Compreensão do trabalho docente: um estudo de caso focado na reflexão sobre o ensino dos conhecimentos linguísticos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v36i2p165-186

Palavras-chave:

Ressignificações, Figuras de ação, Agir docente, Ensino de língua portuguesa, Análise linguística

Resumo

Este estudo de caso, situado no quadro teórico-epistemológico do interacionismo sociodiscursivo, objetiva testar o cofuncionamento de duas categorias de análise em pesquisas que buscam compreender o agir: ressignificações e figuras de ação. Para isso, analisa a prática de um professor de língua portuguesa do 3º ano do ensino médio a fim de mostrar como essas categorias podem contribuir para a compreensão do trabalho docente. De forma experimental, examina as ressignificações atribuídas ao atendimento da perspectiva sociointeracionista da linguagem realizadas por esse professor durante sessões de autoconfrontação simples em que refletia sobre o ensino de conhecimentos linguísticos e verifica, assim, se tais ressignificações funcionam junto às figuras de ação. Os resultados apontam para uma possível correlação entre essas duas categorias, evidenciando como conteúdo temático e marcas linguísticas podem ajudar a esclarecer o agir humano e sua apreensão.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Bruna Bandeira, Universidade NOVA de Lisboa

    Mestra em Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco (2017).
    Doutoranda em Linguística do Texto e do Discurso na Universidade NOVA de Lisboa (Portugal).

Referências

ALMEIDA, A. P. de. A atorialidade docente e a figura de ação avaliação. Veredas – Interacionismo Sociodiscursivo. v. 21, n. 3, 2017, p. 444-466. DOI: https://doi.org/10.34019/1982-2243.2017.v21.28015.

AMIGUES, R. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, A. R. (Org.). O ensino como trabalho. Uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004.

ANTUNES, I. Gramática contextualizada: limpando “o pó das ideias simples”. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

BANDEIRA, B. A prática docente no ensino médio: ressignificando os conhecimentos linguísticos. 440 f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/25357. Acesso em: 13 de jul. 2023.

BARBOSA, S. M. C.; MACHADO, V. C.; RACHMAN, V. C. B. Ressignificação da atividade docente: contribuições da autoconfrontação para a formação de professores. In: Políticas educacionais e práticas educativas. Anais eletrônicos do Congresso Internacional da Afrise e V Colóquio Nacional da Afirse – Secção Brasileira. PPGE/UFPB, 2009, p. 1-13.

BEZERRA, M. A.; REINALDO, M. A. Análise linguística: afinal, a que se refere? São Paulo: Cortez, 2013. v. 3.

BRASILEIRO, A. M. M. A autoconfrontação simples aplicada à formação de docentes em situação de trabalho. Scripta, Belo Horizonte, v. 15, n. 28, 2011, p. 205-224, 1º sem. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4316. Acesso em: 13 de jul. 2023.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sociodiscursivo. 2. ed., 2. reimpr. São Paulo: Educ, [1997] 2012.

BULEA, E. La nature dynamique des faits langagiers, ou de la ≪vie≫ chez Ferdinand de Saussure. Cahiers Ferdinand de Saussure 59, 2006, p. 5-19.

BULEA, E. Le rôle de l’activité langagière dans l’analyse des pratiques à visée formative. These de doctorat. Universite de Geneve, 2007.

BULEA, E. Linguagem e efeitos desenvolvimentais da interpretação da atividade. (E. V. L. F. Leurquin & L. L. E. R. Figueiredo trads.) Campinas: Mercado das Letras, 2010a.

BULEA, E. Nuevas lecturas de Saussure. In: RIESTRA, D. (ed.) Saussure, Voloshinov y Baktin revisitados. Estudios historicos y epistemológicos. Buenos Aires: Miño y Dávila, 2010b, p. 15-42.

BULEA, E. Tipos do discurso e interpretação do agir: o potencial de desenvolvimento das figuras de ação. (E. M. Barricelli & T. Malabarba trads.) DELTA, v. 32, n. 1, 2016, p. 189-213. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-445094464314849214.

BULEA, E.; LEURQUIN, E. V. L. F.; CARNEIRO, F. D. V. O agir do professor e as figuras de ação: por uma análise interacionista. In: BUENO, L.; LOPES, M. A. P. T.; CRISTOVÃO, V. L. L. (Orgs.). Gêneros textuais e formação inicial: uma homenagem à Malu Matêncio. Campinas: Mercado das Letras, 2013, p. 109-132.

CLOT, Y. La fonction psychologique du travail. Paris: Presses Universitaires de France, 1999.

DIONISIO, A. P. Análise da Conversação. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C.: Introdução à Lingüística 2. São Paulo: Cortez, 2001, p. 69-99.

DREY, R. F. Reflexões sobre o agir docente: o trabalho representado através da autoconfrontação. Anais do Círculo de Estudos Linguísticos do Sul (Celsul). PPGLA/Unisinos, 2008, p. 1-14. Disponível em: http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Anais/CELSUL_VIII/autoconfrontacao.pdf. Acesso em: 13 de jul. 2023.

FRANCHI, C. Criatividade e gramática. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas: v. 9, n. 9, p. 5-45, 1987. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8639037. Acesso em: 13 de jul. 2023.

FRANCHI, C. Linguagem: atividade constitutiva. In: FRANCHI, C.; FRANCHI, E., FIORIN, J. L. (orgs.). Linguagem: atividade constitutiva – teoria e poesia. São Paulo: Parábola Editorial, [1977] 2011, p. 33-74.

GERALDI, J. W. A aula como acontecimento. 2. ed. São Carlos: Pedro & João Editores, 2015.

GERALDI, J. W. (org.). O texto na sala de aula. 5 ed. São Paulo: Ática, [1984] 2011.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

GURGEL, M. C. A figuração do agir e os seus efeitos formativos: linguagem, subjetividade, ação e desenvolvimento profissional nas atividades de formação inicial de professores. 439f. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/39393. Acesso em: 13 de jul. 2023.

JOAQUIM, C. da C. Mulheres em posição de liderança: a representação discursiva do agir. Tese (Doutorado). Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2022. Disponível em: http://hdl.handle.net/10362/148133. Acesso em: 13 de jul. 2023.

JORGE, N. A interpretação do agir em relatos de alcoólicos anónimos. In: Textos Seleccionados, XXVI Encontro da Associação Portuguesa de Linguística, p. 282-296. Lisboa: APL, 2011.

LEURQUIN, V. L. F.; PEIXOTO, C. M. M. Reconfigurações do agir professoral e tomada de consciência do professor em contexto de formação continuada. Veredas – Interacionismo Sociodiscursivo. v. 21 , n. 3 , 2017, p. 261-275. DOI: https://doi.org/10.34019/1982-2243.2017.v21.28005.

LOUSADA, E. G. Textos na formação inicial de professores: o caso do relatório de estágio. In: BUENO, L.; LOPES, M. A. P. T.; CRISTOVÃO, V. L. L. (Orgs.). Gêneros textuais e formação inicial: uma homenagem à Malu Matêncio. Campinas: Mercado das Letras, 2013, p. 133-152.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MENDONÇA, M. Análise linguística no ensino médio: um novo olhar, um outro objeto. In: BUNZEN, C. e MENDONÇA, M. (Orgs.) Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, p. 199-226.

PEIXOTO, C. M. M. Representações do agir docente: análises de re-configurações do agir no discurso do professor. 218f. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6098. Acesso em: 13 de jul. 2023.

PERINI, M. A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

PERINI, M. A. Sofrendo a gramática. São Paulo: Ática, 1997.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Mercado das Letras, 1996.

POSSENTI, S. Sobre o ensino de português na escola. In: GERALDI, J. W., ALMEIDA, M. J. de et. al (Org.). O texto na sala de aula. 5 ed. São Paulo: Ática, 2011, p. 32-38.

SAUJAT, F. O trabalho do professor nas pesquisas em educação: um panorama. In: MACHADO, A. R. (Org.) O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004.

SUASSUNA, L. Ensino de análise linguística: situando a discussão. In: SILVA, A., PESSOA, A. C. e LIMA, A (Orgs.) Ensino de gramática: reflexões sobre a língua portuguesa na escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

SUASSUNA, L. Ensino de língua portuguesa: uma abordagem pragmática. São Paulo: Papirus, 1995.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 14. ed. São Paulo: Cortez, [1996] 2009.

Downloads

Publicado

2023-08-08

Como Citar

BANDEIRA, Bruna. Compreensão do trabalho docente: um estudo de caso focado na reflexão sobre o ensino dos conhecimentos linguísticos. Linha D’Água, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 165–186, 2023. DOI: 10.11606/issn.2236-4242.v36i2p165-186. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/205132.. Acesso em: 23 jul. 2024.

Dados de financiamento