Audiências de conciliação: determinações legais e interação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v34i1p81-102

Palavras-chave:

Interação, Conversação institucional, Organização geral, Escolha lexical, Vocabulário profissional

Resumo

Este estudo é uma reflexão direcionada à interação em audiências de conciliação realizadas em um Fórum Cível no Estado do Rio Grande do Norte.  Buscamos discutir algumas dimensões dessas audiências, guiados pelo que define a legislação (Código de Processo Civil e Lei dos Juizados Especiais), observando de que forma as regulações normativas influenciam os aspectos linguístico-discursivos. Nesse sentido, privilegiamos as evidências da organização geral da interação e as escolhas lexicais que permeiam as audiências, do ponto de vista da Conversação Institucional.  Seguimos a orientação da Análise da Conversação para a construção do corpus de investigação, constituído por duas audiências de conciliação gravadas em vídeo e transcritas conforme o sistema adotado pelos estudos de textos orais. A análise dos dados das audiências nos possibilitou reconhecer algumas regularidades na interação, marcadas pelo que é definido institucionalmente, haja vista o cumprimento de leis e orientações que se manifestam no plano linguístico-discursivo, a partir do léxico identificado nos dados da presente pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARLÉ, D. G. G; BALDINI, L.; BORGES, V. M. G. Técnicas de negociação no âmbito do Ministério Público. In: Manual de negociação e mediação para membros do Ministério Público. CNMP, 2015, p. 165-234.

AQUINO, Z. G. O. de. O léxico no discurso político. In. PRETI, D; Léxico na língua oral e na escrita. São Paulo: Humanitas, Projetos Paralelos, v. 6, 2003, p. 195-210.

BRASIL. Lei nº 9.099. Dispõe sobre os Juizados Especiais Cíveis e Criminais e dá outras providências. 1995. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9099.htm. Acesso em: 08 jan. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.105. Código de Processo Civil. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm. Acesso em: 08 jan. 2021.

CARAPINHA, C. A linguagem jurídica. Contributos para uma caracterização dos Códigos Legais Redis: Revista de Estudos do Discurso, nº. 7, p. 91-119, 2018.

CAPPELLETTI, M.; GARTH, B. Acesso à justica. Trad. Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 1988.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. In: AZEVEDO, A. G. de (Org.) Manual de Mediação Judicial. Brasília/DF: CNJ, 2016. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2016/07/f247f5ce60df2774c59d6e2dd dbfec54.pdf.

DREW, P; HERITAGE, J. Talk at work. Social Interaction in institutional settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

GARCIA, A. C. An Introduction to interaction: understanding talk in formal and informal settings. New York: Bloomsbury Academic, 2013.

HABERMANN, R. T. Mediação e conciliação no Novo CPC. Leme: Habermann Editora, 2016.

HERITAGE, J. Conversation analysis and institutional talk. In: FITCH, K. L; SANDERS, R. E. Language and social interaction. New Jersey: Lawrence Erilbaun Associates, Inc Publishers, 2005.

HERITAGE, J. Language and social institutions: the conversation analytic view. Journal of Foreign Languages, v. 36, n. 4, 2013. Disponível em: http://www.cnki.net. Acesso em: 08 ago. 2016.

KERBRAT-ORECCHIONI, K. Análise da conversação: princípios e métodos. São Paulo: Parábola, 2006.

KOMTER, M. Conversation analysis in the courtroom. In: SIDNELL, J; STIVERS, T. The handbook of conversation analysis. Oxford: Wiley-Blackwell, 2013, p. 612-629.

MARQUES, H. da C. Os conciliadores e mediadores judiciais como auxiliares da justiça (ART. 149 do CPC). Revista FONAMEC, v. 1, n.1, p. 157-170, 2017.

PRETI, D.; QUADROS, M. Normas para transcrição. In: PRETI, D; QUADROS, M. Comunicação na Fala e na Escrita. São Paulo: Humanitas, Projetos Paralelos, v. 12, 2013.

ROBINSON, J. D. An interactional structure of medical activities during acute visits and implications for patients’ participation. Health Communication, v. 15, n. 1, p. 27-57.

ROBINSON, J. D. Overall structural organization. In: SIDNELL, J; STIVERS, T. The handbook of conversation analysis. Oxford: Wiley-Blackwell, 2013, p. 257-280.

RIOS, R. F. Resolução de conflitos em audiências do PROCON: sequências de discordância com correção pelo outro e recursos de agravamento. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás, 2014. Disponível em http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/4763. Acesso em: agosto de 2017.

SACKS, H.; SCHEGLOFF, E.; A.; JEFFERSON, G. A simplest systematics for organization of turn taking for conversation. Language, v. 50, n. 4, p. 699-733, 1974.

SACKS, Harvey. Lectures on conversation. Oxford: Basil Blackwell, 1992.

SCHEGLOFF, Emanuel. Sequence organization in interaction: a primer in conversation analysis I. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

SOUZA, J. M. de. As técnicas de conciliação e mediação nos juizados especiais cíveis. Jurisway, 2011. Disponível em: https://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=5829. Acesso em: 03 nov. 2017.

ZIMMERMAN, D. H. Talk in its occasion. The case of calling the police. In: SHIFFRIN, D. (Ed.). Meaning, form and use in context: linguistics application. Georgetown Roundtable on Languages and Linguistics. Washington DC: Georgetown University Press, 1984. p. 22-43.

ZIMMERMAN, D. H. The interactional organization of calls for emergency assistance. In: DREW, P; HERITAGE, J. (Eds.) Talk at work: social interaction in institutional settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1992, p. 418- 469.

Downloads

Publicado

2021-05-03

Como Citar

Galvão, M. A. M. ., & Lanzillo, A. S. da S. (2021). Audiências de conciliação: determinações legais e interação. Linha D’Água, 34(1), 81-102. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v34i1p81-102

Edição

Seção

Artigos originais