Legado de Caim: a jornada brasileira do Living Theatre (1970-71)

Autores

  • Alessandra Vannucci Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v15i1p203-224

Palavras-chave:

Living Theatre, atos públicos, Brasil, regime militar

Resumo

Na trajetória do Living Theatre, companhia teatral de origem norte-americana, desde 1964 nômade por opção, a viagem ao Brasil de 1970 a 1971 proporcionou, por meio de experiências extremas de opressão – como a detenção –, a descoberta de novas táticas de ativismo estético-político. Focando um processo teatral que não aconteceu como espetáculo, mas provocou uma espetacular auto exposição dos dispositivos de repressão do regime militar, o artigo se propõe analisar estruturas constitutivas daquela fase da história da nação. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Vannucci, Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Letras pela PUC-Rio e professora da ECO-UFRJ e do PPGAC-UFRJ

Referências

ALMEIDA, M. Conversas com Zé Celso. São Paulo: Imprensa Oficial, 2012.

BARRUCC, R. O sonho de um teatro vivente: o Living Theatre. Revista Artefato, p. 333-345. Disponível em: <http://issuu.com/rizoma.net/docs/artefato>. Acesso: 19 jun. 2015.

BARTHES, R. Sade, Fourier, Loyola. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BATAILLE, G. O erotismo. São Paulo: Autêntica, 2011.

BECK, J.; MALINA, J. L’eredità di Caino. Torino: Centro di Documentazione Anarchica, datilografado, s/d.

BECK, J.; MALINA, J. The legacy of Cain in Brazil, a favela play, 8.12.1970, datilografado. Favela Project, n. 1: Bolo de Natal para o Buraco Quente e o Buraco Frio [Arquivo “Living Theatre” do NEPAA/UNIRIO].

BECK, J. La vita del teatro. L’artista e la lotta del popolo. Torino: Einaudi, 1975.

BECK, J. Cadernos de trabalho manuscritos. “Living Theatre” Records, Beinecke Manuscript Library, Yale University.

BEY, H. The temporary autonomous zone. In: ______. Hakim Bey and Ontological Anarchy. The Writings of Hakim Bey. Disponível em: <http://hermetic.com/bey/taz3.html#labelTAZ>. Acesso: 19 jun. 2015.

BINER, P. The Living Theatre. Bari: De Donato, 1968; Nova York: Horizon, 1972.

BONITO OLIVA, A. (Org.). Living Theatre. Labirinti dell’immaginario. Catálogo. Napoli: Morra, 2003

DE CERTEAU, Michel. La prise de parole et autres écrits politiques. Paris: Seuil, 1994.

DELEUZE, G. Sacher-Masoc. O frio e o cruel. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

FANON, F. I dannati della terra. Torino: Einaudi, 1962.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I. A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

FREYRE, G. Casa-grande & senzala. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2002.

GIRARD, R. La violenza e il sacro. Milano: Adelphi, 1992.

HALL, S. Hippies: una contra-cultura. Barcelona: Anagrama, 1970.

KAMINSKI, L. F. Por entre a neblina. O Festival de Inverno de Ouro Preto e a experiência histórica dos anos 70. Dissertaçao (Mestrado). Programa de Pós-Graduaçao em História da Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2012.

LACAN, Jacques. Il rovescio della psicoanalisi. Seminari, XVII. Torino: Einaudi, 2001.

LIGIÉRO, Z. The Living Theatre no Brasil. ArtCultura, Uberlândia, v. 1, n. 1, jan. 1999.

LOPES, A. L. Living Theatre: trajetória de uma impossibilidade. Revista Folhetim, v. 4, maio 1999.

LEMOS, V. Gracias Señor: análise de uma proposta para a atuação. Dissertação (Mestrado em Teatro) – Programa de Pós-Graduaçao em Teatro, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000

LOPES DA SILVA, F. Freyre & Foucault: Casa-grande & Senzala como microfísica do poder. Revista de História e Estudos Culturais, vol. 3, n. 3, ano III, jul./ago./set. 2006.

MALINA, J. Diário. O Living Theatre em Minas Gerais. Belo Horizonte: Arquivo Público Mineiro, 2008.

MALINA, J. The enormous despair. Diary of Judith Malina, August 1968 to April 1969. New York: Random House, 1972.

MALINA, J. Diários e desenhos manuscritos. Living Theatre Records, Beinecke Manuscript Library, Yale University.

MALINA, J. Entrevista com Zeca Ligièro, Nova York, 1991, datilografada [Arquivo do NEPAA/UNIRIO].

MALINA, J. Palestra dramática para o Forum das Letras de Ouro Preto, 2011, datilografada [arquivo pessoal].

MALINA, J. Entrevista com Maíra Lana e Pedro de Grammont, Nova York, 2012, datilografada. In: LANA, M. Living Theatre em mo[vi]mento. Qualificação (Mestrado em Teatro). Programa de Pós-Graduaçao em Teatro, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

MALINA, J.; BECK, J. Paradise now: a colletive creation of The Living Theatre written down by J.Malina and J. Beck. New York: Random House, 1971.

MARTINEZ CORRÊA, J. C. Primeiro Ato. São Paulo: Editora 34, 1998.

MIGNON, P. Jean-Louis Barrault. Le théâtre total. Monaco: Éditions du Rocher, 1999.

Paradise Now: notes. The Drama Review, vol. 13, n. 3, primavera de 1969.

PASOLINI, P. P. Trasumanar e organizzar. Milão: Garzanti, 1971.

QUADRI, F. Beck e Malina. Il lavoro del Living (1952-1969). Milão: UBULIBRI, 1982.

SILVESTRO, C. (Org.). The Living Book of the Living Theatre. Nova York: Graphic Society, 1971.

TYTELL, J. The living theatre. Art exile and outrage. Nova York: Grove Press, 1995.

TROYA, I. (Org.). Fragmentos da vida do Living Theatre. 25º Festival de Inverno da UFMG, Ouro Preto, Imprensa Universitária, 1993.

VALENTI, C. Storia del Living Theatre. Conversazioni com Judith Malina. Milão: Eleuthera, 1995.

Downloads

Publicado

2015-07-02

Como Citar

Vannucci, A. (2015). Legado de Caim: a jornada brasileira do Living Theatre (1970-71). Sala Preta, 15(1), 203-224. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v15i1p203-224

Edição

Seção

EM PAUTA