O processo de trabalho nos Centros de Atenção Psicossocial na perspectiva dos gestores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2022.178209

Palavras-chave:

Serviços de Saúde Mental, Avaliação de Serviços de Saúde, Serviços Comunitários de Saúde Mental

Resumo

Objetivo: analisar o processo de trabalho dos profissionais dos Centros de Atenção Psicossocial e identificar os aspectos que possam contribuir na produção de saúde ou de adoecimento dos trabalhadores. Método: pesquisa de natureza qualitativa realizada com as gestoras de onze Centros de Atenção Psicossocial de um município de grande porte no interior de São Paulo. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada audiogravada. Para a análise dos dados, utilizou-se a Análise de Conteúdo Temática. Resultados: da análise das falas foram identificadas duas categorias
temáticas: “O Trabalho Vivo no Centro de Atenção Psicossocial: construção coletiva de uma clínica de laços e afetos” e “O
desgaste e sofrimento experienciados por meio do trabalho”. Evidenciaram-se sentimentos satisfação dos trabalhadores
com seu trabalho, relacionados à possibilidade de ofertar cuidados a partir da singularidade dos casos. Também houve
relatos de situações falta de reconhecimento, processos de trabalho burocratizados e sobrecarga mental. Conclusão: a
maior potência do trabalho nos Centros de Atenção Psicossocial é a intensa rede de relações interpessoais existentes. Portanto, o fortalecimento dessa rede é um importante promotor de cuidado entre a equipe multiprofissional e um dispositivo a ser constantemente desenvolvido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Presidência da República (BR). Lei nº 10.216, de 6 abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. [Internet]. Diário Oficial

da União, 9 abr. 2001 [Acesso 22 abr 2021]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/

l10216.htm

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica: Saúde Mental. [Internet]. Brasilia: Ministério da Saúde; 2013 [Acesso 22 abr 2021]. Disponível em:https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_34_saude_mental.pdf

Almeida DT, Arruda AE. Fronteiras permeáveis e suas implicações no cuidado em Saúde Mental: a experiência de um serviço aberto e territorial. Pesqui Prát Psicossociais. [Internet]. 2019 [Acesso 22 abr 2021];14(2):1-12. Disponível em: http://pepsic. bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082019000200003&lng=pt&tlng=

Pinho LB, Kantorski LP, Wetzel C, Schwartz E, Lange C, Zillmer JGV. Avaliação Qualitativa do Processo de Trabalho

em um Centro de Atenção Psicossocial no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2011;(30):354-60.

Borges KCSS, Rodrigues JM, Gonçalves LLM, Souza PCS, Souza TP, Lamy ZC. O Cuidado nos CAPS numa Região de Saúde Maranhense. Rev Polis Psique. 2018;8(1):92-111.doi: https://dx.doi.org/10.22456/2238-152X.80420

Clementino FS, Miranda FAN, Martiniano CS, Marcolino EC, Pessoa JM Júnior, Fernandes NMS. Avaliação da satisfação e sobrecarga de trabalho dos trabalhadores dos Centros de Atenção Psicossocial. Rev Fund Care Online. 2018;10(1):153-9. doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v10i1.153-159

Minayo MCS, Deslandes SF, Cruz O Neto, Gomes R, organizadores. Pesquisa Social: teoria, método e

criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes; 2016. 95 p.

Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011. 279 p.

Glanzner CH, Olschowsky A, Prado Kantorski L. O Trabalho Como Fonte de Prazer: Avaliação da Equipe de um Centro de Atenção Psicossocial. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(3):716-21. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342011000300024

Ferrer AL, Onocko-Campos R. O trabalho nos Centros de Atenção Psicossocial de Campinas, SP: um estudo hermenêutico-narrativo sobre o sofrimento psíquico dos trabalhadores. Cad Bras Saúde Mental. 2009;1(2):9-22.

doi: https://doi.org/10.5007/cbsm.v1i2.68471

Almeida SA, Merhy EE. Micropolítica do Trabalho Vivo em Saúde Mental: Composição por Uma Ética Antimanicomial em Ato. Psicol Política. 2020;20(47):65-75.

Kolhs M, Olschowsky A, Ferraz L, Kolhs M, Olschowsky A, Ferraz L. Suffering and Defense in Work in a Mental

Health Care Service. Rev Bras Enferm. 2019;72(4):903-9.doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0140

Campos RO, Baccari IP. A intersubjetividade no cuidado à Saúde Mental: narrativas de técnicos e auxiliares

de enfermagem de um Centro de Atenção Psicossocial.Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(4):2051-8. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000400004

Moreira AS, Lucca SR. Psychosocial factors and Burnout Syndrome among mental health professionals.

Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2020;28:e3336. doi:https://doi.org/10.1590/1518-8345.4175.3336

Vargas D, Oliveira MAF, Duarte FAB. Psychosocial Care Center for Alcohol and Drugs (CAPS ad): Nursing Insertion

and Practices in São Paulo City, Brazil. Rev. Latino-Am.Enfermagem. 2011;19(1):115-22. doi: http://dx.doi.

org/10.1590/S0104-11692011000100016

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 4ªed. São Paulo: Hucitec; 2014. 192 p.

Pinho ES, Souza ACS, Esperidião E. Working Processes of Professionals at Psychosocial Care

Centers (CAPS): an Integrative Review. CiêncSaúde Coletiva. 2018;23:141-52. doi: https://doi.org/10.1590/141381232018231.08332015

Lancman S, Sznelwar L. Christophe Dejours: da

Psicopatologia à Psicodinâmica do Trabalho. Rio de

Janeiro: Editora da Fiocruz; 2011.

Publicado

2022-06-09

Como Citar

Zanatta, A. B., Gonçalves, L. L. M., & Lucca, S. R. de . (2022). O processo de trabalho nos Centros de Atenção Psicossocial na perspectiva dos gestores. SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool E Drogas (Edição Em Português), 18(1), 68-76. https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2022.178209

Dados de financiamento