A filosofia de Match point: síntese do imaginário trágico de Woody Allen

Autores

  • Rogério de Almeida Universidade de São Paulo
  • Marcos Beccari Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.132183

Palavras-chave:

Match point, Woody Allen, imaginário trágico

Resumo

O objetivo deste artigo é tanto propor uma interpretação filosófica de Match point quanto demonstrar como tal película sintetiza o imaginário trágico de Woody Allen. De início, delineamos algumas bases conceituais que amparam a proposta de uma interpretação fílmica. Em seguida, apresentamos os elementos que caracterizam o pensamento trágico e os associamos ao filme elencado. Observamos, por fim, que o imaginário trágico que permeia a obra de Woody Allen desponta pela aprovação incondicional da existência.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Rogério de Almeida, Universidade de São Paulo

    Professor associado da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP). Coordenador do Lab_Arte e do Geifec. Graduado em Letras (1997), doutor em Educação (2005) e livre docente em Cultura e Educação, todos os títulos pela Universidade de São Paulo. Fez pós-doutorado na Universidade do Minho (2016).

  • Marcos Beccari, Universidade Federal do Paraná

    Doutor em Educação na Universidade de São Paulo (USP). Graduado em Design Gráfico e Mestre em Design, ambos pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor do Departamento de Design e do PPG-Design da UFPR. Pesquisador nos grupos: Navis – Núcleo de Artes Visuais (UFPR e Unespar), Design Colaborativo e Cocriação (UFPR), Geifec – Grupo de Estudos sobre Itinerários de Formação em Educação e Cultura (USP), Lab_Arte – Laboratório Experimental de Arte-Educação & Cultura (USP).

Referências

A ROSA púrpura do Cairo. Direção: Woody Allen. Produção: Charles H. Joffe e Jack Rollins. Intérpretes: Mia Farrow; Jeff Daniels; Danny Aiello; Dianne Wiest e outros. Roteiro: Woody Allen. Los Angeles: Orion Pictures, 1985. (82 min.), son., color., 35 mm.

ALMEIDA, R. Meia-noite em Paris. In: ALMEIDA, R.; FERREIRA-SANTOS, M. Cinema e contemporaneidade. São Paulo: Képos, 2012. p. 39-52.

______. O imaginário trágico de Machado de Assis: elementos para uma pedagogia da escolha. São Paulo: Képos, 2015a.

______. O mundo, os homens e suas obras: filosofia trágica e pedagogia da escolha. Tese (Livre Docência em Cultura e Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo: FEUSP, 2015b.

______. Cinema e educação: fundamentos e perspectivas. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, p. 1-28, 2017.

ASSIS, M. Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Ática, 1990.

BECCARI, M. Articulações simbólicas: uma nova filosofia do design. Teresópolis: 2AB, 2016.

BÍBLIA. A. T. Eclesiastes 4: 2-3. Trad. João Ferreira de Almeida revista e atualizada. 1993. Disponível em: <https://goo.gl/cpporm>. Acesso em: 11 out. 2017.

CIORAN, E. M. Do inconveniente de ter nascido. Lisboa: Letra Livre, 2010.

CRIMES e pecados. Direção: Woody Allen. Produção: Charles H. Joffe e Jack Rollins. Intérpretes: Martin Landau; Woody Allen; Bill Bernstein e outros. Roteiro: Woody Allen. Los Angeles: Jack Rollins & Charles H. Joffe Productions, 1989. (104 min.), son., color., 35 mm.

DELEUZE, G. Cinema: imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.

LAX, E. Conversas com Woody Allen. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

MAGIA ao luar. Direção: Woody Allen. Produção: Ronald L. Chez. Intérpretes: Colin Firth; Emma Stone; Marcia Gay Harden e outros. Roteiro: Woody Allen. Londres: Dippermouth Productions, 2014. (97 min.), son., color., 35 mm.

MEIA-NOITE em Paris. Direção: Woody Allen. Produção: Javier Méndez. Intérpretes: Owen Wilson; Rachel McAdams; Kathy Bates e outros. Roteiro: Woody Allen. Barcelona: Mediapro; Versátil Cinema; Gravier Productions; Pontchartrain Productions; TV3, 2011. (94 min.), son., color., 35 mm.

MERLEAU-PONTY, M. O cinema e a nova psicologia. In: XAVIER, I. (Org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal, 1983. p. 101-117.

NIETZSCHE, F. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. Tradução J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

______. Ecce homo: como alguém se torna o que é. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

______. Genealogia da moral: uma polêmica. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

OLIVA, R. H. El saber trágico: de Nietzsche a Rosset. Madrid: Laberinto, 2001.

PONTO final: Match point. Direção: Woody Allen. Produção: Stephen Tenenbaum. Intérpretes: Scarlett Johansson; Jonathan Rhys Meyers; Emily Mortimer e outros. Roteiro: Woody Allen. Londres: BBC Films; Thema Production; Jada Productions; Kudu Films, 2005. (124 min.), son., color., 35 mm.

REIA-BAPTISTA, V. Estudos fílmicos: o estado da Arte (e da Ciência). In: SOPCOM, 4., 2005, Faro. Livro de Actas. Faro: Universidade do Algarve, jun. 2005. p. 1029- 1033. Disponível em: <https://goo.gl/h6HeLY>. Acesso em: 10 maio 2017.

RICOEUR, P. Hermenêutica e ideologias. Petrópolis: Vozes, 2008.

ROSSET, C. A lógica do pior: elementos para uma filosofia trágica. Tradução Fernando J. F. Ribeiro e Ivana Bentes. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1989.

______. Alegria: a força maior. Tradução Eloisa Araújo Ribeiro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2000. (Coleção Conexões).

SCHEMBRI, J. Words from Woody. The Age, mar. 2006. Disponível em: <https://goo.gl/Evsoe5>. Acesso em: 10 maio 2017.

STEINER, G. Depois de Babel: questões de linguagem e tradução. Curitiba: Editora da UFPR, 2005.

ZANIRATTO, C. P. Tradução, comentário e notas de Édipo em Colono de Sófocles. 2003. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas, 2003.

Downloads

Publicado

2017-11-23

Edição

Seção

Dossiê

Como Citar

A filosofia de Match point: síntese do imaginário trágico de Woody Allen. RuMoRes, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 41–58, 2017. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.132183. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/132183.. Acesso em: 15 jun. 2024.