Tipologia de expressões cristalizadas verbais do espanhol peninsular: um estudo preliminar e comparado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v35i2p160-173

Palavras-chave:

Fraseologia , Léxico-gramática , Sintaxe , Análise comparada, Língua espanhola

Resumo

Este trabalho apresenta os resultados de um estudo piloto do comportamento sintático-semântico de expressões cristalizadas verbais (ECV) do espanhol peninsular (ESP), como “perderse la cabeza”, tendo como base a tipologia proposta por Vale (2002) para as ECV do português brasileiro (PB). Além disso, estabelece-se uma comparação preliminar entre expressões cristalizadas do ESP e seus equivalentes semelhantes do PB. Para o desenvolvimento da pesquisa, foram analisadas e classificadas 20 ECV do ESP em 5 classes distintas, segundo suas propriedades sintático-semânticas. Com isso, ao final da análise, pôde-se concluir que: (i) as expressões selecionadas apresentam um comportamento léxico-sintático-semântico semelhante nos dois idiomas; e (ii) determinados comportamentos de construções verbais livres se conservam nas expressões cristalizadas constituídas pelo mesmo verbo: em língua espanhola, por exemplo, verificou-se a seleção da preposição a na introdução de complementos humanos ou humanizados, e a maior incidência de expressões com verbos reflexivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Caroline dos Santos Fonseca, Universidade Federal de Sergipe

Possui graduação em Letras (habilitação em espanhol) pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Atualmente, é professora substituta de língua espanhola do Colégio de Aplicação da UFS. Atua nas áreas de Fraseologia, Lexicologia, Lexicografia e Sintaxe, especificamente nos campos voltados a metalexicografia, descrição léxico-sintática e estudos comparados entre as línguas portuguesa e espanhola.

Roana Rodrigues, Universidade Federal de Sergipe

Possui Doutorado em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), mestrado em Linguística e graduação em Letras (Português e Espanhol) também pela UFSCar. Atualmente, é professora de língua espanhola do Departamento de Letras Estrangeiras da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Atua nas áreas de Lexicologia, Lexicografia e Sintaxe, com ênfase nos seguintes temas: descrição léxico-sintática, construções com verbos locativos, estudos comparados das línguas portuguesa e espanhola e ensino de espanhol.

Referências

BARROS, C. D. Descrição e classificação de predicados nominais com o verbo-suporte fazer no Português do Brasil. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/5632?show=full. Acesso em outubro de 2021.

BELANDO, M. G. Considerações sobre o clítico se em construções médias com os verbos espanhóis matar e morir. Caracol, [S. l.], n. 19, p. 394-425, 2020. DOI: http://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.v0i19p394-425.

DI TULLIO, A.; MALCUORI, M. Gramática del español para maestros y profesores del Uruguay. 1. ed. Montevideo: ANEP. ProLEE, 2012.

GROSS, M. Méthodes en syntaxe. Régime des constructions complétives. Paris: Hermann, 1975.

GROSS, M. Une classification des phrases figées du français. Revue québécoise de linguistique, v. 11, n. 2, p. 151 – 185, 1982. DOI: https://doi.org/10.7202/602492ar.

NOIMANN, A. Proposta de dicionário de regência verbal português/espanhol para aprendizes brasileiros de espanhol. Tese (Doutorado em Teorias Linguísticas do Léxico). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/117590. Acesso em outubro de 2021.

RAMMÉ, V.; RODRIGUEZ, D. G. V. O uso da preposição ‘a’ como objeto direto (OD) e objeto indireto (OI): uma análise contrastiva entre o espanhol e o português brasileiro. Caletroscópio, v. 8, n. Especial II, p. 103, 126, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufop.br/caletroscopio/article/view/3890.

RANCHHOD, E. M. O lugar das expressões ‘fixas’ na gramática do Português. In: CASTRO, I.; DUARTE, I. (eds.). Razão e Emoção. Lisboa: INCM, p. 239-254, 2003.

REIS, S. M. M. A correspondência entre provérbios e expressões fixas no português europeu. Dissertação (Mestrado em Ciências da Linguagem). Universidade do Algarve, Faro, 2014. Disponível em: https://sapientia.ualg.pt/handle/10400.1/6900. Acesso em outubro de 2021.

RODRIGUES, R.; VALE, O. A.; BAPTISTA, J. Relações formais entre expressões cristalizadas e as construções verbais locativas livres. Revista do GELNE, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 47–62, 2019. DOI: http://doi.org/10.21680/1517-7874.2019v21n1ID16055.

SILVA, L. L. O. El abrazo de las palabras: estudio contrastivo entre las expresiones fijas de la lengua portuguesa de Brasil y sus equivalencias en la lengua española de España. Tese (Doutorado em Custiones de la Lengua), Universidad de Salamanca, Salamanca, 2013.

TERMIGNONI, S.; FINATTO, M. J. B. Sobre a importância de ensinar expressões idiomáticas. Revista de Italianística, [S. l.], n. 35, p. 112-124, 2017. DOI: http://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.v0i35p112-124.

VALE, O. A. Expressões cristalizadas: transparência e opacidade. Signótica, Goiânia, v. 11, n. 1, p. 163–172, 2009. DOI: http://doi.org/10.5216/sig.v11i1.7282.

VALE, O. A. Expressões cristalizadas do português do Brasil: uma proposta de tipologia. Tese (Doutorado em Letras). Universidade Estadual Júlio Mesquita Filho, Araraquara, 2002.

VILLAVICENCIO, A. et al;. Identificação de Expressões Multipalavra em Domínios Específicos. Linguamática, v. 2, n. 1, p. 15-33, 7 Abr. 2010. Disponível em: https://linguamatica.com/index.php/linguamatica/article/view/43.

Downloads

Publicado

2022-08-15

Como Citar

Fonseca, M. C. dos S., & Rodrigues, R. (2022). Tipologia de expressões cristalizadas verbais do espanhol peninsular: um estudo preliminar e comparado. Linha D’Água, 35(2), 160-173. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v35i2p160-173