Análise comparativa de duas traduções da obra Yerma para o português

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v35i2p100-117

Palavras-chave:

Desconstrução , Jacques Derrida , Escolhas tradutórias , Língua , Dívida

Resumo

Com base nas reflexões de Jacques Derrida sobre a tradução (1998, 1999, 2001, 2006), analisamos duas traduções para o português brasileiro, assinadas por Cecília Meireles (1963) e Marcus Mota (2000), da obra dramática Yerma, de Federico García Lorca. Buscamos fazer uma análise comparativa dessas traduções, problematizando as possíveis semelhanças e/ou diferenças entre elas, com ênfase nas escolhas tradutórias no âmbito do nível de linguagem e seus impactos no tom dramático e poético do texto, tais como: supressão ou acréscimo textual e seus efeitos; nomes e designações dos personagens; e as escolhas tradutórias relativas à seleção vocabular de estruturas gramaticais e sintático-semânticas e seus efeitos. Com a análise comparativa, comprovamos que as escolhas tradutórias feitas por Meireles (1963) e por Mota (2000) evidenciam transformações nos textos traduzidos e constroem imagens diferentes da obra de Lorca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Roma da Silva, Universidade Estadual de Santa Cruz

Graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e Língua Espanhola) pela Universidade Estadual de Santa Cruz UESC (Ilhéus-Bahia). Graduada em Psicologia pela Faculdade de Tecnologia e Ciências -FTC (Itabuna- Bahia, 2012). Pós graduada em Psicologia Clínica e Hospitalar pela Faculdade Social da Bahia. Psicóloga clínica, psicóloga escolar e professora de Língua Portuguesa. Mestranda no Programa de Pós-graduação em Letras: Linguagens e Representações (PPGLLR) na Universidade Estadual de Santa Cruz (2018-2020), sob a orientação da Profa. Dra. Élida Paulina Ferreira

Élida Paulina Ferreira, Universidade Estadual de Santa Cruz

Possui graduação em Letras pela Universidade de Brasília (1985), mestrado em Lingüística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (1988) e doutorado em Lingüística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (2003). Atualmente é professora Plena da Universidade Estadual de Santa Cruz. Tem experiência na área de Lingüística Aplicada, atuando principalmente na área de tradução, numa interface com a desconstrução de Jacques Derrida. Atua, ainda, na área de ensino de Língua Estrangeira. Participa como docente permanente do Programa de Pós-graduação em Letras: Linguagens e Representações da UESC-Bahia.

Referências

ALVES, S. P. Teatro de García Lorca: a arte que se levanta da vida. São Paulo: PUC, 2011.

BRANCO, L. C (Org.) “A tarefa do tradutor, de Walter Benjamin: quatro traduções para o português”. Belo Horizonte: Fale/UFMG. 2008.

DERRIDA, J. Gramatologia. Tradução de Miriam Shneiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Editora Perspectiva, 1973.

DERRIDA, J. Carta a um amigo japonês In: OTTONI, Paulo. (Org.) A prática da diferença. tradução de Érica Lima. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1998, p.19 - 25.

DERRIDA, J. Lo ilegible In: No escribo sin luz artificial. Trad. Rosário Ibañes y Maria José Pozo. Valladolid, Cuatro ediciones, 1999.

DERRIDA, J. Posições. Tradução. de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

DERRIDA, J. Torres de Babel. Tradução de Junia Barreto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

FURLAN, M. Brevíssima história da teoria da tradução no ocidente: os romanos. Cadernos de tradução, UFSC, pp. 11-28, 2001.

LORCA, F.G. Yerma. Tradução de Cecília Meireles. Rio de Janeiro: Aguilar, 1963.

LORCA, FG. Yerma. Edición de Losada, S.A. Buenos Aires, 1956.

LORCA, F.G. Yerma. Edición de Miguel García Posada. Decimoquinta edición: 8 – VI- 1989.

LORCA, F.G. Yerma. Tradução de Marcus Mota. Brasília: Editora da UnB, 2000.

LORCA, F.G. Yerma. Edición de Mario Hernández. Madrid: Alianza Editorial, 2013.

MOTA, M. Teatro e Tradução: Experiências no Laboratório de Dramaturgia. Dramaturgias, [S. l.], n. 7, p. 190–210, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.26512/dramaturgias.v0i7.9522.

MOTA, S.B.V da. A gramatologia, uma ruptura nos estudos sobre a escrita. Delta, São Paulo, vol. 13, n. 2, p. 291-313, ago. 1997.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. 27a. Ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

Downloads

Publicado

2022-08-15

Como Citar

Silva, V. R. da, & Ferreira, Élida P. (2022). Análise comparativa de duas traduções da obra Yerma para o português. Linha D’Água, 35(2), 100-117. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v35i2p100-117