Modernidades teatrais no Brasil: circulação de ideias e práticas modernas entre grupos amadores e crítica teatral natalenses nos anos 1940-1960

Autores

  • Monize Oliveira Moura Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v22i2p114-140

Palavras-chave:

Historiografia do teatro brasileiro, Histórias globais do teatro, Teatro moderno, Teatro amador, Teatro natalense

Resumo

O artigo apresenta as transformações na cena teatral amadora natalense entre as décadas de 1940 e 1960, questionando como ela incorporou e propagou concepções teatrais modernas. Considera-se que a consolidação do teatro moderno no Brasil esteve relacionada, entre outras coisas, a um processo de dimensão transnacional de afirmação da ideia de um teatro de arte. A partir do cotejo entre três periódicos, observou-se: (1) a ideia de renovação teatral relacionada a montagens de textos de reconhecido valor literário e à preocupação com aspectos técnicos das encenações; (2) a recorrência à noção de teatro regional para caracterizar iniciativas de modernização cênica. Tais aspectos sugerem que Natal estava conectada, mas não de modo sincrônico, à mentalidade que dominou o campo em outras capitais.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monize Oliveira Moura, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora adjunta do curso de Licenciatura em Teatro e do Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas (PPGArC) da UFRN. Atriz graduada na Escola de Teatro da UFBA. Doutora em História pela Universidade Paris-Saclay e em Artes Cênicas pela UNIRIO (com bolsa CAPES).

Referências

ALBUQUERQUE JR., D. M. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 2011.

AZEVEDO, E. F. C. R. Preservação de documentos para a história do teatro brasileiro: teoria e prática. Sala Preta, São Paulo, v. 17, n. 2, p.151-163, dez. 2017. DOI: 10.11606/issn.2238-3867.v17i2p151-163

BALME, C. Histórias globais do teatro: modernização, esferas públicas e redes teatrais transnacionais. In: WERNECK, M. H.; REIS, A. C. (org.). Rotas de teatro: entre Portugal e Brasil. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012.

BALME, C. Building Theatrical Epistemic Communities in The Global South: Experts Networks, Philanthropy and Theatrical Studies in Nigeria 1958-1969. Journal of Global Theatre History, Munchen, v. 3, p. 3-18, 2019. DOI: 10.5282/gthj/5119.

BERNSTEIN, A. A crítica cúmplice: Décio de Almeida Prado e a formação do teatro brasileiro moderno. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2005.

BRANDÃO, T. Uma empresa e seus segredos: Companhia Maria Della Costa. São Paulo: Perspectiva; Rio de Janeiro: Petrobrás, 2009.

BRANDÃO, T. Falas de camarim: história oral e história do teatro. Sala Preta, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 151-163, dez. 2017. DOI: 10.11606/issn.2238-3867.v17i2p72-83.

BOURDIEU, P. Regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Tradução Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BOURDIEU, P. Introdução. In: A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2008.

CAMARGO, A. R. A política dos palcos: teatro no primeiro governo Vargas (1930- 1945). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

CARVALHEIRA, L. M. B. Por um teatro do povo e da terra: Hermilo Borba Filho e o Teatro do Estudante de Pernambuco. Recife: Cepe, 2011.

CHARTIER, R. Do palco à página: publicar e ler romances na época moderna séculos XVI-XVIII. Tradução Bruno Feitler. São Paulo: EdUFSCar, 2018.

FARIA, J. R. Introdução: por uma Nova História do Teatro Brasileiro. In: FARIA, J. R. História do teatro brasileiro: do modernismo às tendências contemporâneas. São Paulo: Perspectiva; Edições SESC, 2013.

FERNANDES, N. Os grupos Amadores. In: FARIA, J. R. (dir.). História do teatro brasileiro: do modernismo às tendências contemporâneas. São Paulo: Perspectiva; Edições SESC, 2013.

FERRAZ, L. M. M. C. Contribuição à história dos festivais de teatro no Brasil. Arteriais, Belém, v. 5, n. 9, pp-124-142, 2019. DOI: 10.18542/arteriais.v5i9.9821.

FONTANA, F. S. O Teatro do estudante do Brasil de Paschoal Carlos Magno. Rio de Janeiro: Funarte, 2016.

GALVÃO, C. Teatro Carlos Gomes – Teatro Alberto Maranhão: cem anos de arte e cultura. Natal: Editor, 2005.

GUINSBURG, J.; FARIA, J. R. G.; LIMA, M. A. Dicionário do teatro brasileiro: temas, formas e conceitos. São Paulo: Perspectiva, 2006.

LIMA FILHO, G. M. Gênese popular do teatro nordestino. Contraponto, Teresina, v. 8, n. 1, jan./jun. 2019. Disponível em: https://bit.ly/43kQzPx. Acesso em: 3 mar. 2023.

MACIEL, A. V. M. Das formas e das convenções: apontamentos à propósito da dramaturgia e teatro de Lourdes Ramalho. Revista Cerrados, Brasília, DF, v. 27 n. 46, 2018. DOI: 10.26512/cerrados.v27i46.19659.

MOURA, M. O. As turnês de Sarah Bernhardt no Brasil (1886, 1893, 1905): contribuições para o estudo da presença teatral estrangeira no Brasil no final do século XIX. Sala Preta, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 84-99, 2017. DOI: 10.11606/issn.2238-3867.v17i2p84-99.

MOURA, M. O. Redes de teatro no Brasil: coletivos amadores no Rio Grande do Norte e a modernização do teatro brasileiro. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 30., 2014, Recife. Anais […]. Recife: ANPUH, 2019. p. 1-13. Disponível em: https://bit.ly/3XMWwne. Acesso em: 4 mar. 2023.

OTHON, S. M. O. Vida teatral e educativa da cidade dos Reis Magos: Natal, 1727 a 1913. Natal: EDUFRN, 2003.

OTHON, S. M. O. Dramaturgia na cidade dos Reis Magos. Natal: EDUFRN, 1998.

PENNA-FRANCA, L. Teatro amador no Rio de Janeiro: associativismo dramático na construção da cidadania. Topoi, Rio de Janeiro, v. 19, n. 39, p. 95-121, 2018. DOI: 10.1590/2237-101X01903905.

PEREIRA, V. A. A musa carrancuda: teatro e poder no Estado Novo. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas,1998.

PIRES, M. História do Teatro Alberto Maranhão (1904 a 05.03.1952). Natal: Fundação José Augusto, 1980.

REIS, L. TPN – Teatro Popular do Nordeste: o palco e o mundo de Hermilo Borba Filho. Recife: CEPE, 2018.

SANTANA, J. Atuar é acreditar? – Stanislavski e americanos na Bahia dos anos 1950. In: BRANDÃO, T.; GUSMÃO, H.; ALEIXO, V. (org.). Teatro e sociedade: novas perspectivas da história social do teatro. Rio de Janeiro: 7Letras, 2021.

SANTOS, R. Natal em Cena: 150 anos de história. Natal: Trapiá, 1996.

SOUZA, H. B. Breve trajeto da formação brasileira em artes cênicas no ensino superior. Revista Moringa, João Pessoa, v. 11, n. 1 jan./jun. 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2177-8841.2020v11n1.53473.

SPINELLI, D. O. O teatro de grupo e a relação com encenadores convidados na formação, profissionalização e manutenção do Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare. 2016. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São Paulo, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3D7G2fS. Acesso em: 4 mar. 2023.

TEIXEIRA, F. W. O movimento e a linha: a presença do Teatro do Estudante e d’O Gráfico Amador no Recife, 1946-1964. Recife: Editora UFPE, 2016.

Downloads

Publicado

2023-09-21

Como Citar

Moura, M. O. (2023). Modernidades teatrais no Brasil: circulação de ideias e práticas modernas entre grupos amadores e crítica teatral natalenses nos anos 1940-1960. Sala Preta, 22(2), 114-140. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v22i2p114-140

Edição

Seção

ARTIGOS