A midiatização de um juízo político

responsabilidade editorial nas capas de revista semanais brasileiras

  • Camila Hartmann Universidade Federal de Santa Maria
  • Ada Cristina Machado da Silveira Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Jornalismo, política, midiatização, juízo político, capas de revista

Resumo

O artigo analisa os discursos jornalísticos produzidos sobre o juízo político da presidente Dilma Rousseff em capas de revista semanais de circulação nacional em um contexto de midiatização da sociedade. Como objeto empírico de análise, elegeu-se três capas veiculadas individualmente por CartaCapital, IstoÉ e Veja em uma mesma data, que sucedeu o processo de votação do juízo político na Câmara dos Deputados. Questiona-se a ação das revistas semanais nas capas elaboradas quando do juízo político de Dilma Rousseff, considerandose a responsabilidade editorial das peças jornalístico-promocionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Hartmann, Universidade Federal de Santa Maria

Mestra em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Integrante do Grupo de Pesquisa Comunicação, Identidades e Fronteiras. Graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela UFSM (2016).

Ada Cristina Machado da Silveira, Universidade Federal de Santa Maria

Professora titular da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), onde integra o quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação. Colaboradora do Mestrado Profissional em Comunicação e Indústria Criativa da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) e pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Líder do Grupo de Pesquisa Comunicação, Identidades e Fronteiras.

Referências

ABRAMO, P. Padrões de manipulação na grande imprensa. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.
ALI, F. A arte de editar revistas: um guia para jornalistas, diretores de redação, diretores de arte, editores e estudantes. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009.
ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1988.
BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução Michel Lahud; Yara Vieira. São Paulo: Hucitec, 1995.
BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro & João, 2010.
BOURDIEU, P. Razões práticas. Tradução Mariza Corrêa. São Paulo: Papirus, 2011.
BRAGA, J. L. Mediatização como processo interacional de referência. Animus, Santa Maria, v. 5, n. 2, p. 9-35, jul.-dez. 2006.
BUITONI, D. S. Revista e segmentação: dividir para reunir. In: TAVARES, F. M.; SCHWAAB, R. (Orgs.). A revista e seu jornalismo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 107-118.
CARTACAPITAL. São Paulo: Confiança, n. 897, 20 abr. 2016.
FAUSTO NETO, A. A sentença dos medias: o discurso emancipatório do impeachment de Collor. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS, 17., 1993, Caxambu. Anais… São Paulo: Anpocs, 1993.
FAUSTO NETO, A. Vozes do impeachment. In: MATOS, H. (Org.). Mídia, eleições e democracia. São Paulo: Página aberta, 1994. p. 159-189.
FAUSTO NETO, A. Fragmentos de uma analítica da midiatização. MATRIZes, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 89-105, abr. 2008.
FERNANDES, C. Impeachment de Dilma Rousseff. UOL, São Paulo, 31 ago. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2TS9eOR. Acesso em: 15 abr. 2018.
GUIMARÃES, L. A cor como informação. São Paulo: Annablume, 2000.
HJARVARD, S. Midiatização: conceituando a mudança social e cultural. MATRIZes, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 21-44, jan.-jun. 2014.
ISTOÉ. São Paulo: Três, n. 2.419, 20 abr. 2016.
MENDONÇA, R. As 12 reviravoltas no processo de impeachment. BBC Brasil, São Paulo, 11 maio 2016. Disponível em: https://bbc.in/2FZatb6. Acesso em: 16 abr. 2018.
PONZIO, A. A concepção bakhtiniana como dar um passo. In: BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro & João, 2010. p. 7-38.
RIBEIRO, D. B. Jornalismo de revista e ethos discursivo: as imagens de si nas capas e nos editoriais de Veja, Época, IstoÉ e Carta Capital. 2014. Tese (Doutorado Comunicação e Informação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.
ROSA, F.; BANQUIERI, R. Da eleição à votação do impeachment. G1, São Paulo, 17 abr. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2TSCgOd. Acesso em: 16 abr. 2018.
SILVEIRA, A. C. M. Ambivalência entre coberturas e favelas na cobertura jornalística sobre periferias. In: CONGRESSO DA FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 8., 2009, Lisboa. Anais […]. Lisboa: Lusocom, 2009.
SILVEIRA, A. C. M. Blindagem midiática: o questionamento comunicacional da mediação jornalística. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 13., 2015, Campo Grande. Anais […]. Brasília: Portal de Eventos da UNB, 2015. p. 1-15.
SILVEIRA, A. C. M. Ambivalência e cobertura jornalística de periferias. In: SILVEIRA, A. C. M.; GUIMARÃES, I. P. (Orgs.). Conexões (trans)fronteiriças: mídia, noticiabilidade e ambivalência. Foz do Iguaçu: EdUnila, 2016. p. 24-43.
SODRÉ, M. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2010.
TAVARES, F. M.; SCHWAAB, R. Revista e comunicação: percursos, lógicas e circuitos. In: TAVARES, F. M.; SCHWAAB, R. (Orgs.). A revista e seu jornalismo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 27-43.
VEJA. São Paulo: Abril, n. 2.474, 20 abr. 2016.
Publicado
2019-06-13
Como Citar
HARTMANN, C.; SILVEIRA, A. A midiatização de um juízo político. Rumores, v. 13, n. 25, p. 258-279, 13 jun. 2019.
Seção
Artigos