Reflexões sobre a narrativa de fundação em ‘Iracema, a virgem dos lábios de mel’

Autores

  • Marcelo Dídimo Souza Vieira Universidade Federal do Ceará
  • Aline Rebouças Azevedo Soares Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.118070

Palavras-chave:

Adaptação cinematográfica, heroína mítica, Iracema, narrativa de fundação.

Resumo

Este artigo elabora algumas reflexões sobre a narrativa de fundação em Iracema, a virgem dos lábios de mel (Coimbra, 1979), adaptação cinematográfica da obra literária Iracema (Alencar, 1865). Ao relacionar o romance alencarino com a biografia de Pocahontas e a epopeia Eneida, de Virgilio, com enfoque nas personagens Camila, Dido e Lavínia, adotamos a perspectiva de que a personagem Iracema é uma heroína mítica e sua história uma narrativa de fundação. A partir deste levantamento, investigamos de que maneira o projeto de fundação de José de Alencar foi recriado em Iracema, a virgem dos lábios de mel.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Marcelo Dídimo Souza Vieira, Universidade Federal do Ceará
    Professor adjunto do Curso de Cinema e Audiovisual e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação do Instituto de Cultura e Arte da UFC. Mestre e Doutor em Multimeios/Cinema pela UNICAMP. Recentemente realizou Estágio Pós-Doutoral na Columbia University, New York. É autor do livro "O Cangaço no Cinema Brasileiro". 
  • Aline Rebouças Azevedo Soares, Universidade Federal do Ceará
    Mestranda em Comunicação na Universidade Federal do Ceará - UFC, na linha de pesquisa Fotografia e Audiovisual; bolsista da FUNCAP desde maio de 2015. Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade de Fortaleza (2005).

Referências

ABREU, N. C. Boca do Lixo: cinema e classes populares. Campinas: Unicamp, 2006.

ALENCAR, J. Iracema. Porto Alegre: L&P, 2014.

BAZIN, A. Por um Cinema impuro. In: O cinema: ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1991.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, formas, figuras, cores, números. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

DUNN, C. Identidades nacionais: os discursos de raça e gênero em Pocahontas e Iracema. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 32, n. 2, p. 71-85, 1997.

MORAES, V. L. A. O discurso amoroso em Iracema. In: Iracemas: imagens de uma lenda. Gabinete do Governador do Estado do Ceará. Fortaleza: Barbarela B Comunicação e Marketing, 2006.

MOREIRA, V. P. Iracema: um romance de mito e fundação ao modelo virgiliano In: Mito e Literatura. Fortaleza: Academia Cearense de Letras/Expressão Gráfica, 2007.

MULVEY, L. Prazer visual e o cinema narrativo. In: XAVIER, I. (Org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal, Embrafilmes, 2008.

RIBEIRO, L. F. Mulheres de papel: um estudo do imaginário em José de Alencar e Machado de Assis. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 1996.

STAM, R. Teoria e prática da adaptação: da fidelidade à intertextualidade. Ilha do Desterro, Florianópolis, v. 1, n. 51, p. 19-53, 2006. Disponível em: http://bit.ly/2oYuNBd Acesso em: 24 ago. 2014.

VIEIRA, M. Adaptação intercultural: o caso de Shakespeare no cinema brasileiro. Salvador-Brasília: EDUFBA-COMPÓS, 2013.

VIRGILIO, M. Eneida. Rio de Janeiro: Tecno Print Gráfica Editora, s/a.

Downloads

Publicado

2017-07-13

Edição

Seção

Dossiê

Como Citar

Reflexões sobre a narrativa de fundação em ‘Iracema, a virgem dos lábios de mel’. RuMoRes, [S. l.], v. 11, n. 21, p. 114–131, 2017. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.118070. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/118070.. Acesso em: 22 abr. 2024.