Apresentação: Semiótica e vida social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2021.182841

Resumo

A semiótica brasileira, que hoje pode até mesmo ser reconhecida como uma “escola” de pensamento independente, tem sido exercida “com inteligência, sensibilidade, emoção e gosto particulares” (Schwartzmann; Portela, 2017, p. 65), não se limitando a objetos clássicos, mostrando-se sempre receptiva e aberta ao diálogo interdisciplinar com outras correntes linguísticas e com outras áreas do conhecimento. Reconhecendo justamente essa tendência na semiótica brasileira, e buscando contribuir com o avanço dessas reflexões entre semiótica e vida social, o Grupo de Trabalho de Semiótica da ANPOLL elegeu esse tema para nortear o biênio 2018-2020. No âmbito do Grupo de Trabalho, foram gestados os artigos que aqui se apresentam. Pudemos reunir cinco eixos  de discussão da semiótica contemporânea, como tem sido desenvolvida no Brasil, os quais fazem avançar questões que nos são próprias, seja de um ponto de vista teórico, seja do ponto de vista dos objetos que continuam a desafiar a teoria: (1) os discursos políticos;  (2) o diálogo entre semiótica e ensino;  (3) a historiografia semiótica; (4) os discursos nas redes digitais e sociais; e (5) as práticas de inscrição urbana. Esses cinco eixos temáticos podem ser tomados como diferentes faces da vida social, que podem ser descritas e explicadas por meio da semiótica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Nogueira Schwartzmann, Universidade Estadual Paulista

Docente da Faculdade de Ciências e Letras (FCL-Assis) e do Programa de Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa (FCL-Araraquara), da Universidade Estadual Paulista (UNESP), São Paulo, SP, Brasil.

Silvia Maria de Sousa, Universidade Federal Fluminense

Docente do Instituto de Letras e do Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagem da Universidade Federal Fluminense  (UFF), Niterói, Brasil.

Referências

BARROS, Diana Luz Pessoa de. As fake news e as anomalias. Verbum. Cadernos de Pós-Graduação, vol. 9, n. 2. São Paulo: PUC-SP, 2020. p. 26-41. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/verbum/article/view/50523>. Acesso em: 16 de out. 2020.

BARROS, Diana Luz Pessoa de (org.). Margens, periferias, fronteiras: estudos linguístico-discursivos das diversidades e intolerâncias. São Paulo: Editora Mackenzie, 2016.

BOUTAUD, Jean-Jacques. Sémiotique ouverte: itinéraires sémiotiques en communication. Paris: Hermès, 2007.

DONDERO, Maria Giulia.; REYES, Everardo. Les supports des images: photographie et images numériques. Revue Française des Sciences de l'information et de la communication, vol. 9, 2016. Disponível em: <https://journals.openedition.org/rfsic/2124>. Acesso em: 16 de jan. 2021.

FIORIN, José Luiz. Operações discursivas do discurso da extrema-direita. Discurso & Sociedad, vol. 13, n. 3. Chile: PUC, 2019. p. 370-382. Disponível em: <http://www.dissoc.org/ediciones/v13n03/DS13%283%29Fiorin.pdf>. Acesso em: 16 de jan. 2021.

FIORIN, José Luiz. Língua, discurso e política. Alea, vol. 11, n. 1. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009a. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-106X2009000100012>. Acesso em: 16 de jan. 2021.

FIORIN, José Luiz. A construção da identidade nacional brasileira. Bakhtiniana, vol. 1, n. 1. São Paulo: PUC-SP, 2009b. p. 115-126. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/in dex.php/bakhtiniana/article/view/3002/1933 >. Acesso em: 19 de dez. 2020.

FONTANILLE, Jacques. Práticas e formas de vida: a semiótica de Greimas posta à prova pela antropologia contemporânea. Trad. Matheus Nogueira Schwartzmann. Estudos Semióticos, vol. 13, n. 2 (edição especial). São Paulo: USP, 2017. p. 66-76. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/141609>. Acesso em: 16 de jan. 2021.

FONTANILLE, Jacques. Pratiques sémiotiques. Paris: PUF, 2008.

GREIMAS, A. J. La mode en 1830. Langage et société: écrits de jeunesse. Paris: PUF, 2000.

GREIMAS, A. J. Semiótica e ciências sociais. Trad. Álvaro Lorencini e Sandra Nitrini. São Paulo: Cultrix, 1981.

GREIMAS, A. J. Pour une sociologie du sens commun. Revue Romane, n. 2, 1969. Disponível em: <https://tidsskrift.dk/revue_romane/article/view/28888/25390>. Acesso em: 15 jan. 2021.

GREIMAS, A. J. Conditions d'une sémiotique du monde naturel. Langages, n. 10, 3ᵉ année. Numéro thématique : Pratiques et langages gestuels. 1968. p. 3-35. Disponível em: <https://www.persee.fr/doc/lgge_0458-726x_1968_num_3_10_2546#:~:text=L'hypoth%C3%A8se%2C%20d'abord,bien%20le%20statut%20de%20signes>. Acesso em: 15 jan. 2021.

LANDOWSKI, Eric. Passions sans nom: essais de socio-sémiotique III. Paris: PUF, 2004.

PORTELA, Jean Cristtus; LINDENBERG LEMOS, Carolina; BARROS, Mariana Luz Pessoa de. Le soin de la formation: L’institutionnalisation de la sémiotique au Brésil. Signata, vol. 3. Belgique, Liège, 2012. p. 47-89. Disponível em: <http://www.signata.ulg.ac.be/tomaison_2012.html>. Acesso em: 22 dez. 2020.

SCHWARTZMANN, Matheus Nogueira; PORTELA, Jean Cristtus. Reflexões para uma semiótica das culturas: o caso da identidade trans. In: BUENO, Alexandre Marcelo; MANZANO, Luciana Carmona; ABRIATA, Vera Lucia Rodella (orgs). As crises na/da contemporaneidade. Franca/SP: Editora Unifran, 2017.

TEIXEIRA, Lucia. A pesquisa em semiótica. In: GONÇALVES, Adair; GÓIS, Marcos Lúcio de Sousa (Orgs.). Ciências da linguagem: o fazer científico. Vol. 2. Campinas: Mercado de Letras, 2014. p. 223-248.

Downloads

Publicado

2021-04-15

Como Citar

Schwartzmann, M. N., & Sousa, S. M. de . (2021). Apresentação: Semiótica e vida social. Estudos Semióticos, 17(1), i-vi. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2021.182841

Edição

Seção

(ENCERRADO) Dossiê GT de Semiótica da Anpoll