Da ilusão à materialização: reflexões sobre o “estatuto ilusório” do material biográfico a partir dos estudos queer

Autores

  • Lúcio Geller Junior Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-5487.v12i17p189540

Palavras-chave:

Ilusão biográfica , Estudos queer , Historiografia , Gênero , Materialização

Resumo

A partir de diálogos estabelecidos com os estudos queer, tenho como objetivo refletir sobre um conhecido estatuto atribuído ao material biográfico pelo sociólogo Pierre Bourdieu em meados da década de 1980. Na forma de uma advertência, a chamada “ilusão biográfica” é uma noção dirigida aos intelectuais das humanidades, em que destaco o meu segmento, a historiografia, que pretendem fazer uso das histórias de vida em seus trabalhos. Por outro lado, busca assegurar um caráter “ficcional” ao discurso biográfico, interditando essa forma de representação do vivido. Nesse sentido, ao considerar que esse último aspecto não é de menor importância na hora de se apropriar desta ideia para operar, e se relacionar, com o “biográfico”, acarretando distintos “efeitos de poder”, segundo Michel Foucault, construo uma análise em dois momentos. Primeiro, examino o argumento de Bourdieu em seu ensaio, bem como em escritos posteriores e entre alguns de seus interlocutores, diante das oscilações e dos espaços ocupados pelas histórias de vida dentro e fora dos estudos humanísticos. Em seguida, sugiro algumas possibilidades de leitura a partir da filósofa Judith Butler, além de alguns de seus intérpretes, expoentes dos estudos queer; baseado em sua noção de “materialização”, com vistas a demonstrar a hipótese de que a “ilusão”, acarreta uma operação diferencial, (re)produz efeitos de poder e pode criar “desilusões”, como a ausência do “eu” na análise e na escrita biográfica

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcio Geller Junior, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Mestrando no Programa de Pós-graduação em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

ALBERTI, V. “O lugar da história oral: o fascínio do vivido e as possibilidades de pesquisa”. Ouvir contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. “O passado, como falo?: o corpo sensível como um ausente na escrita da história”. O tecelão dos tempos: novos ensaios de teoria da história. São Paulo: Intermeios, 2019.

AMARAL, V. A. do. “Beco sem saída ou ponto de partida? A ilusão biográfica e os historiadores”. Ideias, v. 8, n. 2, p. 219-241, 2017.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2016. p. 124.

ARFUCH, L. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

BENJAMIN, W. “Experiência e pobreza”. Magia e técnica, arte e política: obras escolhidas, v. 1. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BENJAMIN, W. Rua de mão única: infância berlinense. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BENTO, B. “É o queer tem pra hoje? Conversando sobre as potencialidades e apropriações da teoria queer ao Sul do Equador”. [Entrevista concedida a Felipe Padilha e Lara Facioli.] Áskesis, São Carlos, SP, v. 4, n. 1, p. 143-155, 2015.

BOURDIEU, P. “A ilusão biográfica”. AMADO, J.; FERREIRA, M. M. (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BOURDIEU, P. O desencantamento do mundo: estruturas econômicas e estruturas temporais. São Paulo: Perspectiva, 1979.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BOURDIEU, P; CHARTIER, R. “Gente com história, gente sem história: diálogo entre Pierre Bourdieu e Roger Chartier”. História Unisinos, v. 10, n. 1, p. 90-98, 2006.

BRAUDEL, F. “História e ciências sociais: a longa duração”. Escritos sobre a história. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BUTLER, J. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. São Paulo: n-1 edições, 2019.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CALDAS, P. S. P. “O conceito de evento limite: Uma análise de seus diagnósticos”. Tempo, v. 25, n. 3, p. 737-757, 2019.

CAVALHEIRO, R.; RODRIGUES, C. “Para além do embate Butler-Lacan”. Revista Cult, v. 24, n. 270, 2021.

CHAKRABARTY, D. “A Global and Multicultural ‘Discipline’ of History?”. History and Theory, v. 45, n. 1, p. 101-109, 2006.

CLOT, Y. “La otra ilusión biográfica”. Acta Sociológica, v. 1, n. 56, p. 129-134, 2011.

COSTA, P. C. “Ilusão biográfica: a polêmica sobre o valor das histórias de vida na sociologia de Pierre Bourdieu”. Revista Linhas, v. 16, n. 32, p. 51-71, 2015.

DERRIDA, Jacques. Margens da filosofia. Campinas: Papirus, 1991.

Esboço de autoanálise. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

FOUCAULT, M. “A vida dos homens infames”. Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, M. “Não ao sexo rei”. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

FOUCAULT, M. “Verdade e poder”. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

GELLER JUNIOR, Lúcio. “Anna Savitskaia: ou, como narrar uma vida na União Soviética (1964-1988)”. Aedos, v. 11, n. 25, p. 114-139, 2019.

GELLER JUNIOR, Lúcio. Os tremores da queda: memória e trajetória de Anna Savitskaia, das reformas à dissolução da URSS (1985-1992). Trabalho de conclusão de curso (Graduação em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

GINZBURG, C. “Just One Witness”. Friedländer, S. (Org.). Probing the limits of representation: nazism and the “Final Solution”. Londres: Harvard University Press, 1992.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

HABERMAS, Jürgen. “A Kind of Settlement of Damages (Apologetic Tendencies)”. New German Critique, n. 44, 1988.

HARLAN, D. “Historical fiction and the future of academic history”. JENKINS, K.; MORGAN, S.; MUNSLOW, A. (Org.). Manifestos for History. London: Routledge, 2007.

HARTOG, F. “O tempo desorientado. Tempo e história. ‘Como escrever a história da França?’”. Anos 90, v. 5, n. 7, p. 7-28, 1997.

HARTOG, F. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

HEMINGWAY, E. Adeus às armas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

HOBSBAWM, E. “Manifesto pela renovação da história”. Biblioteca Diplô, 1º dez. 2004. Disponível em: https://bit.ly/3aI91ae.

HOBSBAWM, E. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

KLEINBERG, E. “Pandering to the Timid: The Truth about Past-Truth”. Theory Revolt: Wild on Collective, 2019.

KOSELLECK, R. et al. O conceito de história. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. p. 119-135.

LEVI, G. “Usos da biografia”. AMADO, J.; FERREIRA, M. M. (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV. 2006.

LIMA, V. M. “A subversão dos desejos”. Revista Cult, v. 24, n. 270, 2021.

LORIGA, S. “O eu do historiador”. História da Historiografia, v. 5, n. 10, p. 247-259, 2012.

LUKÁCS, G. O romance histórico. São Paulo: Boitempo, 2011.

MAUSS, M. “As técnicas do corpo”. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

MISKOLCI, R. “A teoria queer e a sociologia: o desafio de uma analítica da normalização”. Sociologias, v. 11, n. 21, p. 150-182, 2009.

Nietzsche, F. Além do bem e do mal ou prelúdio de uma filosofia do futuro. Curitiba: Hemus, 2001.

NOLTE, Ernst. “O passado que não quer passar”. Novos Estudos, v. 3, n. 25, 1989.

OLIVEIRA, M. G. “A história disciplinada e seus outros: reflexões sobre as (in)utilidades de uma categoria”. AVILA, A. L.; NICOLAZZI, F.; TURIN, R. A história (in)disciplinada. Vitória: Milfontes, 2019.

OLIVEIRA, M. G. “Para além de uma ilusão: indivíduo, tempo e narrativa biográfica”. AVELAR, A. S.; SCHMIDT, B. B. (Org.). O que pode a biografia. São Paulo: Letra e Voz, 2018.

PELÚCIO, L. “Traduções e torções ou o que se quer dizer quando dizemos queer no Brasil?” Periódicus, v. 1, n. 1, p. 68-91, 2014.

PEREIRA, A. C. B. “Precisamos falar sobre o lugar epistêmico na teoria da história”. Tempo e Argumento, v. 10, n. 24, p. 88-114. 2018.

PÉREZ-BAQUERO, R. “Memory, Narrative, and Conflict in Writing the Past: When Historians Undergo Ethical and Political Strains”. História da Historiografia, v. 13, n. 32, p. 47-81, 2020.

PERLONGHER, N. O negócio do michê: a prostituição viril em São Paulo. São Paulo: Brasiliense, 1987.

POLLAK, M. “A gestão do indizível”. Revista do Instituto Cultural Judaico Marc Chagall, v. 2, n.1, 2010.

POLLAK, M. “Memória e identidade social”. Estudos Históricos: CPDOC/FGV, v. 5, n. 10, 1992.

PRECIADO, P. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

REESER, Todd. Masculinities in Theory: An Introduction. [Trad. Rodrigo de Azevedo Weimar.] Chichester: Wiley-Blackwell, 2010.

RICŒUR, P. Tempo e narrativa; 3: o tempo narrado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

ROCHA, C. B. A. “Teoria queer entre a pós-modernidade e o presentismo: um caminho crítico possível?”. Periódicus, v. 1, n. 6, p. 212-240, 2016-2017.

RODRIGUES, C. “Performance, gênero, linguagem e alteridade: J. Butler leitora de J. Derrida”. Sexualidad, Salud y Sociedad, n. 10, p. 140-164, 2012.

SANTIAGO JÚNIOR, F. C. F. “Dos lugares de memória ao patrimônio: emergência e transformação da ‘Problemática dos lugares’”. Projeto História, São Paulo, n. 52, p. 245-279, 2015.

SARLO, B. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SCHIENBINGER, L. O Feminismo mudou a ciência? Bauru, SP: Edusc, 2001.

SCHMIDT, B. B. “Biografia e regimes de historicidade”. MÉTIS: história & cultura, v. 2, n. 3, p. 57-72, 2003.

SCHMIDT, B. B. “Contar vidas em uma época presentista: a polêmica sobre a autorização prévia”. AVELAR, A. S.; SCHMIDT, B. B. (Org.). O que pode a biografia. São Paulo: Letra e Voz, 2018.

SCOTT, J. “History-Writing as Critique”. JENKINS, K.; MORGAN, S.; MUNSLOW, A. (Org.). Manifestos for History. London: Routledge, 2007. p. 19-21.

SELIGMANN-SILVA, M. “A história como trauma”. NESTROVSKI, A; SELIGMANN-SILVA, M. (Org.). Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta, 2000.

SMITH, B. Gênero e história: homens, mulheres e a prática histórica. Bauru, SP: Edusc, 2003.

SPARGO, T. Foucault e a teoria queer. Rio de Janeiro: Pazulin, 2006.

THOMPSON, E. P. “A história vista de baixo”. NEGRO, A. L.; SILVA, S. (Org.). As peculiaridades dos Ingleses e outros artigos. Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

THOMPSON, E. P. Senhores e caçadores: a origem da lei negra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. p. 339-361.

TRAVERSO, E. A melancolia de esquerda: marxismo, história e memória. Belo Horizonte: Âyiné, 2018.

WACQUANT, L. J. D. “O legado sociológico de Pierre Bourdieu: duas dimensões e uma nota pessoal”. Revista de Sociologia e Política, v. 19, p. 95-110, 2002.

WHITE, H. O passado prático. Artcultura, v. 20, n. 37, p. 9-19, 2018.

Downloads

Publicado

2022-01-04

Como Citar

Geller Junior, L. (2022). Da ilusão à materialização: reflexões sobre o “estatuto ilusório” do material biográfico a partir dos estudos queer. Revista Angelus Novus, 12(17), 189540. https://doi.org/10.11606/issn.2179-5487.v12i17p189540

Edição

Seção

Dossiê: História, Gênero & Sexualidade