Quem cala consente? Ambientes digitais e suas implicações para a pesquisa antropológica

Autores

  • Helena Motta Monaco Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175295

Palavras-chave:

Antropologia digital, Ética, Consentimento, Gênero, Sexualidade

Resumo

Este artigo propõe reflexões éticas e metodológicas a respeito de pesquisas em ambientes digitais. Ele aborda duas situações etnográficas, vivenciadas em temporalidades distintas e junto a grupos diferentes numa mesma plataforma digital, o Facebook. Seu objetivo é explicitar os percursos traçados no trabalho de campo e as negociações com os sujeitos da pesquisa que, em um dos casos, impediu a realização da etnografia naquele ambiente. Comparando as duas situações, argumento que as diferenças encontradas na obtenção do consentimento para a realização da pesquisa dizem respeito às diferenças nos usos e sentidos atribuídos pelos sujeitos aos ambientes digitais que eles ocupam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helena Motta Monaco, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestra em Antropologia Social (2020) pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) da Universidade Federal de Santa Catarina. Possui bacharelado (2017) e licenciatura (2018) em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Referências

ABA – Associação Brasileira de Antropologia. 2012. Código de Ética do Antropólogo e da Antropóloga. Brasília, ABA. Disponível em: http://www.portal.abant.org.br/codigo-de-etica/. Acesso em 30 set 2020.

BARBOSA, Gabriel Coutinho. 2007. Os Aparai e Wayana e suas Redes de Intercâmbio. Tese de Doutorado – Antropologia Social. São Paulo: Universidade de São Paulo. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8134/tde-27112009-104126/publico/GABRIEL_COUTINHO_BARBOSA.pdf. Acesso em 30 set 2020.

BUTLER, Judith. 2016. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aquiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

DOMÍNGUEZ RUIZ, Ignacio Elpidio. 2017. Bifobia: Etnografía de la bisexualidad en el activismo LGTB. Barcelona/Madrid: Editorial Egales.

FACCHINI, Regina. 2008. Entre umas e outras: mulheres, (homo)sexualidades e diferenças na cidade de São Paulo. Tese de Doutorado – Ciências Sociais. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/280657/1/Facchini_Regina_D.pdf. Acesso em 30 set 2020.

FASSIN, Didier. 2006. The end of ethnography as collateral damage of ethical regulation? In: American Ethnologist, vol. 33, n. 4, p. 522-524.

FONSECA, Claudia. 2015. Situando os comitês de ética em pesquisa: o sistema CEP (Brasil) em perspectiva. In: Horizontes Antropológicos, ano 21, n. 44, p. 333-369. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ha/v21n44/0104-7183-ha-21-44-0333.pdf. Acesso em 30 set 2020. DOI http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832015000200014

FONTANELLA, Fernando. 2009. O que é um meme na Internet? Proposta para uma problemática da memesfera. Trabalho apresentado no III Simpósio Nacional da ABCiber.

HARAWAY, Donna. 2009. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. In: Cadernos Pagu, n. 5, p. 7-41. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773/1828. Acesso em 30 set 2020.

HEMMINGS, Clare. 2002. Bisexual spaces: A geography of sexuality and gender. New York: Routledge.

JAEGER, Angelita Alice. 2009. Mulheres atletas da potencialização muscular e a construção de arquiteturas corporais no fisiculturismo. Tese de Doutorado – Ciências do Movimento Humano. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/15749. Acesso em 30 set 2020.

LEITÃO, Débora; GOMES, Laura Graziela. 2017. Etnografia em ambientes digitais: perambulações, acompanhamentos e imersões. In: Antropolítica, n. 42, p. 41-65. Disponível em: https://periodicos.uff.br/antropolitica/article/view/41884/pdf. Acesso em 30 set 2020.

LEITÃO, Débora; GOMES, Laura Graziela. 2011. Estar e não estar lá, eis a questão: pesquisa etnográfica no Second Life. In: Revista Cronos, v. 12, n. 1, p. 25-40. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/3159/2881. Acesso em 30 set 2020.

MALIEPAARD, Emiel. 2015. Bisexuals in space and geography: More-than-queer? In: Fennia, p. 148–159. Disponível em: https://fennia.journal.fi/article/view/46303/14643. Acesso em 30 set 2020. DOI 10.11143/46303

MAUSS, Marcel. 2017. Sociologia e antropologia. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Ubu Editora.

MILLER, Daniel; HORST, Heather. 2015. O Digital e o Humano: prospecto para uma Antropologia Digital. In: Parágrafo, v. 2, n. 3, p. 91-111. Disponível em: http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/334/352. Acesso em 30 set 2020.

SILVA, Hélio. 2009. A Situação Etnográfica: andar e ver. In: Horizontes Antropológicos, ano 15, n.32, p. 171-188. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ha/v15n32/v15n32a08.pdf. Acesso em 30 set 2020.

SILVA, Vagner Gonçalves da. 2000. O Antropólogo e sua Magia: Trabalho de campo e texto etnográfico nas pesquisas antropológicas sobre religiões afro-brasileiras. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

STRATHERN, Marilyn. 2017. Os limites da autoantropologia. In: STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico e outros ensaios. Tradução do capítulo por Iracema Dulley. São Paulo: Ubu Editora.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Monaco, H. M. (2020). Quem cala consente? Ambientes digitais e suas implicações para a pesquisa antropológica. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(2), e175295. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe175295

Edição

Seção

Especial