Cabeçalho do site
Bem-vindo
Esqueci minha senha

O papel da Fulla, a boneca muçulmana, na formação da personalidade de meninas islâmicas

Boneca Fulla. Reprodução

A boneca mais famosa do mundo é a Barbie americana, conhecida e muito vendida no Ocidente, mas não no mundo todo. O Oriente Médio, por exemplo, é fã de uma boneca em especial, a Fulla, tida como a Barbie muçulmana. A Barbie tradicional é um dos produtos representantes da cultura ocidental de hoje que institui um padrão de beleza feminina cultuando a mulher de aparência jovial, usando roupas chamativas e sensuais, de preferência loira de olhos claros. Já a Fulla é o avesso da americana, já que caracteriza a jovem muçulmana, a morena com traços árabes, trajando roupas que cobrem o corpo, véu para esconder os cabelos e às vezes o rosto todo.

O artigo da revista Signos do Consumo analisa a influência da religião islâmica na formação da personalidade infantil, já que “mais do que uma boneca ou uma marca, Fulla representa o contexto cultural no qual a menina, público consumidor do produto, está inserida, reforçando os códigos religiosos e de conduta“. A marca Fulla reflete os costumes, hábitos e comportamentos islâmicos, e com a finalidade de realizar seu objetivo, a autora traça um perfil histórico da cultura e da sociedade islâmicas, para introduzir a boneca Fulla como representante de todo um universo infantil muçulmano. A palavra Islã significa “submissão à Vontade de Deus e Obediência à Sua lei“. O seguidor do Islã é um muçulmano que, submetendo-se à vontade de Deus, em árabe, Allah, encontra a paz e a felicidade.

O Islamismo, se não restringe raças ou culturas, também não dissocia religião e política, fé e moral. O muçulmano tem o Alcorão como livro sagrado, que contém as palavras de Allah reveladas por Anjo Gabriel, a Maomé, considerado o “profeta final“. “Toda a lei do Islã está no Alcorão. E o Alcorão abrange toda a vida da pessoa. Nada escapa à religião” . Embora a adaptação da sociedade islâmica ao Alcorão não seja tão simples no mundo de hoje, principalmente em relação à mulher, a autora faz questão de ressaltar que, em sua origem, o Islã não estabelece diferenças entre homens e mulheres, “concebendo-os como seres iguais“, “porém, a forma fundamentalista da religião, bem como suas influências territoriais e culturais distorcem as palavras do Alcorão no que se refere à mulher, sendo responsável por crimes, humilhações e violência contra elas“!

Para introduzir a boneca Fulla no tema, a autora chama a atenção para uma atividade comum a toda criança e que comporta, além de outros conceitos, um instrumento de aprendizagem e educação – o brincar. Brincar é conhecimento, é incentivo à criatividade e ao lúdico, fatores inerentes a uma efetiva aprendizagem, além de serem meios de firmarem-se vínculos sociais, desenvolvendo o potencial intelectual, social, físico e emocional das crianças. “As culturas ocidental e oriental divergem em uma série de questões, mas a brincadeira infantil possibilita, ao fiel de qualquer religião, as mais variadas trocas e integrações com o meio“. Brincar é trocar experiências com o outro, na expressão dos valores e características de uma cultura.

Hoje, em uma sociedade de consumo, o “ter” molda a identidade dessas crianças que são alvo fácil da publicidade, na campanha de aquisição de produtos que “prometem” a convivência social de sucesso, a aceitação pelo outro, sendo o papel das mídias digitais moldar, “construir” a personalidade para essa situação. Segundo a autora, a  questão da identidade é muito grave, pois a moda e a tecnologia “exercem forte influência na composição da personalidade humana […] ao mesmo tempo em que desestabilizam as identidades e promovem a construção de novos comportamentos que logo serão desconstruídos, um movimento cíclico e repetitivo“. A autora propõe uma questão difícil de responder: “Como ensinar uma menina a preservar seu corpo, esconder seus cabelos, sendo que os padrões de beleza do resto do mundo exaltam corpos desnudos, atitudes sensuais e a busca pela liberdade e a independência?

Meninas ocidentais buscam um estilo de vida igual ao da boneca Barbie, cujo slogan é bastante simbólico: “Barbie, tudo o que você quer ser” – adquirir a Barbie é  incorporar os valores que a marca e a  propaganda transmitem, o que não tem qualquer identificação com a cultura muçulmana. Sem espaço para a Barbie, surge Fulla, nome que deriva de uma flor encontrada apenas no Oriente Médio. Fulla, de fisionomia e trajes árabes, foi lançada em 2003, na Síria, “um sucesso de vendas no Oriente Médio“, uma extensão da criança que a adquire, “um reflexo da cultura na qual a menina que brinca está inserida, e representa uma novo vigor para o islamismo, uma referência para os novos adeptos“. Barbie ou Fulla? A resposta vai depender de qual lado do mundo você está: Ocidente ou Oriente, sempre com respeito ao que nos é oposto, ao que nos é contrário ou ao que é diferente.

Artigo

CARACIOLA, Carolina Boari. Fulla – A boneca muçulmana. A formação da personalidade de meninas islâmicas através do ato de brincar. Signos do Consumo, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 52-65, 2019. ISSN: 1984-5057. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1984-5057.v11i2p52-65. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/signosdoconsumo/article/view/150464. Acesso em: 20 set. 2019.

Contato 

Carolina Boari Caraciola – Pós-doutora em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da USP (ECAUSP), doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP), mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e professora da Universidade Paulista (Unip) – e-mail – carolboari@yahoo.com.br

Release by Margareth Artur – Portal de Revistas USP

© 2012 - 2019 AGUIA - Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica