A fabricação teatral do corpo-símbolo em movimento: pensando sobre comunicação por meio de uma abordagem performática - Weltanschauung, kraft e transformação

Autores

  • Beta M. X. Reis Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe169731

Palavras-chave:

performance, corpo, símbolo, ritual, percepção

Resumo

Corpos são fabricados em performances simbólicas, envolvendo comportamento restaurado, Kraft (afecções) e uma Weltanschauung performada e dinâmica. Foco no aspecto comunicacional de corpos em trabalho de campo com o Grupo Sonhus Teatro Ritual (Goiânia – GO, 2016-2017). A performance de minha observação participante envolveu aprendizado no corpo. Propus o conceito corpo-símbolo, com Weltanschauung, e além da dicotomia corpo e mente. Percepções são aqui tomadas como ações, assim como discursos o são. Tais corpos buscam transformam o meio e este artigo busca: a) mostrar vantagens de um aporte performativo de análise e b) expandir maneiras de se entender corpos e comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beta M. X. Reis, Universidade Federal de Goiás

Born in Goiânia, Brazil, non-binary person, poet and artist, Master in Social Anthropology by Federal University of Goiás with the thesis “Transforma-se o corpo para o corpo transformar o meio - corpos de teatro em fabricação com o Grupo Sonhus Teatro Ritual”.

Referências

CSORDAS, Thomas J. (2008). “A Corporeidade como um Paradigma para a Antropologia”. In: CSORDAS, Thomas J. Corpo |Significado| Cura. Porto Alegre: Editora da UFRGS. p. 101-146.

LE BRETON, David. (2011). Antropologia do corpo e modernidade. 3ª ed. Petrópolis: Vozes.

GROTOWSKI, Jerzy. (1992) Em Busca de um teatro pobre. 4. Ed. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira.

ORTNER, Sherry. B. (2011). “Teoria na antropologia desde os anos 60”. Mana. Vol.17, n.2. pp.419-466. REIS, R.M.X. (2018). Transforma-se o corpo para o corpo transformar o meio - corpos de teatro em fabricação com o Grupo Sonhus Teatro Ritual. Dissertação de Mestrado. Goiânia: PPGAS/UFG.

ROCHA, Fernando Alves. (2014). Ritual do Ator em Grupo – O conceito de treinamento a partir da trajetória do Grupo Sonhus Teatro Ritual. Dissertação de Mestrado: Uberlândia: PPG-Artes/UFU.

SCHECHNER, Richard. (1985). Between theater and anthropology. University of Pennsylvania Press.

SCHECHNER, Richard. (1988). From ritual to Theater and back: the efficacy-entertainment braid. In: SCHECHNER, Richard. Performance theory. New York: Routledge. p.106-152.

SEEGER, Anthony, DA MATTA, Roberto; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. (1979). A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras. Boletim do Museu Nacional, Série Antropologia, n. 32. p. 2-19.

TAMBIAH, Stanley. (1985). Culture, thought and social action. Cambridge: Harvard University Press

TURNER, Victor. (2008). Drama, campos e metáforas. Niterói: EdUFF.

TURNER, Victor. (1982). From Ritual to Theatre: the human seriousness of play. Nova York: PAJ Publications.

TURNER, Victor. (1974). O Processo Ritual: estrutura e anti-estrutura. Petrópolis: Vozes.

TURNER, Victor. (1987). The Anthropology of Performance. Nova York: PAJ Publications.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. (1979). “A fabricação do corpo na sociedade xinguana”. Boletim do Museu Nacional, Série Antropologia, n. 32. P. 40-49.

WACQUANT, Loïc. (2002). Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumárá.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Reis, R. M. X. (2020). A fabricação teatral do corpo-símbolo em movimento: pensando sobre comunicação por meio de uma abordagem performática - Weltanschauung, kraft e transformação. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(2), e169731. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe169731

Edição

Seção

Artigos e Ensaios