Fabulação e formação de leitores: uma aventura em O mistério do coelho pensante, de Clarice Lispector

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v35i1p59-80

Palavras-chave:

Leitura, Ensino, Literatura, Recepção, Prática literária

Resumo

O presente artigo discute a importância da fabulação para a formação de leitores no Ensino Fundamental I, levando em consideração aspectos que norteiam a leitura literária com jovens leitores. Consideram-se elementos fundamentais de recepção e mediação como fatores imprescindíveis a uma possível reflexão prática que atenda aos anseios do processo de fabulação. Partindo da narrativa infantil de Clarice Lispector O mistério do coelho pensante, as atividades propostas dialogam com a percepção da necessidade de uma escuta prolongada da recepção estabelecida pelas crianças e entendida como uma experiência significativa. Os caminhos percorridos na proposta didática estabelecem princípios que atendem a essa escuta, bem como tornam viável um projeto de leitura que possa ressignificar o ensino e a recepção do texto literário com leitores em formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Morais de Sousa Baldoino, Redes Municipais de Belo Horizonte e Contagem

Mestre em Letras (UFTM-Universidade Federal do Triângulo Mineiro). Professora das redes municipal de Belo Horizonte e Contagem, Minas Gerais, Brasil.

Fani Miranda Tabak, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Professora Adjunta da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, com ênfase nos estudos de narrativa poética e historiografia, modernidade e estudos de gênero. Possui interesse pela área de historiografia, participação e autoria feminina e Independência na America Latina, sobretudo em um corpus não canônico. Atualmente agregou ao interesse dos estudos de gênero e historiografia pesquisas que envolvem o trato da educação literária para a formação de jovens leitores e a reavaliação dos métodos e conteúdos do ensino literário na escola.

Referências

BALDOINO, A. M. de S. O desafio de ressignificar o trabalho com Literatura na escola e promover a formação de comunidades leitoras. Dissertação (Mestrado em Letras), Profletras, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2021.

BARIN, A. C. Invento-me: potências do devir-criança-uma educação pela fabulação. Tese (Doutorado em Educação), Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2019.

BENJAMIN, W. O narrador. In: BENJAMIN, W. Obras escolhidas: Magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 3. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

BUENO, S. Minidicionário da Língua Portuguesa. 2. ed. São Paulo: FTD, 2007.

CANDIDO, A. O direito à literatura. In: CANDIDO, A. Vários escritos. 5. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.

COLASANTI, M.; SANT’ANNA, A. R. de. Com Clarice. São Paulo: Unesp, 2013.

DELEUZE, G. Crítica e clínica. São Paulo: Editora 34, 1997.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, 2002.

LISPECTOR, C. O mistério do coelho pensante. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

MANGUEL, A. Uma história de leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

JAUSS, H. R. A história da literatura como provocação à teoria literária. Trad. Sérgio Tellaroli. São Paulo: Ática, 1994.

TABAK, F. M. Leitura aberta: por uma construção da leitura literária no ensino. Fragmentum, n. 57, p. 39-50, 2021.

ZILBERMAN, R. Recepção e leitura no horizonte da literatura. Rev. Alea, v. 10, n. 1, p. 85-97, jun. 2008.

Downloads

Publicado

2022-03-21

Como Citar

Baldoino, A. M. de S. ., & Tabak, F. M. (2022). Fabulação e formação de leitores: uma aventura em O mistério do coelho pensante, de Clarice Lispector. Linha D’Água, 35(1), 59-80. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v35i1p59-80