Nina, Ana, a Crônica e A casa assassinada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.174128

Palavras-chave:

Paulo César Saraceni, A casa assassinada, Lúcio Cardoso, Crônica da casa assassinada, Adaptação literária

Resumo

Este artigo propõe uma breve análise do longa-metragem A casa assassinada (1971), de Paulo César Saraceni. Considerando o filme como obra autônoma e o contexto histórico que o separa do lançamento do romance que lhe serviu de base, Crônica da casa assassinada (1959), de Lúcio Cardoso, pretendemos destacar as personagens femininas Nina e Ana. Atentos à disjunção entre palavra e imagem nessa casa fechada, observaremos a maneira como os trechos das narrativas em primeira pessoa dessas personagens foram selecionados do romance e postos em cena no filme.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Livia Azevedo Lima, Universidade de São Paulo

Livia Azevedo Lima é editora de livros e pesquisadora. Formada em Produção Editorial pela Universidade Anhembi Morumbi (2010), durante a graduação realizou iniciações científicas e dedicou-se ao estudo de publicações independentes de coletivos de arte (Dulcinéia Catadora) e de arquivos públicos (Fundação Casa de Rui Barbosa - RJ). Trabalhou como assistente editorial e editora plena na Cosac Naify e, entre 2013 e 2015, foi responsável pela coordenação editorial da coleção Cinema Teatro e Modernidade, organizada pelo Prof. Dr. Ismail Xavier, e pelas demais publicações da área de cinema na editora. Foi editora-assistente da revista ZUM, do Instituto Moreira Salles entre 2017 e 2018. Colaborou como preparadora e revisora de texto freelance para Companhia das Letras, Planeta, Globo Livros, Todavia, Editora 34, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Bienal de São Paulo, e para as revistas Serrote e Novos Estudos Cebrap. Atualmente, realiza doutorado direto no Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, na linha de pesquisa História, teoria e crítica. 

Referências

A CASA ASSASSINADA. Direção: Paulo César Saraceni. Produção: Sérgio Saraceni. Brasil: Planiscope Planificações e Produções Cinematográficas Ltda, 1971. Cópia digital divulgada pelo Canal Brasil.

ARQUIVO NACIONAL. Fundo Serviço Nacional de Informações. Disponível em: http://sian.an.gov.br/sianex/consulta/login.asp. Acesso em: 23 jul. 2020.

AVELLAR, José Carlos. A face oculta: A casa assassinada, de Paulo César Saraceni, no Caruso. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 3 mar. 1972.

BEDRAN, Ângela Maria. A paixão segundo Lúcio Cardoso. In: BRANDÃO, Ruth Silviano (Org.). Lúcio Cardoso: A travessia da escrita. Belo Horizonte: UFMG, 1998, p. 134-141.

BERNADET, Jean-Claude. Cinema brasileiro: propostas para uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2014, p. 216-218.

BERNADET, Jean-Claude; REIS, Francis Vogner dos. O autor no cinema. A política dos autores: França, Brasil – anos 1950 e 1960. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Sesc, 2018.

BOSI, Alfredo. Lúcio Cardoso. In: História concisa da literatura brasileira. 39 ed. São Paulo: Cultrix, 1994, p. 413-415.

BESANÇON, Guy. Notas clínicas e psicopatológicas. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 2. ed. crítica rev. coord. por Mario Carelli. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Rio de Janeiro; Lima, ALLCA XX, 1996, p. 689-696.

CABALA, Frederico van Erven. O silêncio de Demétrio: a vontade de calar em Crônica da casa assassinada. Comunicação oral apresentada no colóquio Elegia mineira: 60 anos da Crônica da casa assassinada. Universidade de São Paulo, São Paulo, 22 nov. 2019.

CALLADO, Antonio. Cinema descobre a literatura do Brasil. Correio da Manhã, 12/8/1961. Disponível em:

http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=089842_07&pesq=%22Octavio%20de%20Faria%22&pasta=ano%20196&pagfis=21269. Acesso em 23 jul. 2020.

CARDOSO, Elizabeth. Feminilidade e transgressão: uma leitura da prosa de Lúcio Cardoso. São Paulo: Humanitas, 2013.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 2. ed. crítica rev. coord. por Mario Carelli. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Rio de Janeiro; Lima, ALLCA XX, 1996. (Col. Archivos, 18).

CARELLI, Mário. Corcel de fogo: vida e obra de Lúcio Cardoso (1912-1968). Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1988.

COSTA, Érica Ignácio da. O cinema inquieto de Lúcio Cardoso. Dissertação (Mestrado em Letras). Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná, 2016. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/48364. Acesso: 17 dez. 2020.

COUTO, José Geraldo. Festival de Brasília. Saraceni leva seu “Viajante” ao evento. Folha de S. Paulo, 16/10/1998. Disponível em:

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq16109837.htm. Acesso em 14 out. 2015.

DOANE, Mary Ann. A voz no cinema: a articulação de corpo e espaço. In: XAVIER, Ismail (Org.). A experiência do cinema: antologia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983, p. 457-475.

FRIEDMAN, Norman. O ponto de vista na ficção: o desenvolvimento de um conceito crítico. Revista USP, São Paulo, n. 53, p. 166-182, 2002. DOI: 10.11606/issn.2316-9036.v0i53p166-182. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/33195. Acesso em: 17 dez. 2020.

FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA. Inventário do Arquivo Lúcio Cardoso. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura/ FCRB, 1989.

GIRARD, René. Mentira romântica e verdade romanesca. São Paulo: É Realizações, 2009.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. À margem da vida. In: O espírito e a letra, v. 1. Org. Antonio Arnoni Prado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, p. 322-326.

JOHNSON, Randal. Ascensão e queda do cinema brasileiro, 1960-1990. Revista USP, n. 19, 1993, p. 31-49. DOI: 10.11606/issn.2316-9036.v0i19p31-49. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/26872. Acesso em: 17 dez. 2020.

LACLOS, Choderlos de. As relaçãos perigosas. Tradução de Dorothée de Bruchard. São Paulo: Penguin Companhia, 2012.

MENDES, Carolinne. Nem todas as mulheres do mundo: uma análise das personagens femininas nos filmes do Cinema Novo (1959-1969). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2020.

PASTA JR., José Antonio. O ponto de vista da morte: uma estrutura recorrente na cultura brasileira. Revista da Cinemateca Brasileira, n. 1. São Paulo: Cinemateca Brasileira, p. 6-15, 2012.

RIDENTI, Marcelo Siqueira. As mulheres na política brasileira: os anos de chumbo. Tempo Social, São Paulo, n. 2, v. 2, p. 113-28, 1990. DOI: 10.1590/ts.v2i2.84806. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ts/article/view/84806. Acesso em: 17 dez. 2020.

ROCHA, Glauber. Cartas ao mundo. Org. Ivana Bentes. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

RODRIGUES, João Carlos. A Trilogia da Paixão. In: João Paulo Saraceni (Org.). O cinema de Paulo Cezar Saraceni (catálogo). Rio de Janeiro: Caixa Cultural, 2013, p. 9-12.

SARACENI, Paulo César. Paulo César Saraceni: A crônica de “A casa assassinada”. Entrevista a José Carlos Monteiro e Marcos Ribas de Faria. Dossiê Obra literária/ Roteiro/ Filme. Filme e Cultura, ano VI, n. 20, mai.-jun., p. 34-38, 1972.

SARACENI, Paulo César. Por dentro do Cinema Novo: Minha viagem. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

SARACENI, Paulo César. Uma casa assassinada. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 2. ed. crítica rev. coord. por Mario Carelli. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Rio de Janeiro; Lima, ALLCA XX, 1996. (Col. Archivos, 18).

SANTOS, Cássia dos. Uma paisagem apocalíptica e sem remissão: a criação de Vila Velha e da Crônica da casa assassinada. Tese (Doutorado em Estudos Literários). Campinas: Unicamp/ Instituto de Estudos da Linguagem, 2005.

SCHWARZ, Lilia Moritz.; STARLING, Heloisa Murgel. No fio da navalha: ditadura, oposição e resistência. In: Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 437-66.

SILVA, Eduardo Marinho da. Trama íntima e figuração derradeira: o arranjador e a orquestração das vozes narrativas na Crônica da casa assassinada, de Lúcio Cardoso. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2020.

SOUZA, Gilda de MELLO. Diálogo e imagem n’O desafio. In: Exercícios de leitura. 2. ed. São Paulo: Duas Cidades/ Editora 34, 2009, p. 223-237.

XAVIER, Ismail. O cinema brasileiro moderno. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

XAVIER, Ismail. Do texto ao filme. In: PELLEGRINI, Tânia et. al. Literatura, cinema e televisão. São Paulo: Senac/ Instituto Itaú Cultural, 2003a, p. 61-89.

XAVIER, Ismail. Melodrama ou a sedução da moral negociada. Folha de S. Paulo, 31 mai. 1998. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs31059817.htm. Acesso em: 23 jul. 2020.

XAVIER, Ismail. O olhar e a cena: Melodrama, Hollywood, Cinema Novo, Nelson Rodrigues. São Paulo: Cosac Naify, 2003b.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Lima, L. A. (2020). Nina, Ana, a Crônica e A casa assassinada. Opiniães, (17), 127-155. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.174128

Dados de financiamento