A língua italiana e a escola como espaços simbólicos de disputa no início do sec. XX: implicações políticas, sociais e culturais

Autores

  • Deise Cristina de Lima Picanço Universidade Federal do Paraná
  • Maria Inês Carvalho Correia Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.v0i35p5-14

Palavras-chave:

Língua italiana, Discurso e educação, Ideologia, História do Brasil

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir, sob o viés histórico, sobre a presença ausente da(s) língua(s) e cultura(s) italiana(s) no currículo de ensino médio em Curitiba, mais especificamente no Colégio Estadual do Paraná no início do século XX. Como tratar de cultura e linguagem é tratar do sujeito sociológico e historicamente situado, sempre em movimento, na relação com o outro, destacamos nessa reflexão três pontos que acreditamos estejam relacionados com a questão da língua, a saber: a) a divergência entre os sujeitos imigrantes italianos social e historicamente situados; b) a ideologia do branqueamento do Brasil por parte da elite brasileira; e c) a ausência de tradição da língua italiana falada standard nesse período. Para essa reflexão, tomam-se como base as ideias do Círculo de Bakhtin sobre linguagem indissociada de sujeito híbrido e a noção de diferença cultural que ocorre na enunciação, conforme definida por Bhabha (2013).

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Deise Cristina de Lima Picanço, Universidade Federal do Paraná

    Doutora em Letras pela UFPR, professora do Setor de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação da UFPR. Autora de artigos sobre o ensino de línguas estrangeiras, sobre o discurso sobre as línguas estrangeiras na mídia. Autora do livro “História, memória e ensino de Espanhol: 1992-1990”, Editora UFPR, 2003.

  • Maria Inês Carvalho Correia, Universidade Federal do Paraná

    Mestre em Educação pela UFPR e professora de Língua e Cultura Italiana, autora de artigos sobre a interculturalidade no ensino da língua italiana.

Referências

BAKHTIN, M. M.; VOLOSHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: HUCITEC, 2009.

BHABHA, H. K. O Local da Cultura. Trad. M. Ávila; E. L. Lima Reis; G. R. Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BOURDIEU, P. Os três estados do capital cultural. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. Escritos de Educação. 11ª ed. Petrópolis: Vozes, 2010, p. 71-79.

BRASIL/MEC/SEF. Parâmetros Curriculares: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira, 1998. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pcn_estrangeira.pdf>. Acesso em: 10 maio 2017.

CEP – Centro de Memória do Colégio Estadual do Paraná. 1927: Livro de instruções para os exames do curso seriado e de preparatórios, bem como para os exames de admissão nos institutos de Instrução secundaria, no anno Lectivo de 1927. p. 12, Rio de Janeiro.

CAMBCAMBI, F. Intercultura: fondamenti pedagogici. Roma: Carocci Editore, 2008.

CAMPOS, C. M. A política da língua na era Vargas: proibição do falar alemão e resistência no Sul do Brasil. Campinas – SP: Ed. Unicamp, 2006.

CHAGAS, R. V. C. Didática Especial de línguas Modernas. 2ª ed. São Paulo: Nacional, 1967.

COLBACCHINI, P. Guida Spirituale per l’immigrato italiano nella America, 1896.

CORACINI, M. J. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade: línguas (materna e estrangeira), plurilinguismo e tradução. Campinas – SP: Mercado de Letras, 2007.

HOFBAUER, A. O Conceito de “raça” e o ideário do “branqueamento” no século XIX – bases ideológicas do racismo brasileiro. Disponível em: <http://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/viewFile/57/47>. Acesso em: 10 maio 2017.

MARONGIU, P. Breve storia della lingua italiana per parole. Roma, Le Monnier, 2000.

MASCHIO, E. C. F. A Escolarização dos imigrantes e seus descendentes nas colônias italianas de Curitiba, entre táticas e estratégias de italianità e brasilianità (1875-1930). Tese de Doutorado em Educação. UFPR, Curitiba, 2012. Disponível em: <http://www.ppge.ufpr.br/teses/D12_Elaine%20C%C3%A1tia%20Falcade%20Maschio.pdf>. Acesso em: 10 maio 2017.

PICANÇO, D. C. L. História, memória e ensino de espanhol (1942-1990): as interfaces do ensino da língua espanhola como disciplina escolar a partir da memória de professores, métodos de ensino e livros didáticos no contexto das reformas educacionais. Curitiba: UFPR, 2003.

PONCE, A. Educação e Luta de Classes. Cortez, São Paulo, 1983.

SCHWARTZMAN, S.; BOMENY, H. M. B.; COSTA, V. M. R. Tempos de Capanema: a construção da nacionalidade. Disponível em: <http://www.schwartzman.org.br/simon/capanema/introduc.htm>. Acesso em: 20 ago. 2017.

SEYFERTH, G. Colonização, imigração e a questão racial no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 53, p. 117-149, março/maio, 2002.

VECHIA, A. Forjando identidades: a educação dos imigrantes “italianos” em Curitiba no século XIX. In: II Congresso Brasileiro de História da Educação, 2002, Natal. Anais do Congresso Brasileiro de História da Educação. Natal: Editora Núcleo de Arte e Cultura da UFRN, 2002. v. 1. Disponível em: <http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe2/pdfs/Tema6/0636.pdf>. Acesso em: 10 set. 2017.

Downloads

Publicado

04/21/2024

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

Picanço, D. C. de L., & Correia, M. I. C. (2024). A língua italiana e a escola como espaços simbólicos de disputa no início do sec. XX: implicações políticas, sociais e culturais. Revista De Italianística, 35, 5-14. https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.v0i35p5-14