Públicos e “não públicos” da cultura e das artes

  • Adriana Alves Santana Universidade Federal da Bahia
  • Gisele Marchiori Nussbaumer Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Públicos da cultura, Públicos das artes, Políticas culturais

Resumo

Este artigo discute os públicos da cultura e das artes considerando inicialmente as diferentes compreensões possíveis do termo “público” e sua relação com as políticas culturais. Em seguida, apresenta os principais resultados de pesquisas nacionais realizadas sobre o tema e destaca desafios referentes à questão dos públicos no atual contexto político-cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Alves Santana, Universidade Federal da Bahia

Mestra pelo Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Pós-Cultura) da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Produtora cultural graduada pela Faculdade de Comunicação (Facom) da UFBA

Gisele Marchiori Nussbaumer, Universidade Federal da Bahia

Professora da Faculdade de Comunicação (Facom) e do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Pós-Cultura) da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas (PPGCOM/UFBA)

Referências

ALLUCCI, R.; JORDÃO, G. Panorama setorial da cultura brasileira 2013/2014. São Paulo: Allucci e Associados, 2014.

BOTELHO, I. Dimensões da cultura e políticas públicas. São Paulo em perspectiva, São Paulo, ano 15, n. 2, p. 73-83, abr./jun. 2001. DOI: 10.1590/S0102-88392001000200011.

BOTELHO, I. Políticas culturais: discutindo pressupostos. In: NUSSBAUMER, G. M. (org.). Teorias e políticas da cultura: visões multidisciplinares. Salvador: Edufba, 2007. p. 171-180. (Coleção Cult).

BOTELHO, I.; FIORE, M. O uso do tempo livre e as práticas culturais na região metropolitana de São Paulo: relatório da primeira etapa da pesquisa. São Paulo: Centro de Estudos da Metrópole, 2005. Disponível em: http://bit.ly/2RYUHmP. Acesso em: 3 fev. 2020.

CAVAZZOLA JUNIOR, C. A. Santander Cultural promove pedofilia, pornografia e arte profana em Porto Alegre. Lócus, Passo Fundo, 6 set. 2017. Disponível em: http://bit.ly/30OxTc1. Acesso em: 28 fev. 2019.

COELHO, T. Dicionário crítico de política cultural. São Paulo: Iluminuras, 1997.

COULANGEON, P. Os franceses, a arte e a democratização da cultura. In: BÔAS, G. V.; QUEMIN, A. (org.). Arte e vida social: pesquisas recentes no Brasil e na França. Marseille: OpenEdition Press, 2016. Disponível em: https://bit.ly/38ZzzTd. Acesso em: 7 mar. 2019. DOI: 10.4000/books.oep.475

CULTURA e equipamentos culturais na zona nobre do Rio e de São Paulo. FGV Opinião. Rio de Janeiro: FGV, nov. 2006. 26 p. Disponível em: https://bit.ly/37Deb5M. Acesso em: 29 jan. 2020.

FLEURY, L. Sociologia da cultura e das práticas culturais. São Paulo: Senac, 2009.

FRANÇA. Ministère de la Culture et de la Communication. Département des études, de la prospective et des statistiques. Les pratiques culturelles des Français: enquêtes 1973, 1981, 1988, 1997, 2008. Paris: Deps, 2009. Disponível em: http://bit.ly/38KchAD. Acesso em: 14 fev. 2019.

GANDRA, A. Brasileiros passam a frequentar mais cinemas e teatros, diz pesquisa. Agência Brasil, Rio de Janeiro, 26 fev. 2016. Disponível em: http://bit.ly/397mU0f. Acesso em: 3 fev. 2020.

GANDRA, A. Brasileiros frequentam mais teatros e cinemas, diz pesquisa. Agência Brasil, Rio de Janeiro, 24 abr. 2017. Disponível em: http://bit.ly/2OsOs8u. Acesso em: 03 fev. 2020.

HERCULANO, M. Hábitos culturais do brasileiro. Cultura e Mercado, São Paulo, 10 abr. 2015. Disponível em: http://bit.ly/2UrMtFl. Acesso em: 03 fev. 2020.

LEIVA, J. (org.). Cultura SP: hábitos culturais dos paulistas. São Paulo: Tuva, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2OovPmn. Acesso em: 29 jan. 2020.

LEIVA, J. (org.). Cultura em Salvador. São Paulo: JLeiva Cultura & Esporte, 2015.

LEIVA, J. (org.). Perfil cultural dos cariocas. São Paulo: JLeiva Cultura & Esporte, 2016. Disponível em: http://bit.ly/398vig5. Acesso em: 03 fev. 2020.

LEIVA, J.; MEIRELLES, R. (org.). Cultura nas capitais: como 33 milhões de brasileiros consomem diversão e arte. Rio de Janeiro: 17Street, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2O8e3n6. Acesso em: 29 jan. 2020.

LESSA, J. Pesquisa da Fecomércio RJ/Ipsos mostra avanço nas principais atividades culturais no país. Maxpress, São Paulo, 10 mar. 2014. Disponível em: http://bit.ly/2v0mH0n. Acesso em: 3 fev. 2020.

MANSILHA, T. M. C. Públicos e não-públicos das artes performativas em contexto não-urbano. 2015. Dissertação (Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação) – Escola de Sociologia e Políticas Públicas, Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, 2015.

MANTECÓN, A. R. Papéis de público e inclusão social. In: ALLUCCI, R; JORDÃO, G. Panorama setorial da cultura brasileira 2013/2014. São Paulo: Allucci e Associados, 2014. p. 120-130.

MATA, M. C. Interrogaciones sobre el público. In: LOPES, M. I. V.; NAVARRO, R. F. (org.). Comunicación, campo y objeto de estudio: perspectivas reflexivas latinoamericanas. Tlaquepaque: Iteso, 2001. p. 183-199.

SANTOS, R. Exposição fechada mostra que brasileiro não é mais cordeirinho. Folha de S.Paulo, São Paulo, 12 set. 2017.

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO. Públicos de cultura: pesquisa de opinião pública. São Paulo: Sesc: Fundação Perseu Abramo, 2013. Disponível em: https://bit.ly/2RzHBfq. Acesso em: 29 jan. 2020.

SINISTERRA, J. S. Dramaturgia da recepção. Folhetim, Rio de Janeiro, n. 13, p. 66-79, abr./jun. 2002.

TAVARES, F.; AMORIM, D. Como movimentos ultraconservadores conseguiram encerrar a exposição Queermuseu. Época, São Paulo, 15 set. 2017. Disponível em: https://glo.bo/30MLXD3. Acesso em: 28 fev. 2019.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Santana, A., & Nussbaumer, G. (2019). Públicos e “não públicos” da cultura e das artes. Sala Preta, 19(2), 150-162. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i2p150-162
Seção
SALA ABERTA