Transações comerciais e a Alfândega do Rio de Janeiro na primeira metade do século XVII

  • Helena de Cassia Trindade de Sá Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: comércio, fiscalidade, alfândegas

Resumo

A proposta deste trabalho é analisar as relações comerciais estabelecidas na América lusa no período da União Ibérica e o papel da Alfândega neste cenário. A maior mobilidade nas fronteiras no momentoem que Portugalviveu sob o signo da Espanha favoreceu o intercâmbio entre as cidades costeiras do Brasil e Buenos Aires pela via marítima, uma vez que essas áreas estavam voltadas para o Atlântico. Deu-se dessa forma início a um tráfego regular  entre as capitanias brasileiras e a região do Rio da Prata. Assim, não apenas o porto de Salvador, mas também o do Rio de Janeiro passaram a ser entrepostos comerciais de onde partiam para aquela região  embarcações com mercadorias que tinham como destino final  o Potosí. É nesse sentido que as Alfândegas devem ser vistas como instituições essenciais para o funcionamento das engrenagens que visavam a arrecadação de impostos, a organização do comércio e o controle do contrabando, contribuindo para a montagem do aparato do sistema colonial que começava a ser implantado juntamente com  a introdução do exclusivo comercial e o incremento do tráfico de escravos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helena de Cassia Trindade de Sá, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professora da Rede Municipal da Cidade do Rio de Janeiro e doutoranda pelo PPGH-UNIRIO

Publicado
2019-04-18
Como Citar
Sá, H. (2019). Transações comerciais e a Alfândega do Rio de Janeiro na primeira metade do século XVII. Angelus Novus, 13(13), 49-71. https://doi.org/10.11606/issn.2179-5487.v13i13p49-71
Seção
Dossiê temático: Império e Colonização