Interculturalidade no ensino de italiano: um relato sobre a formação de professores no município de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.i42p44-63

Palavras-chave:

Interculturalidade, Formação de professores, Ensino de italiano L2, Ensino na cidade de São Paulo

Resumo

Apesar da clara e estreita relação com a língua, a cultura ganhou um papel de destaque no âmbito do ensino-aprendizagem de L2 somente a partir da década de 1990. Ainda assim, até os dias de hoje a inclusão do componente cultural na sala de aula é um grande desafio para os professores de L2 (KUMARAVADIVELU, 2008). Foi justamente com base na importância desse desafio que o tratamento da cultura nas aulas de L2 constituiu um dos temas abordados durante o Suporte Didático para o Ensino da Língua Italiana, inserido no Programa de Formação Multicultural em Língua Italiana para Professores da Rede Municipal de Ensino da Cidade de São Paulo, promovido pelo Instituto Cultural Ítalo-brasileiro em parceria com a Prefeitura de São Paulo e com o Programa de Pós-Graduação em Língua, Literatura e Cultura Italianas da USP, no segundo semestre de 2020. Propomos apresentar aqui um relato de experiência com o intuito de mostrar como docentes da rede municipal de São Paulo optaram por adotar uma abordagem intercultural na elaboração de projetos para o ensino da língua italiana na escola em que atuam. Em um primeiro momento, mostraremos como a abordagem intercultural foi tratada pelas docentes formadoras nos encontros do referido suporte. Em seguida, descreveremos as propostas de projetos que incorporaram o componente intercultural entre seus objetivos e refletiremos sobre os caminhos encontrados por esses docentes para a inserção de aspectos culturais em suas práticas, apoiando-nos nos conceitos de perspectiva êmica e ética, propostos por Goodenough (1970) e Agar (2007). Por fim, elucidaremos como as propostas procuram estimular o desenvolvimento da competência intercultural (BYRAM, 1987; CORBETT, 2003).

Biografia do Autor

Graziele Altino Frangiotti, Universidade de São Paulo

Graziele Altino Frangiotti é mestre e doutora pela Universidade de São Paulo com pesquisas voltadas para a análise de livros didáticos para o ensino de língua italiana e o desenvolvimento da competência sociolinguística em aprendizes brasileiros. Atualmente integra o Núcleo de Estudos em Língua Italiana em Contexto Brasileiro (NELIB) e faz parte do conselho editorial da Revista de Literatura Italiana Traduzida da Universidade Federal de Santa Catarina. Além disso, desenvolve pesquisas no campo da Linguística de Corpus, Linguística Aplicada e Sociolinguística, interessando-se por temas como técnicas de ensino, aprendizagem colaborativa, desenvolvimento de múltiplas competências em língua italiana e ensino por tarefas.

Ana Luísa de Araújo Mhereb, Universidade de São Paulo

Ana Luísa de Araújo Mhereb é mestra e doutoranda pelo programa de Língua, Literatura e Cultura Italianas da Universidade de São Paulo. Dedica-se ao estudo das certificações de proficiência em italiano como língua estrangeira, partindo da perspectiva da avaliação de habilidades integradas e por meio de tarefas, além de realizar estudos no âmbito da Pragmática. É membro do grupo de pesquisa Pragmática (Inter)Linguística, Cross-Cultural e Intercultural (USP/CNPq). Atualmente é professora de língua italiana do Circolo Italiano, em São Paulo.

Referências

AGAR, M. Language shock: understanding the culture of conversation. New York: Perennial, 2002.

AGAR, M. Emic/etic. In: Ritzer, G. (ed.) The Blackwell Encyclopedia of Sociology. Oxford: Bla-ckwell Publishing, 2007.

AGAR, M. Making sense of one other for another: ethnography as translation. Language e communi-cation. n. 31, p. 38-47, 2010.

BAUMAN, Z. Culture as praxis. Londres: Sage Publications, 1999.

BYRAM, M. Teaching and Assessing Intercultural Communicative Competence. Clevedon: Multi-lingual Matters, 1997.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, n. 22, p. 89-100, 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782003000100009

CORBETT, J. An intercultural approach to English language teaching. Clevedon: Multilingual Ma-tters, 2003.

GOODENOUGH, W.H. Description and comparison in cultural anthropology. Chicago: Aldine, 1970.

KRAMSCH, C. Language and culture. Oxford: Oxford University Press, 1998.

KUMARAVADIVELU, B. Cultural Globalization and Language Education.Yale University Press, 2008.

LACERDA, G. S. Alfabetização científica e formação profissional. Educação & Sociedade, n. 60, p. 91-108, 1997. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101- 73301997000300006

LEAL, M. C.; SOUZA, G. G. Mito, ciência e tecnologia no ensino de ciências: o tempo da escola e do museu. In: Atlas do I Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, Águas de Lindóia-SP, 27-29 nov. 1999.

PIKE, K.L. Language in relation to a unified theory of human behavior. Monton: the Hague, 1967.

SERRA BORNETO, C. S. C’era una volta il metodo. Tendenze attuali nella didattica delle lingue straniere. Roma: Carocci, 1998

SPENCER-OATEY, H. What is culture? A compilation of quotations. GlobalPAD Core Concepts, 2012.

VYGOTSKY, L.S. The history of the development of higher mental functions. The Collected Works. New York: Plenum Press, vol. 4, 1997.

Downloads

Publicado

2021-12-23

Como Citar

Frangiotti, G. A., & Mhereb, A. L. de A. (2021). Interculturalidade no ensino de italiano: um relato sobre a formação de professores no município de São Paulo. Revista De Italianística, (42), 44-63. https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.i42p44-63

Edição

Seção

Artigos