Promessa ou conquista? Virgílio e a bandeira de Minas Gerais (1788-1963)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.171248

Palavras-chave:

Inconfidência Mineira, Virgílio, bandeira, éclogas, símbolo

Resumo

A Inconfidência Mineira é o único episódio do passado colonial que figura no calendário cívico brasileiro como um feriado. Além de associada à figura de Tiradentes, não por acaso oficialmente assemelhada à imagem de Cristo, a bandeira que os inconfidentes teriam esboçado acabou oficializada em 1963 na forma hoje conhecida e tornou-se outro símbolo da conjura eleita como instante fundador da emancipação nacional. Porém, o lema que a compõe – Libertas quæ sera tamen – necessitava de exame mais acurado e de uma compreensão mais precisa da intenção dos inconfidentes, em especial Alvarenga Peixoto, ao escolher esse fragmento das Éclogas de Virgílio (1.27), correntemente traduzido como “Liberdade, ainda que tardia”. Este artigo propõe outra tradução – e, portanto, nova interpretação para esse fragmento. 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Alexandre Pinheiro Hasegawa, Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

    Doutor em Letras Clássicas pela Universidade de São Paulo. Professor do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. 

  • Joaci Pereira Furtado, Universidade Federal Fluminense

    Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História Social, do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Professor do Departamento de Ciência da Informação do Instituto de Arte e Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense. 

Referências

ALCIDES, Sérgio. Estes penhascos: Cláudio Manuel da Costa e a paisagem de Minas. São Paulo, Hucitec, 2008.

ARENA, Valentina. Libertas and the Practice of Politics in the Late Roman Republic. Cambridge, Cambridge University Press, 2012.

AZEVEDO, Edeílson Matias de. Reflexões sobre a temática da Inconfidência nos livros didáticos de 5ª a 8ª séries. Monografia (Bacharelado) – Universidade Federal de Uberlândia, graduação em História. Uberlândia, 2003.

Bing, Peter. Epicurus and the iuvenis at Virgil’s Eclogue 1.42, Classical Quarterly. Cambridge: Cambridge University Press, vol. 66, fasc. 1, 2016, p. 172-179.

BRASIL. Autos de devassa da Inconfidência Mineira. Brasília/Belo Horizonte, Câmara dos Deputados/Assembleia Legislativa, 1976-1982. 10 v.

CABREIRA, Maria Alda Barbosa & RODRIGUES, André Figueiredo. Em busca de um rosto: a República e a representação de Tiradentes. São Paulo, Humanitas, 2020.

CAINELLI, Marlene. A construção dos heróis e a memória nacional entre os não letrados. História & Ensino, Londrina, v. 10, p. 5-19, out. 2004. Disponível em: <https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/847833/mod_resource/content/1/A%20constru%C3%A7%C3%A3o%20dos%20her%C3%B3is%20e%20a%20mem%C3%B3ria%20nacional%20entre%20os%20n%C3%A3o%20letrados.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2020.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1990.

CHAUI, Marilena. Manifestações ideológicas do autoritarismo brasileiro. 2. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2014.

Coleman, Robert. Vergil. Eclogues. Cambridge, Cambridge University Press, 1977.

Crifò, Giuliano. Libertas (s.v.): Riferimenti giuridici. In: DELLA CORTE, Francesco (ed.). Enciclopedia Virgiliana. Roma, Istituto della Enciclopedia Italiana, vol. 3, 1991, p. 204-205.

Cucchiarelli, Andrea (ed. e com.); TRAINA, Alfonso (trad.). Publio Virgilio Marone. Le Bucoliche. Roma, Carocci, 2012.

Curtius, Ernst Robert. Literatura Europeia e Idade Média Latina. Tradução de Teodoro Cabral e Paulo Rónai. 3ª. Edição. São Paulo, Edusp, 2013 [1948].

Dicionário da língua portuguesa composto pelo padre D. Rafael Bluteau, reformado, e acrescentado por Antonio de Moraes Silva natural do Rio de Janeiro. Lisboa, Oficina de Simão Tadeu Ferreira, 1789, v. 1.

Du Quesnay, Ian. Vergil’s First Eclogue. In: CAIRNS, Francis (ed.). Papers of the Liverpool Latin Seminar. Liverpool: Francis Cairns, vol. 3, 1981, p. 29–182.

Eckerman, Chris. Freedom and Slavery in Vergil’s Eclogue 1, Wiener Studien. Vienna: Austrian Academy of Sciences Press, vol. 129, 2016, p. 257-280.

FERNANDES, Millôr. Gastando o latim. In: FERNANDES, Millôr. Todo homem é minha caça. São Paulo, Círculo do Livro, s/d, p. 183-185.

FICO, Carlos & POLITO, Ronald. A história no Brasil (1980-1989). Ouro Preto, Editora UFOP, 1992-1994, 2 v.

FURTADO, Joaci Pereira. Uma república de leitores: história e memória na recepção das Cartas chilenas (1845-1989). São Paulo, Hucitec, 1997.

FURTADO, João Pinto. Uma república entre dois mundos: Inconfidência Mineira, historiografia e temporalidade. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, n. 42, 2001. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882001000300005>. Acesso em: 16 jun. 2020.

FURTADO, João Pinto. O manto de Penélope: história, mito e memória da Inconfidência Mineira de 1788-9. São Paulo, Companhia das Letras, 2002.

HANSEN, João Adolfo & MOREIRA, Marcello. Para que todos entendais: poesia atribuída a Gregório de Matos e Guerra – Letrados, manuscritura, retórica, autoria, obra e público na Bahia dos séculos XVII e XVIII. Belo Horizonte, Autêntica, 2013.

Hasegawa, Alexandre Pinheiro. Os limites do gênero bucólico em Vergílio: um estudo das éclogas dramáticas. São Paulo, Humanitas, 2012.

MARTINS, Paulo. Imagem e Poder: Considerações Sobre a Representação de Otávio Augusto, São Paulo, Edusp, 2011.

MAXWELL, Kenneth. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira – Brasil e Portugal (1750-1808). Trad. João Maia. 3. ed. Rio de Janeiro, Paz & Terra, 1985.

MEIRELES, Cecília. Romanceiro da Inconfidência. 4. ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1979.

MIRANDA, Sonia Regia & LUCA, Tania Regina de. “O livro didático de história hoje: um panorama a partir do PNLD”. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 24, n. 48, p. 123-144, 2004. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rbh/v24n48/a06v24n48.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2020.

MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da cultura brasileira (1933-1974). 4. ed. São Paulo, Editora 34, 2008.

OLIVEIRA, Almir Félix Batista de. O patrimônio cultural e os livros didáticos de História ou de como se constrói o sentimento de pertencimento (Brasil, 2000-2015). Tese de doutorado em história. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2016. Disponível em: <https://tede2.pucsp.br/handle/handle/12917>. Acesso em: 16 jun. 2020.

PÉCORA, Alcir. Máquina de gêneros. São Paulo, Edusp, 2001.

PÉCORA, Alcir. A musa falida. Sibila, n. 20, 2016. Disponível em: <http://sibila.com.br/critica/a-musa-falida/12349>. Acesso em: 16 jun. 2020.

PEREIRA, Mateus H. F. & PEREIRA, Andreza C. I. Tempo, Niterói, v. 16, n. 30, 2011, p. 197-220. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/tem/v16n30/a09v16n30.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2020.

POLITO, Ronald. Um coração maior que o mundo: Tomás Antônio Gonzaga e o horizonte luso-colonial. São Paulo, Globo, 2004.

PROENÇA FILHO, Domício (org.). A poesia dos inconfidentes. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1996.

Putnam, Michael Courtney Jenkins. Virgil’s Pastoral Art: Studies in the Eclogues, Princeton, Princeton University Press, 1970.

QUEIRÓZ, Silvânia. Revisando a revisão – Genocídio americano: a guerra do Paraguai, de J. J. Chiavenato. Porto Alegre, Clube de Autores, 2014.

Ribeiro, Renilson Rosa. Destemido bandeirante à busca da mina de ouro da verdade: Francisco Adolfo de Varnhagen, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e a invenção da idéia de Brasil Colônia no Brasil Império. Tese (doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Campinas, 2009. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/280821/1/Ribeiro_RenilsonRosa_D.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2020.

RODRIGUES, André Figueiredo. A fortuna dos inconfidentes: caminhos e descaminhos dos bens de conjurados mineiros (1760-1850). São Paulo, Globo, 2010.

Rosemberg, Fúlvia; BAZILLI, Chirley & SILVA, Paulo Vinícius Baptista da. Racismo em livros didáticos brasileiros e seu combate: uma revisão da literatura. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 125-146, jan./jun. 2003. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/ep/v29n1/a10v29n1.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2020.

SERNA, Jorge Antonio Ruedas de la. Arcádia: tradição e mudança. São Paulo, Edusp, 1995.

SILVA, Marcos (org.). Nelson Werneck Sodré na historiografia brasileira. Bauru, Edusc, 2001.

SOUZA, Caio César Esteves de. Alvarenga Peixoto e(m) seu tempo. Dissertação (mestrado). Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Programa de Pós-graduação em Literatura Brasileira. São Paulo, 2017.

SOUZA, Caio César Esteves de. Como ler uma obra fragmentada – apontamentos sobre o caso Alvarenga Peixoto. Tese (doutorado). Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Programa de Pós-graduação em Literatura Brasileira. São Paulo, 2019.

Souza, Laura de Mello e. O antigo e o moderno na obra de Cláudio Manuel da Costa, Revista de História. São Paulo, edição especial, 2010, p. 101-114, Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/19139>. Acesso em: 10/06/2020. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0ispep101-114.

Syme, Ronald. The Roman Revolution, Oxford, Clarendon Press, 1939.

TEIXEIRA, Ivan. Mecenato pombalino e poesia neoclássica. São Paulo, Edusp, 1999.

VALLE, Ricardo Martins. A construção da posteridade ou a gênese como ruína (um ensaio sobre Cláudio Manuel da Costa). Revista USP, São Paulo, n. 57, p. 104-121, março/maio 2003. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/33836/36569>. Acesso em: 17 jun. 2020.

VALLE, Ricardo Martins. A construção da posteridade ou a tradição para o Novo Mundo ou a gênese como ruína: um estudo sobre as Obras, de 1768, de Cláudio Manuel da Costa. Dissertação (mestrado). Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Programa de Pós-graduação em Literatura Brasileira. São Paulo, 2004.

WiRSZUBSKI, Chaim. Libertas as a Political Idea at Rome During the Late Republic and Early Principate. Cambridge, Cambridge University Press, 1968.

WISEMAN, Timothy Peter. Libertas (s.v.). In: DELLA CORTE, Francesco (ed.). Enciclopedia Virgiliana. Roma, Istituto della Enciclopedia Italiana, vol.3, 1991, p. 203-204.

ZANKER, Paul. The Power of Images in the Age of Augustus. Tradução de Alan Shapiro. Ann Arbor: University of Michigan Press, 1988 [1987].

Downloads

Publicado

2021-04-20

Edição

Seção

História, Historiografia e Memória

Como Citar

HASEGAWA, Alexandre Pinheiro; FURTADO, Joaci Pereira. Promessa ou conquista? Virgílio e a bandeira de Minas Gerais (1788-1963). Revista de História, São Paulo, n. 180, p. 1–32, 2021. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.2021.171248. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/171248.. Acesso em: 15 jun. 2024.