A percepção dos trabalhadores de saúde mental sobre a atuação do redutor de danos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2021.165211

Palavras-chave:

Saúde mental, Serviços de saúde mental, Redução do dano, Assistência à saúde, Integralidade em saúde

Resumo

Objetivo: conhecer a percepção dos trabalhadores sobre a atuação do redutor de danos em um Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras drogas (CAPSad), assim colaborando com a problematização e transformação da realidade do cuidado aos usuários de álcool e outras drogas. Método: trata-se de uma pesquisa qualitativa e exploratória, de caráter descritivo, realizada com profissionais de um CAPSad da cidade de Sant’Ana do Livramento por meio da técnica de Grupo Focal Narrativo (GFN). Para realizar a análise dos dados, o conteúdo foi transformado em narrativa de grupo. Resultados: apontou-se a discussão frente à percepção da figura do redutor de danos e sua inter-relação no cotidiano da clínica em saúde mental, apresentando potências e desafios. Conclusão: evidencia-se a importância do papel que a redução de danos ocupa no âmbito da Reforma Psiquiátrica Brasileira. A figura do redutor de danos no serviço é de que este profissional tem como capacidade a criação de vínculos, realização de um acolhimento efetivo e que pode auxiliar na desconstrução do estigma que o usuário de substâncias sofre perante a sociedade, sendo uma ferramenta potente para a construção e transmutação na vida das pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Fernandes Leal, Universidade Federal do Pampa

Possui Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Pampa (2016), Especialização em Saúde Mental Coletiva na modalidade de Residência Multiprofissional (2018/2020). Especialização em Saúde da Família em andamento. Atuação como bolsista do Programa de Educação Tutorial Práticas Integradas em Saúde Coletiva - PET PISC e do Programa de Educação para o trabalho na Saúde e na Atenção Básica (PET Saúde Redes de Atenção). 

Vanessa Alvez Mora da Silva, Unversidade Federal do Pampa

Docente no Curso de Medicina da Universidade Federal do Pampa- UNIPAMPA. Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal de Pelotas (2008), Especialista em saúde coletiva (UNIFRA- 2011) e Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Pelotas (2013). Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Enfermagem ( UFRGS). Docente e tutora no Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Mental Coletiva (UNIPAMPA). Membro do Núcleo de Pesquisa, ensino e extensão em doenças infectocontagiosas- NUPEEDIC.

Luana Ribeiro Borges, Unversidade Federal do Pampa

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Pelotas (2008), especialização em Saúde da Família pela Unifesp (2012) e mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (2014). Atualmente é professor adjunto I do magistério superior da Universidade Federal do Pampa e Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFPel. 

Sandra Beatris Diniz Ebling, Unversidade Federal do Pampa

Graduada em Enfermagem pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões URI-Campus Santo Ângelo/RS (2005). Especialista em Saúde da Família pela Faculdade Internacional de Curitiba Facinter (2006), Especialista em Saúde Coletiva com Ênfase na Saúde da Mulher pela URI Campus Santo Ângelo (2009), Especialista em Enfermagem Obstétrica pela UNIFRA (2015) e Mestre em Educação nas Ciências pela UNIJUÍ (2011). Doutora em Enfermagem pelo Programa de Pós-graduação da Universidade Federal do Rio Grande (2019) - Conceito 5 na CAPES. Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Família, Enfermagem e Saúde (GEPEFES) - FURG. 

Aline Ost dos Santos, Unversidade Federal do Pampa

Possui especialização em Atenção Domiciliar (2016), em Saúde Pública com ênfase em Saúde da Família (2016), em Saúde Mental (2018) e em Rede de Atenção Psicossocial em Enfoque em Centro de Atenção Psicossocial (2018). Preceptora do Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Mental Coletiva (UNIPAMPA)

Referências

Machado AR, Santos DC, Santos MP, Nogueira RC. Políticas públicas para uso prejudicial de álcool e outras drogas: avanços e retrocessos. In: Machado AR, Santos DC, Santos MP, Nogueira RC. Políticas públicas para uso prejudicial de álcool e outras drogas: avanços e retrocessos. Belo Horizonte: ESP-MG; 2018. p. 37-43.

Oliveira LG, Nappo SA. Caracterização da cultura de crack na cidade de São Paulo: padrão de uso controlado. Rev Saúde Pública. [Internet]. 2008;42(4):664-71. [Acesso 7 out 2019]. Disponível em: http://www.scielo.ebr/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102008000400012&lng=en. doi: 10.1590/S0034-89102008005000039.

Tisott ZL, Hildebrandt LM, Leite MT, Martins RV, Cosentino SF. Álcool e outras drogas e a implantação da política de redução de danos no Brasil: revisão narrativa. Rev Atenção Saúde. 2015;13(43):79-89. doi: https://doi.org/10.13037/rbcs.vol13n43.2730

Souza, TPA. Norma da abstinência e o dispositivo “drogas”: direitos universais em territórios marginais de produção de saúde (perspectivas da redução de danos). Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2013. Tese [Doutorado]. [Internet]. [Acesso 6 nov 2019]. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000908456

Almeida AS, Adamy PE, Siqueira E, Soares J, Cabral KV, Charao RB, et al. Percursos da Redução de Danos no Rio Grande do Sul. In: Fagundes S, Amorim A, Righi Heinzelmann R, organizadores. Atenção básica em produção: tessituras do apoio na gestão estadual do SUS. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2014. p. 201-15. Disponivel em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/108866/000949575.pdf?sequence=1

Souza Satila EF, Mesquita CFB, Sousa FSP. Abordagem na rua às pessoas usuárias de substâncias psicoativas: um relato de experiência. Saúde Debate. [Internet]. 2017 mar [Acesso 8 out 2019]; 41(112):331-9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042017000100331&lng=en. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711226.

Costa BA, Telles TCB. O processo de escuta na redução de da nos: contribuições de Rogers e Kierkegaard. Rev Abordagem Gestalt. [Internet]. 2017;23(1):74-83. [Acesso 8 out 2019]. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672017000100009&lng=pt&nrm=iso>.

Wandekoken, KD, Siqueira MM de. Aplicação do Processo de Enfermagem a usuário de crack fundamentado no modelo de Betty Neuman. Rev Bras Enferm. 2014;67(1):62-70. doi: http://dx.doi.org/10.5935/0034-7167.20140008.

Tisott, ZL, Terra MG, Hildebrandt LM, Soccol KL, Souto VT.. Motivos da ação do redutor de danos junto ao usuário de drogas: um estudo fenomenológico. Rev Gaúcha Enferm. 2019; 40: e20180062. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180062.

Nardi HC, Rigoni RQ. Mapeando programas de redução de danos da Região Metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública 2009; 25(2):382-92. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000200017.

Silveira RM da, D’Tôlis POAO. Impactos da Ação de Agentes Redutores de Danos segundo Profissionais da Rede SUS. Rev Abordagem Gestáltica - Phenomenological Studies. [Internet]. 2016 [Acesso 12 jun 2020];22(1):79-88. Disponivel em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v22n1/v22n1a10.pdf

Decreto Nº 9.761, de 11 de abril de 2019 (BR). Aprova a Política Nacional sobre Drogas. Diário Oficial da União: seção 1-Extra. [Internet]. Brasília, DF, Edição: 70-A, n. 8, p. 7. [Acesso 30 nov 2019] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9761.htm.

Minayo MCS. O Desafio da Pesquisa Social. In: Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 30 ed. Petrópolis: Vozes; 2011. p. 9-29.

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7. ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Munaretto LF, Corrêa HL, Cunha JAC. Um estudo sobre as características do método delphi e de grupo focal, como técnicas na obtenção de dados em pesquisas exploratórias. Rev Adm UFSM. (Santa Maria) 2013;6(1):9-24. doi: 10.5902/198346596243

Guba EG, Lincoln YS. Avaliação de Quarta Geração. Campinas: Editora da Unicamp; 2011. 318 p.

Ayres JRCM. Cuidado: trabalho e interação nas práticas de saúde. Rio de Janeiro: CEPESC - IMS/UERJ - ABRASCO; 2011. 284 p.

Borges, LR. Sobre autonomias dirigidas e vestígios do passado: repercussões da gestão autônoma de medicamentos nas narrativas de trabalhadores da atenção básica. Dissertaçãso [mestrado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2014. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/313045/1/Borges_LuanaRibeiro_M.pdf

Machado LV, Boarini ML. Políticas sobre drogas no Brasil: a estratégia de redução de danos. Psicol Ciênc Profissão. 2013;33(3):580-95. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932013000300006.

Petuco DRS, Medeiros RG. Saúde Mental, Álcool e outras Drogas. Contribuição à IV Conferência Nacional de Saúde Mental – Intersetorial. [Internet]. 2010. [Acesso 13 nov 2019]. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/9808-saude-mentalalcool- e-outras-drogas-contribuicao-a-iv-conferencia-nacional-de-saude-mentalintersetorial.

Carvalho B, Dimenstein M. Análise do discurso sobre redução de danos num CAPSad III e em uma comunidade terapêutica. Temas Psicol. [Internet]. 2017 [Acesso 6 nov 2019], 25(2):647-60. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2017000200013&lng=pt. doi: http://dx.doi.org/10.9788/TP2017.2-13.

Souza SL, Melo LG. Acolhimento aos usuários de crack de um Centro de Atenção Psicossocial: os sentidos atribuídos pelos trabalhadores. SMAD, Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.) 2015;11(4):181-9. doi: 10.11606/issn.1806-6976.v11i4p181-189.

Silva AB, Pinho LB, Olschowsky A, Siniak DS, Nunes CK. O cuidado ao usuário de crack: estratégias e práticas de trabalho no território. Rev Gaúcha Enferm. [Internet]. 2016 [Acesso 13 jun 2020]; 37(spec):e68447. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472016000500404&lng=en.

Petuco DRS. Redução de danos: das técnicas à ética do cuidado. In: Ramminger T, Silva M, organizadores. Mais substâncias para o trabalho em saúde com usuários de drogas. Porto Alegre: Rede Unida; 2014. p. 133-48.

Scheffer AM, Antunes N, Büchele F. Redução de danos como estratégia de trabalho junto aos usuários de drogas nas unidades locais de saúde do Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente, Município de Florianópolis. Cad Bras Saúde Mental. [Internet]. 2011. [Acesso 15 out 2019];3(7):73-92. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/68629.

Anjos FNC dos, Souza AMP de. A percepção sobre o trabalho em equipe multiprofissional dos trabalhadores de um Centro de Atenção Psicossocial em Salvador, Bahia, Brasil. Interface. (Botucatu) 2017;21(60):63-76. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0428.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. 176 p.

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Leal, D. F., Silva, V. A. M. da ., Borges, L. R., Ebling, S. B. D., & Santos, A. O. dos. (2021). A percepção dos trabalhadores de saúde mental sobre a atuação do redutor de danos. SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool E Drogas (Edição Em Português), 17(1), 66-74. https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2021.165211