viva em diversos contextos. O altar se configura, assim, como local do sagrado que ressalta o conjunto das qualidades sinestésicas das várias performances envolvidas neles ou perante eles; inclusive aquelas constituídas por sua simples materialidade e presença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Oliveira dos Santos, Universidade Federal de Goiás

Daniela Oliveira dos Santos é doutoranda em Performances Culturais - Universidade Federal de Goiás (2020-2024) com pesquisa em andamento sobre o Ofício Divino das Comunidades. É mestre em Artes pela Universidade Federal de Uberlândia (2012) e cursou especialização em Liturgia Cristã na Faculdade Jesuíta (FAJE – 2018 a 2019). Possui licenciatura em Educação Artística com Habilitação em Música pela Universidade Federal de Uberlândia. É professora de música no Instituto Federal de Goiás - Campus Itumbiara desde 2011. Tem interesse em investigações nos campos Catolicismo Popular, Ritos Católicos e Música Litúrgica. E-mail: danielaoliveira@ufg.edu.br

Sebastião Rios, Universidade Federal de Goiás

Sebastião Rios é professor da Faculdade de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Performances Culturais da Universidade Federal de Goiás. Pesquisador associado do Centro de Estudos Africanos da Universidade Eduardo Mondlane (Moçambique) e colaborador do Zentralinstitut für Lateinamerikastudien da Universidade Católica de Eichstätt (Alemanha). Doutor em Sociologia pela UnB / Universidade de Innsbruck, Áustria (1998), mestre em Literatura (1993) e bacharel em História pela UnB (1987). Atua nas áreas de Sociedade e Cultura Brasileira, Literatura Brasileira, Música e Sociedade, Cultura Popular / Patrimônio Imaterial, com vários registros de Folias de Reis e Congados em CDs e vídeos. E-mail: sebastiaorios@gmail.com

Referências

Agostini, Camilla. 2011. A vida social das coisas e o encantamento do mundo na África central e diáspora. Métis: História & Cultura, vol. 10: 165-185.

Bíblia de Jerusalém. 2002. São Paulo: Paulus.

Bitter, Daniel. 2010. A bandeira e a máscara. A circulação de objetos culturais na Folia de Reis. Rio de Janeiro: 7 Letras; IPHAN/CNFCP.

Camargo, Robson (org) et Alli. 2015. Performances da Cultura: Ensaios e Diálogos. Goiânia, Kelps.

Carvalho, Edsonina. 2009. Estrela do Oriente: Uma Folia de Reis do Setor Pedro Ludovico, Goiânia, Goiás. Dissertação de mestrado profissional, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia.

Certeau, Michel de. 1995. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Editora Vozes.

Cunha, Euclides da. 1984. Os Sertões. São Paulo: Três (Biblioteca Virtual do Estudante).

Diretório sobre Piedade Popular e Liturgia. 2003. Princípios e Orientações. Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos. São Paulo: Paulinas.

Durkheim, Emile. 2009. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Martins Fontes.

Garcia, Juliana. 2018. Tem Festa de Tambor no Reinado de Nossa Senhora. Performance e Agência em torno das Coisas Congadeiras – Justinópolis MG. Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Geertz, Clifford. 1989. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara.

Ingold, Tim. 2012. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizonte antropológico vol.18: 25-44. https://doi.org/10.1590/S0104-71832012000100002

Júnior, Ney e Claudio Rocha. Leia a sinopse do enredo da Renascer de Jacarepaguá para o Carnaval 2020. SRzd, 08/08/19. https://www.srzd.com/carnaval/rio-de-janeiro/leia-a-sinopse-do-enredo-da-renascer-de-jacarepagua-para-o-carnaval-2020/ (acessado em 14/04/21).

Matos, Ronaldo Aparecido. 2017. Os cantos da Companhia de Reis Fernandes de Olímpia – São Paulo. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista, São Paulo.

Rios, Sebastião; Viana, Talita. 2015. Fotografias de Rogério Neves. Toadas de Santos Reis em Inhumas, Goiás. Goiânia: Gráfica UFG.

Turner, Victor Witter. 1974. O processo ritual. Petrópolis: Vozes.

Poel, Francisco van der. 2013. Dicionário da Religiosidade Popular. Curitiba: Editora Nossa Cultura.

Publicado

2022-08-30

Como Citar

Santos, Daniela Oliveira dos, e Sebastião Rios. 2022. “O Altar Como Performance Na Religiosidade Popular”. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia 7 (1). São Paulo, Brasil:e185817. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2022.185817.

Edição

Seção

Dossiê Religiões (Artigos)