Características clínicas de usuários abusivos de substâncias psicoativas internados em Unidade de Terapia Intensiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606//issn.1806-6976.smad.2020.158506

Palavras-chave:

Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias, Usuários de Drogas, Unidades de Terapia Intensiva, Comorbidade

Resumo

Objetivo: descrever as causas de internação e comorbidades de pacientes com diagnóstico de abuso/dependência de substâncias psicoativas internados em Unidade de Terapia Intensiva. Método: estudo retrospectivo, descritivoexploratório, transversal e quantitativo. Resultados: pesquisaram-se 865 prontuários entre 2012 e 2015, e a prevalência de uso de substâncias foi de 51,9%. Destes, 22% são usuários de álcool e 48,7%, de tabaco. Entre os usuários com dependência diagnosticada, as principais causas de internação encontradas foram doença pulmonar obstrutiva crônica (100%) e hemorragia digestiva (84%), e a maioria dos pacientes apresentou mais do que uma comorbidade simultaneamente. Conclusão: os resultados apontaram inúmeras causas de internação e comorbidades que demonstraram o comprometimento físico e psíquico
que pode estar relacionado ao consumo excessivo de substâncias psicoativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Botelho Pereira, Universidade Federal de Pelotas

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas

Karine Langmantel Silveira, Dda, Universidade Federal de Pelotas

Doutoranda do Programa de Pós Graduação da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Bolsista CAPES Demanda Social. Mestre em ciências pelo Programa de Pós Graduação da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), ano de conclusão: 2017. Enfermeira formada na turma 2014/01 da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Membro do grupo de Saúde Mental da Faculdade de Enfermagem. Formação acadêmica com ênfase na área de conhecimento de Saúde mental e saúde coletiva.

Carla Luciane dos Santos Borges, Dda, Prefeitura Municipal de Pelotas

Enfermeira, graduada pela Universidade Federal de Pelotas (2000); Possui Licenciatura Plena em Enfermagem. Especialista em Gerenciamento dos Cuidados em Enfermagem pela Universidade de Caxias do Sul (UCS-2002); Especialista em Saúde da Família e Comunidade (EAD) pelo Hospital Italiano de Buenos Aires (2007); Mestre em Ciências pela UFPEL (2012); Doutoranda em Enfermagem (UFPEL-2016).

Michele Mandagará de Oliveira, Dra, Universidade Federal de Pelotas

Graduada em Enfermagem e Obstetrícia e Licenciada pela Universidade Federal de Pelotas (2001), Mestrado em Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2003), realizou Estágio no Exterior (Doutorado Sanduíche) no Departamento de Medicina Social da Faculdad de Medicina da Universidad Autonoma de Madrid (2007) e Doutorado em Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: Atenção Primária à Saúde, Cuidado de Enfermagem, Saúde Mental, Álcool, crack e outras drogas. Professor Adjunto do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas. Atualmente é Coordenadora do Colegiado de Curso de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas. É professora efetiva do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas. Coordenadora do Projeto de Pesquisa "Perfil dos usuários de crack e padrões de uso" Edital MCTi/CNPq 41-2010

Referências

Nascimento LTR, Souza J, Gaino LV. Relacionamento entre familiar e usuário de álcool em tratamento em um centro de atenção psicossocial especializado. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(3): 834-41. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015003610013

Silva ER, Ferreira ACZ, Borba LO, Kalinke LP, Nimtz MA, Maftum MA. Impacto das drogas na saúde física e mental de dependentes químicos. Cienc Cuidado Saúde. 2016 Jan/Mar; 15(1):101-8. doi: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v15i1.27137

Barbosa MB, Pereira CV, Cruz DT, Leite ICG. Prevalência e fatores associados ao consumo de álcool e de tabaco em idosos não institucionalizados. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2018;21(2):125-35. http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562018021.170185

Garcia LP, Freitas LRS. Consumo abusivo de álcool no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 24(2): 227-237. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000200005

Geary T, O’Brien P, Ramsay S, Cook B. Scottish Intensive Care Trainees Audit Share Group. A national servisse evaluation of the impacto of alcohol on admissions to Scottish Intensive Care Units. Anaesthesia. 2012 Oct; 67 (10): 1132-7. doi: https://doi.org/10.1111/j.1365-2044.2012.07233.x

Marques AP, Montilla DER, Almeida WS, Andrade CLT. Internação de idosos por condições sensíveis a atenção primária à saúde. Rev Saúde Pública. 2014;48(5): 819-26. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005133

Fröhlich S, Murphy N, Kong T, Ffrench-O’Carroll R, Conlon N, Ryan D et al. Alcoholic liver Disease in the intensive care unit – outcomes and predictors of prognosis. J Crit Care. 2014; 29 (6): 1137.e7-1131.e13. doi: https://doi.org/10.1016/j.jcrc.2014.06.002

Williams R, Aspinall R, Bellis M, Camps-Walsh G, Cramp M, Dhawan A, et al. Addressing liver disease in the UK: a blueprint for attaining excellence in health care and reducing premature mortality from lifestyle issues of excess consumption of alcohol, obesity, and viral hepatites. Lancet. 2014;384: 1953-97. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(14)61838-9

OPAS Brasil – Organização Pan-Americana da Saúde. Folha informativa – álcool. Brasília; 2019. [Acesso 5 jul 2019]. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5649:folha-informativa-alcool&Itemid=1093

Santos RB. Prevalência e fatores associados à infecção pelo hiv entre usuários de drogas lícitas e ilícitas. Dissertação [Mestrado Ciências da Saúde]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2014. URL: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17744

O’Brien JM Jr, Lu B, Ali NA, Martin GS, Aberegg SK, Marsh CB et al. Alcohol dependence is independently associated with sepsis, septic shock and hospital mortality among adult intensive care unit patients. Crit Care Med. 2007; 35 (2): 345-50. doi: https://doi.org/10.1097/01.CCM.0000254340.91644.B2

Danieli RV, Ferreira MBM, Nogueira JM, Oliveira LNC, Cruz EMTN, Araújo Filho GM. Perfil sociodemográfico e comorbidades psiquiátricas em dependentes químicos acompanhados em comunidades terapêuticas. J Bras Psiquiatr. 2017;66(3):139-49. doi: 10.1590/0047-2085000000163

Capistrano FC, Ferreira ACZ, Silva TL, Kalinke LP, Maftum MA. Perfil sociodemográfico e clínico de dependentes químicos em tratamento: análise de prontuários. Esc Anna Nery. 2013; 17 (2):234-41. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452013000200005

Sousa MNA, Cavalcante AM, Sobreira REF, Bezerra ALD, Assis EV, Feitosa ANA. Epidemiologia das internações em unidade de terapia intensiva. C&D Rev Eletrôn Fainor. (Vitória da Conquista). 2014;7(2):178-86. Disponível em: http://srv02.fainor.com.br/revista/index.php/memorias/article/view/288

Murakami FM, Yamaguti WP, Onoue MA, Mendes JM, Pedrosa RS, Maida ALV et al. Evolução funcional de pacientes graves submetidos a um protocolo de reabilitação precoce. Rev Bras Ter Intensiva. 2015;27(2):161-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v27n2/0103-507X-rbti-27-02-0161.pdf

Ventura CAA. Determinantes Sociais de Saúde e o uso de drogas psicoativas. SMAD - Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas. 2014; 10(3): 110. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.1806-6976.v10i3p110-110

Publicado

2020-04-30

Como Citar

Pereira, G. B., Silveira, K. L., Borges, C. L. dos S., & Oliveira, M. M. de. (2020). Características clínicas de usuários abusivos de substâncias psicoativas internados em Unidade de Terapia Intensiva. SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool E Drogas (Edição Em Português), 16(2), 34-41. https://doi.org/10.11606//issn.1806-6976.smad.2020.158506

Edição

Seção

Artigo Original