O ensino de argumentação na Argentina e no Brasil: aproximações e distanciamentos em diretrizes curriculares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v35i2p77-99

Palavras-chave:

Língua materna , Desenvolvimento da argumentação , Análise de discursos comparativa , BNCC , NAP

Resumo

Considerando a demanda pela universalização da educação escolar nos países da região sul-americana, este trabalho tem por objetivo discutir como as diretrizes curriculares, na Argentina e no Brasil, propõem o desenvolvimento da argumentação no componente Língua Materna. Delineamos, então, uma análise de discursos comparativa que observa como cada cultura discursiva em destaque desenvolve suas percepções quanto ao ensino de argumentação. Nosso corpus centra-se nos eixos de trabalho com linguagens nos documentos de diretrizes curriculares para o ensino médio na Argentina, Núcleos de Aprendizagen Prioritarios, e no Brasil, Base Nacional Comum Curricular. Observamos que os discursos relacionados ao ensino de argumentação sugerem algumas aproximações quanto à ausência de uma base teórica para pensar o desenvolvimento desse conhecimento. Tal lacuna desdobra-se em semelhantes distanciamentos, no que tange à ausência de um ensino de argumentação concreto que ultrapasse as conformidades do desempenho em exames e avaliações externas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sheyla Fabrícia Alves Lima, Universidade Estadual de Santa Cruz

Professora do município de Itabuna, atuando no Ensino Fundamental II com as disciplinas de Língua Portuguesa e Espanhol desde 2004. Possui graduação em Letras, pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2010), especialização em Língua Portuguesa pela Faculdade Noroeste de Minas (2011) e mestrado em Letras: Linguagens e Representações pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2020). Atualmente, é doutoranda do Programa de Pós-graduação em Letras- Linguagens e Representações (PPGLLR/UESC), onde participa do Centro de Estudos sobre Argumentação e Discurso e o Grupo de Pesquisa "Estudos de Linguagem, Argumentação e Discurso" (ELAD/CNPq). Soma-se a essas atividades a participação no grupo de pesquisa GPARA (Grupo de Pesquisas em Argumentação e Retórica Aplicadas), grupo que tem por objetivo investigar questões de linguagem relacionadas à aplicação de quadros teórico-metodológicos vinculados aos estudos de Retórica, argumentação e Discurso

Yuri Andrei Batista Santos, Universidade de São Paulo

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Filologia e Língua Portuguesa (PPGFLP/USP) como bolsista FAPESP e em regime de cotutela com a Université de Paris- França. Possui mestrado em Letras- Estudos em Linguagem pelo Programa de Pós-graduação em Letras: Linguagens e representações (PPGLLR/UESC). Também possui graduação em Letras com dupla habilitação em Língua Portuguesa e suas literaturas e Língua Inglesa e suas literaturas pela UESC. Possui experiência no ensino de línguas, atuando como professor de português, inglês e alemão. É pesquisador vinculado ao grupo de pesquisa DIÁLOGO-USP. Atua nas seguintes áreas: teoria dialógica do discurso, escritas de si, análise comparativa de discursos, estudos de tradução, ensino de línguas estrangeiras, ludoletramento.

Referências

AMOSSY, R. A argumentação no discurso. Tradução Ângela M. S. Corrêa et al. São Paulo: Contexto, 2018.

ARGENTINA. Ministerio de Educación Nacional, Consejo Federal de Educación. Núcleos de Aprendizajes Prioritarios (NAP). CICLO BÁSICO EDUCACIÓN SECUNDARIA – 1 /2 y 2 /3 Años – Lengua. 2011. Disponível em: http://www.bnm.me.gov.ar/giga1/documentos/EL004318.pdf. Acesso em: 19 jun. 2022.

AZEVEDO, I. C. M. de.; DAMACENO, T. M. S. S. Desafios do BNCC em torno do ensino de Língua Portuguesa na educação básica. REVEC – Revista de Estudos de Cultura, São Cristóvão, n. 7, p. 83-92, 2017. https://doi.org/10.32748/revec.v0i7.6557.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/.Acesso em: 30 out 2021.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/1996, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, de 23 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 30 out 2021.

BAKTHIN, M. Problemas da poética de Dostoievski. 5. ed. Tradução Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: 34, 2016.

BAKHTIN, M. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: 34, 2017.

BATISTA, Y. A.; LIMA, S. F. A. A argumentação e a formação do professor de língua materna: percursos e transformações. Miguilim – Revista Eletrônica do Netlli, Crato, v. 8, n. 2, p. 614-632, maio-ago. 2019. DOI: https://doi.org/10.47295/mgren.v8i2.2076.

CLAUDEL, C. et al. (Org.). Cultures, discours, langues: Nouveaux abordages. Limoges: Lambert-Lucas, 2013.

FRANCO, M. C. Quando nós somos o outro - Questões teórico-metodológicas sobre os estudos comparados. Educação e Sociedade, Campinas, v. XXI, n. 72, p. 197-230, 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302000000300011.

GRÁCIO, R. A. A argumentação na interação. Coimbra: Grácio Editor, 2016.

GRILLO, S. GLUSHKOVA, M. A divulgação científica no Brasil e na Rússia: um ensaio de análise comparativa de discursos. Bakhtiniana, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 69-92, maio-ago. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/2176-457323556.

GRILLO, S. V. C.; HIGASHI, A. Enunciados verbo-visuais na divulgação científica no Brasil e na Rússia: As revistas Scientific American Brasil e V Míre Nauki (No mundo da ciência). In: KOZMA, E. V. B.; PUZZO, M. B. (Org.). Múltiplas linguagens: discurso e efeito de sentido. Campinas: Pontes, 2017. p. 91-130.

GRILLO, S. V. de C. A linguística em manuais brasileiro e soviético. Alfa, rev. linguíst., São José Rio Preto, v. 64, p. 1-30, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5794-e11752.

MOIRAND, S. Des choix méthodologiques pour une linguistique de discours comparative. Langages - Ethnolinguistique de l'écrit, 26ᵉ année, n°105, p. 28-41,1992. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/lgge_0458-726x_1992_num_26_105_1622. Acesso em: 30 out 2021.

PLANTIN, C. A argumentação: história, teorias, perspectivas. Tradução: Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2008.

PRONKO, M. A. A comparação como ferramenta de conhecimento e os processos de integração supranacional: desafio para as Ciências Sociais. In: FAUSTO, A.; PRONKO, M.; YANNOULAS, Silvia. (Org.). Políticas Públicas de Trabalho e Renda na América Latina e no Caribe. Brasília: Abaré - FLACSO/Brasil, v. 1, 2003, p. 573-594.

SARDÁ, D. N. A filosofia no ensino médio no Brasil e na França. Revista Linha D´Água, v. 31, n. 3, p. 19-43, 2018. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v31i3p19-43.

SARDÁ, D. N. A análise de discursos comparativa no Brasil: uma reflexão a partir da noção de categoria. Bakhtiniana, v. 16, n. 2, p. 153–177, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/2176-457347892l.

SANTOS, Y.A.B.; TORGA, V. L. M.; CAVALCANTE FILHO, U. C. Perspectivas de uma escrita de si: análise comparativa no. Revista Linha D´Água, v. 31, n. 3, p. 191-210, 2018. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v31i3p191-210.

VON MÜNCHOW, P. L’analyse du discours contrastive. Théorie, méthodologie, pratique. Paris: Éditions Lambert-Lucas, 2021.

VON MÜNCHOW, P. Réflexions sur une linguistique de discours comparative: le cas du journal télévisé en France et en Allemagne. Tranel. Neuchâtel, p. 47-70. jun. 2004. Disponível em: http://www.unine.ch/cms/render/live/en/sites/tranel/home/tous-les-numeros/tranel-40.html. Acesso em: 30 out 2021.

VOLÓCHINOV, V. (Círculo de Bakhtin). Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução de Tradução de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo, São Paulo: 34, 2017.

Downloads

Publicado

2022-08-15

Como Citar

Alves Lima, S. F., & Santos, Y. A. B. (2022). O ensino de argumentação na Argentina e no Brasil: aproximações e distanciamentos em diretrizes curriculares. Linha D’Água, 35(2), 77-99. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v35i2p77-99