Hipermediação e interatividade

por uma crítica do documentário como um espaço plurimidiático

Palavras-chave: Documentário 3.0, interface, interatividade

Resumo

O gênero documental é anterior ao cinema. Pode-se dizer que surgiu no campo midiático em relatos jornalísticos e ilustrações editoriais. Com a fotografia e o cinema, o documentário ganhou consistência e uma sintaxe própria, com diversas metodologias e complexidades. Atualmente ele passa por uma transição no espaço da internet e do digital, com novas possibilidades tanto para o realizador como para o espectador. Nessa proposta, o consideramos não apenas um gênero cinematográfico, mas plurimidiático. Deste modo, ao recortar suas especificidades no audiovisual, pode-se pensar na transição e complementaridade de um primeiro espaço do documentário no cinema, para um segundo na televisão. Ambos dialogam com a especificidade de suas mídias, com o que trouxeram de novo, com correspondências de subgêneros e eventuais remixagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe de Castro Muanis, Institut für Medienwisseschaft da Ruhr-Universität Bochum

Professor visitante no Institut für Medienwisseschaft da Ruhr-Universität Bochum, Alemanha. Doutor em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor adjunto de Televisão e Mídias Digitais do Departamento de Cinema e Vídeo da Universidade Federal Fluminense (UFF), atualmente afastado. Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Coordenador do grupo de pesquisa Entelas. Jornalista, diretor de arte e ilustrador filiado à Sociedade dos Ilustradores do Brasil (SIB).

Referências

ARANTES, P. @rte e mídia: perspectivas da estética digital. São Paulo: Ed. Senac, 2005.
BARNOUW, E. El documental: historia y estilo. Barcelona: Gedisa, 1993.
BEIGUELMAN, G. O livro depois do livro. São Paulo: Peirópolis, 2003.
BENJAMIN, W. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994.
BOLTER, J. D.; GRUSIN, R. Remediation: understanding new media. Cambridge, MA: MIT Press, 2000.
BRAGA, E. A interatividade e a construção do sentido no ciberespaço. In: LEÃO, L. (Org.). O chip e o caleidoscópio: reflexões sobre as novas mídias. São Paulo: Ed. Senac, 2005. p. 123-131.
COUCHOT, E. A arte pode ainda ser um relógio que adianta? O autor, a obra e o espectador na hora do tempo real. In: DOMINGUES, Diana (Org.). A arte no século XXI: a humanização das tecnologias. São Paulo: Ed. Unesp, 1997. p. 135-143.
COUCHOT, E. A tecnologia na arte: da fotografia à realidade virtual. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2003.
DA-RIN, S. Espelho Partido: tradição e transformação no documentário. Rio de Janeiro: Azougue, 2004.
FLUSSER, V. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
LUNENFELD, P. Os mitos do cinema interativo. In: LEÃO, Lucia (Org.). O chip e o caleidoscópio: reflexões sobre as novas mídias. São Paulo: Ed. Senac, 2005. p. 365-383.
MANOVICH, L. The language of new media. Cambridge, MA: MIT Press, 2001.
MUANIS, F. O pintor, o montador, o cineasta e seu amante. Sessões do Imaginário, Porto Alegre, ano 12, n. 17, p. 24-34, 2007.
NICHOLS, B. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005.
PENAFRIA, M. O filme documentário: história, identidade, tecnologia. Lisboa: Cosmos, 1999.
PRISON Valley: the prison industry. Direção: Philippe Brault e David Dufresne. Produção: Alexandre Brachet, Gregory Trowbridge. Estrasburgo: Arte, 2010. 1 vídeo (100 min). Disponível em: https://bit.ly/2q9YX4V. Acesso em: 26 jun. 2017.
SANTAELLA, L.; NÖTH, W. Imagem: cognição, semiótica, mídia. São Paulo: Iluminuras, 2008.
SOMMERER, C.; MIGNONNEAU, L. Cultural interfaces: interaction revisited. In: GRAU, O. (Org.). Imagery in the 21st century. Cambridge, MA: MIT Press, 2013.
YOUNGBLOOD, G. Expanded cinema. Nova Iorque: Dutton, 1970.
WALKING the Edit. Genebra: Ulrich Fischer, 2011. Disponível em https://bit.ly/2GlqQPy. Acesso em: 9 mar. 2017.
Publicado
2019-06-13
Como Citar
MUANIS, F. Hipermediação e interatividade. Rumores, v. 13, n. 25, p. 66-81, 13 jun. 2019.
Seção
Dossiê